‘Sha­o­lin do Ser­tão’ dá vo­a­do­ra na pleu­ra da co­mé­dia na­ci­o­nal

Ago­ra com mais re­cur­sos, di­re­tor do fenô­me­no ‘Ci­ne Hol­liúdy’ exa­la ce­a­ren­si­da­de ao brin­car com ci­ne­ma que mis­tu­ra hu­mor e ação

Metro Brazil (ABC) - - Cultura - AMANDA QU­EI­RÓS

Mui­to mu­dou na vi­da do di­re­tor Halder Go­mes des­de o lan­ça­men­to de “Ci­ne Hol­liúdy”, em 2013. Ro­da­do in­te­gral­men­te no Ce­a­rá, com pou­cos re­cur­sos e ta­xa­do de “re­gi­o­nal”, o fil­me que res­ga­ta a veia cô­mi­ca ce­a­ren­se no ci­ne­ma sur­pre­en­deu o mer­ca­do ao le­var qua­se 500 mil es­pec­ta­do­res às sa­las de to­do o país.

“A par­tir daí, cho­ve­ram pro­pos­tas. Pu­de ter o re­co­nhe­ci­men­to da clas­se e es­co­lher o que qu­e­ria fa­zer”, afir­ma Go­mes. Foi es­sa re­per­cus­são que o per­mi­tiu re­a­li­zar “O Sha­o­lin do Ser­tão”.

O lon­ga es­treia ho­je em to­do o país após ter so­ma­do 45 mil es­pec­ta­do­res em seu pri­mei­ro fim de se­ma­na de exi­bi­ção em se­te ci­da­des ce­a­ren­ses, com 1.290 pa­gan­tes por sa­la – mé­dia mais al­ta que a do block­bus­ter “In­fer­no”.

Abra­ça­do des­de o iní­cio de sua pro­du­ção pe­la Glo­bo Fil­mes e a dis­tri­bui­do­ra Down­town, “Sha­o­lin” é tec­ni­ca­men­te su­pe­ri­or ao an­te­ces­sor, com ro­tei­ro, fo­to­gra­fia e mon­ta­gem bem mais ca­pri­cha­dos,

“Pu­de ago­ra fa­zer um fil­me de in­dús­tria, mas com li­ber­da­de de tra­ba­lho au­to­ral.”

mas não per­de a al­ta vol­ta­gem de “fu­lei­ra­gem” que tor­na o ci­ne­ma de Go­mes úni­co den­tro do atu­al pa­drão da co­mé­dia na­ci­o­nal.

“Eu es­cre­vo por ne­ces­si­da­de, mas não é fá­cil pa­ra mim es­tru­tu­rar um ro­tei­ro. Gos­to de la­pi­dar o diá­lo­go, mas a es­tru­tu­ra é mui­to com­ple­xa. Pu­de ago­ra fa­zer um fil­me de in­dús­tria, mas com a li­ber­da­de de um tra­ba­lho au­to­ral. Não tem na­da ali que eu não ti­ves­se von­ta­de de co­lo­car”, diz.

O ar­gu­men­to de “Sha­o­lin” é an­te­ri­or ao de “Ci­ne Hol­liúdy” e par­tiu da pró­pria ju­ven­tu­de do di­re­tor, nos anos 1980, quan­do era fis­su­ra­do em fil­mes de ar­tes mar­ci­ais.

Si­tu­a­do no in­te­ri­or do Ce­a­rá nos anos 1980, o lon­ga acom­pa­nha a jor­na­da de Aluí­zio Li (Ed­mil­son Fi­lho), um pa­dei­ro que de­ci­de hon­rar sua ci­da­de ao en­fren­tar o te­mi­do lu­ta­dor To­ni To­ra-Pleu­ra e, pa­ra is­so, faz um trei­na­men­to com um pseu­do­mes­tre in­ter­pre­ta­do por Fal­cão.

É uma tra­ma sim­ples, mas que con­quis­ta por sua exe­cu­ção apai­xo­na­da e por um olhar ori­gi­nal pa­ra um gê­ne­ro ine­xis­ten­te no Bra­sil: o do fil­me de co­mé­dia de ação.

Ou­tro di­fe­ren­ci­al é o abu­so do lin­gua­jar ce­a­ren­se, mais uma vez oni­pre­sen­te – mas ago­ra sem as en­gra­ça­dís­si­mas le­gen­das, co­mo em “Ci­ne Hol­liúdy”. Se­rá que o res­to do país vai en­ten­der?

“Eu acho que vai. Tem al­gu­mas pi­a­das mui­to in­ter­nas do Ce­a­rá, mas dá pa­ra en­ten­der o que acon­te­ce na his­tó­ria”, avi­sa o di­re­tor.

Com um elen­co lo­cal re­che­a­do de ti­pos, o lon­ga traz ain­da De­dé San­ta­na, Fafy Si­quei­ra e Mar­cos Ve­ras.

HALDER GO­MES, DI­RE­TOR

| DI­VUL­GA­ÇÃO

Ed­mil­son Fi­lho pu­xa o lon­ga ro­da­do na ci­da­de de Qui­xa­dá

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.