Lon­ga ex­plo­ra re­la­ção en­tre au­tor Tom Wol­fe e seu edi­tor

Metro Brazil (ABC) - - Cultura -

Mi­cha­el Grandage cons­truiu seu no­me co­mo um bem-su­ce­di­do di­re­tor te­a­tral após con­quis­tar os prê­mi­os Tony e Oli­vi­er. Ago­ra ele quer con­quis­tar a te­la gran­de.

Aos 54 anos, o bri­tâ­ni­co as­su­me o bas­tão de “O Mes­tre dos Gê­ni­os”, que es­treia ho­je ex­plo­ran­do a re­la­ção en­tre o acla­ma­do es­cri­tor Tho­mas Wol­fe (Ju­de Law) e o gran­de edi­tor ame­ri­ca­no Max Per­kins (Co­lin Firth), res­pon­sá­vel pe­la des­co­ber­ta de no­mes co­mo F. Scott Fitz­ge­rald e Er­nest He­mingway. O lon­ga es­treia ho­je no país.

“Es­te aca­bou se pro­van­do co­mo o pro­je­to que eu al­me­ja­va há mui­to tem­po pa­ra con­se­guir dar es­se sal­to ru­mo ao ci­ne­ma. Ten­tei mos­trar a re­la­ção en­tre os per­so­na­gens prin­ci­pais, que são re­al­men­te o co­ra­ção do fil­me”, afir­ma Grandage.

O di­re­tor se diz fas­ci­na­do por li­vros e diz que trou­xe su­as vi­sões em tor­no da li­te­ra­tu­ra

“Não há na­da co­mo ter um li­vro nas mãos. Se es­se fil­me mo­ti­var al­guém a pe­gar um ro­man­ce, te­rei fei­to um bom tra­ba­lho.”

pa­ra o ro­tei­ro de “O Mes­tre dos Gê­ni­os”.

“Acho que não há na­da co­mo ter um li­vro nas mãos. Ex­por uma his­tó­ria, por­tan­to, é ex­por to­do o pro­ces­so por trás de um li­vro. Se es­se fil­me mo­ti­var al­guém a pe­gar uma có­pia de um ro­man­ce, acho que já te­rei fei­to um bom tra­ba­lho. Ler faz vo­cê vi­a­jar, de­va­ne­ar e ima­gi­nar. Quan­do leio um ro­tei­ro de te­a­tro, eu não si­go ape­nas a his­tó­ria, e apli­quei es­se le­ma na exe­cu­ção do fil­me.”

Am­bi­en­ta­do na No­va York do iní­cio do sé­cu­lo 20, o lon­ga é re­che­a­do de per­so­na­li­da­des re­ais, co­mo Ali­ne Berns­tein, de­sig­ner que se en­vol­veu com Wol­fe (Ni­co­le Kid­man), a mu­lher de Max (Lau­ra Lin­ney), F. Scott Fitz­ge­rald (Guy Pe­ar­ce); e Er­nest He­mingway (Do­mi­nic West).

A di­men­são hu­ma­na do re­la­ci­o­na­men­to en­tre os per­so­na­gens foi o que mais atraiu Grandage à his­tó­ria. “Acho que es­se fil­me tem vá­ri­as nu­an­ces. É clás­si­co e mui­to hu­ma­no. Des­de o iní­cio en­xer­guei a his­tó­ria des­sa ami­za­de, que é o cen­tro da tra­ma, co­mo al­go uni­ver­sal. Mas tam­bém ha­via al­go de mui­to es­pe­cí­fi­co na re­la­ção en­tre o edi­tor e o es­cri­tor que me in­te­res­sa­va pro­fun­da­men­te. Ti­ve­mos o pri­vi­lé­gio de tra­ba­lhar com pes­so­as mui­to ta­len­to­sas”, diz ele, ce­le­bran­do a mai­or di­fe­ren­ça en­tre o ci­ne­ma e o te­a­tro.

“O in­gres­so do ci­ne­ma é mais ba­ra­to e al­can­ça um nú­me­ro mai­or de pes­so­as. Di­fe­ren­te­men­te do te­a­tro, é al­go imor­tal.”

ME­TRO IN­TER­NA­CI­O­NAL

MI­CHA­EL GRANDAGE, DI­RE­TOR

| DI­VUL­GA­ÇÃO

Co­lin Firth e Ju­de Law en­car­nam pro­ta­go­nis­tas de ‘O Mes­tre dos Gê­ni­os’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.