O QUE É O DI­NHEI­RO, AFI­NAL? ANOS, ÁGUA, SANGUE E ÓLEO!

Metro Brazil (ABC) - - Publimetro - MAR­COS SILVESTRE MAR­COS.SILVESTRE@METROJORNAL.COM.BR

Mo­ney! Nos­so as­sun­to aqui é sem­pre o di­nhei­ro. Sa­be­mos que a gra­na, no fun­do, não pas­sa de uma abs­tra­ção e, jus­ta­men­te por is­so, por ve­zes te­mos di­fi­cul­da­de de com­pre­en­dê-lo. Se a gen­te não com­pre­en­de bem a na­tu­re­za do di­nhei­ro... sim­ples­men­te não con­se­gue li­dar bem com ele! Pois ho­je de­se­jo fa­zer com­pa­ra­ções en­tre o di­nhei­ro e al­gu­mas ou­tras coi­sas mais pal­pá­veis des­ta vi­da, pa­ra ver se a gen­te en­ten­de me­lhor: o que é o di­nhei­ro, afi­nal? Co­mo fun­ci­o­na? Pa­ra que ser­ve? No que aju­da ou atra­pa­lha? Sem­pre com o in­tui­to de, co­nhe­cen­do “a fe­ra”, do­mi­ná-la an­tes de ser abo­ca­nha­do por ela. Anos. O di­nhei­ro é co­mo a ida­de da gen­te, co­mo nos­sos anos de vi­da: quan­do vo­cê tem mui­to pou­co quer lo­go mais, mas... quan­do já tem um bom tan­to cai na re­al e per­ce­be que tem coi­sa bem me­lhor nes­sa vi­da que fi­car ape­nas acu­mu­lan­do “is­so”! Pa­ra os mais jo­vens o di­nhei­ro é “o per­se­gui­do” X pa­ra os mais ma­du­ros ele não es­tá com es­sa bo­la to­da, não... En­tão, sai­ba apro­vei­tar di­rei­to o qu­an­to vo­cê tem a ca­da mo­men­to da vi­da, bus­can­do o di­nhei­ro de for­ma res­pon­sá­vel, sem en­ca­nar de­mais com ele! Água. O di­nhei­ro é co­mo a água do mar: se vo­cê fi­ca ob­ce­ca­do por ele, quan­do mais vo­cê be­be... mais se­de tem! Per­si­ga sua sa­ci­e­da­de fi­nan­cei­ra, aban­do­nan­do a bus­ca fre­né­ti­ca do “qu­an­to mais me­lhor”, e de­fi­nin­do o qu­an­to é o bas­tan­te pa­ra vo­cê. Daí... es­ta­ci­o­ne e re­la­xe. Go­ze des­se seu equi­lí­brio. Sangue. Sim, o di­nhei­ro é co­mo o sangue em su­as vei­as. O sangue não é, ele mes­mo, um ór­gão do cor­po hu­ma­no, co­mo são co­ra­ção, pul­mão, rins ou fí­ga­do, mas ir­ri­ga e oxi­ge­na ca­da um de­les, do cou­ro ca­be­lu­do à pon­ti­nha do pé. Se fal­tar, ma­ta, se so­brar é he­mor­ra­gia... e ma­ta tam­bém! O di­nhei­ro é um im­pres­cin­dí­vel meio que per­meia tu­do, em­bo­ra ja­mais de­va ser vis­to co­mo um fim em si mes­mo. Sai­ba ca­li­brar a do­se cer­ta, nem mais, nem me­nos. A par­tir des­se equi­lí­brio fi­nan­cei­ro, dei­xe o co­ra­ção dar o rit­mo na sua vi­da! As emo­ções po­dem do­mi­nar, sim, des­de que a ra­zão te­nha an­tes as­sen­ta­do a ba­se! Óleo. O Di­nhei­ro é co­mo o óleo de con­jun­tos de en­gre­na­gens: se fal­tar, em­per­ra e tra­va “a má­qui­na” = sua vi­da X se hou­ver em ex­ces­so, faz pa­ti­nar as en­gre­na­gens... e de­san­da sua vi­da! Aqui, a quan­ti­da­de cer­ta im­por­ta: pou­co de­mais atra­pa­lha, mui­to de­mais, tam­bém! Não dei­xe fal­tar de for­ma crô­ni­ca X não dei­xe so­brar! E não se es­que­ça de que ele é, di­ga­mos, ape­nas um de­ta­lhe, o que im­por­ta é a má­qui­na.

Eco­no­mis­ta com MBA em Fi­nan­ças (USP), atua co­mo ori­en­ta­dor de fa­mí­li­as e edu­ca­dor em em­pre­sas (Me­to­do­lo­gia PROFE®). Co­men­ta­ris­ta econô­mi­co do Gru­po Ban­dei­ran­tes de Rá­dio e TV, é au­tor de “Os 10 Man­da­men­tos da Pros­pe­ri­da­de” e di­ri­ge o si­te www.edu­car­pa­ra­pros­pe­rar.com.br.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.