PE­QUE­NO, MAS DÁ CON­TA

Ver­são 1.0 che­ga com mais po­tên­cia, mas pre­ço nas al­tu­ras faz do ‘mil­zi­nho’ o mais ca­ro do mer­ca­do

Metro Brazil (ABC) - - { Editoria} -

An­ti­ga­men­te, car­ro com mo­tor 1.0 era sinô­ni­mo de com­pac­to de en­tra­da. Ho­je a his­tó­ria é ou­tra. Com pro­pul­so­res ca­da vez mais efi­ci­en­tes na en­tre­ga de po­tên­cia e tor­que, e mais econô­mi­cos que blo­cos gran­dões, a ten­dên­cia é que mo­de­los que ja­mais ima­gi­na­ría­mos ver nas ru­as com um “mil­zi­nho” de­bai­xo do capô se­jam equi­pa­dos por es­ses pe­que­nos no­tá­veis. É o ca­so, por exem­plo, do Volkswa­gen Golf. Da li­ga­ção en­tre con­for­to e bom de­sem­pe­nho das ver­sões de en­tra­da até a pe­ga­da fo­gue­ti­nho do GTI, nos acos­tu­ma­mos a ver o ger­mâ­ni­co com mo­to­res mais ca­le­ja­dos, acos­tu­ma­dos com a pro­pos­ta do veí­cu­lo. Se­ria en­tão o 1.0 uma rou­ba­da? A res­pos­ta, que cer­ta­men­te irá de­sa­gra­dar aos in­cau­tos é um so­no­ro não.

So­bre­a­li­men­ta­do com um tur­bo­com­pres­sor, o pro­pul­sor en­tre­ga ge­ne­ro­sos 125 cv de po­tên­cia e tor­que má­xi­mo de 20,4 kgfm. Já o 1.6, mai­or, en­tre­ga cin­co ca­va­los a me­nos e ape­nas 16,8 kgfm. Ali­a­do ao câm­bio ma­nu­al de seis ve­lo­ci­da­des a coi­sa fi­ca bo­ni­ta de se ver. Va­le fri­sar, cla­ro, que o 1.0 ner­vo­si­nho já equi­pa o up! TSI, mas foi re­tra­ba­lha­do pa­ra fi­car ain­da mais car­ran­cu­do. A pres­são no sub­com­pac­to é de 0,9 bar e no hat­ch mé­dio o nú­me­ro so­be pa­ra 1,3 bar. Se­gun­do a mon­ta­do­ra, al­guns com­po­nen­tes pas­sa­ram por re­for­ços pa­ra aguen­tar o tran­co.

Em um tes­te ti­ve­mos a pos­si­bi­li­da­de de afe­rir o quão efi­ci­en­te é o mo­tor, e ele não de­sa­pon­ta. Com en­tre­ga do tor­que em bai­xa ro­ta­ção, as re­to­ma­das são tran­qui­las. Com a trans­mis­são ma­nu­al bem es­ca­lo­na­da e de en­ga­tes ci­rúr­gi­cos, o veí­cu­lo se mos­tra mais esperto que sua con­fi­gu­ra­ção 1.6. O pro­pul­sor tra­ba­lha sem ti­rar nem pôr, sem so­bra ou fal­ta. Se o ca­ma­ra­da ain­da qui­ser brin­car, bas­ta dar uma es­ti­ca­da na ter­cei­ra mar­cha e ele­var as ro­ta­ções até a ca­sa de 5.500 que tu­do fi­ca ain­da mais di­ver­ti­do.

De res­to, to­dos os ou­tros pre­di­ca­dos do clás­si­co da Volkswa­gen es­tão lá. A sus­pen­são mui­tís­si­mo bem acer­ta­da e a di­re­ção, sem­pre nas mãos do con­du­tor se­guem in­trín­se­cas ao Golf. O aca­ba­men­to con­ti­nua com o mes­mo es­me­ro e o ní­vel de ruí­dos in­ter­nos do ha­bi­tá­cu­lo são per­cep­tí­veis, mas não agri­dem tan­to aos tím­pa­nos quan­to pre­vi­a­men­te ima­gi­na­do pe­la re­por­ta­gem. Quan­to cus­ta? Se vo­cê achou que por se tra­tar de um “mil­zi­nho” o Golf fi­ca­ria mais ba­ra­to se en­ga­nou. Dis­po­ní­vel na ver­são Com­for­tli­ne, o Golf 1.0 tem pre­ço ini­ci­al de R$ 74.990, po­si­ci­o­na­do en­tre o Com­for­tli­ne 1.6 e o High­li­ne 1.4. Com es­te va­lor, a Volkswa­gen ba­te a Ford e ago­ra car­re­ga a to­cha de pro­pri­e­tá­ria do 1.0 mais ca­ro do mer­ca­do, já que o Fi­es­ta EcoBo­ost é co­mer­ci­a­li­za­do por um pre­ço a par­tir de R$ 71.990.

Quan­to aos itens não há do que re­cla­mar. O Golf con­ta com se­te air­bags, kit mul­ti­mí­dia com te­la de 6,5’’, con­tro­les de tra­ção e es­ta­bi­li­da­de, e sen­so­res de es­ta­ci­o­na­men­to na di­an­tei­ra e tra­sei­ra. Ca­so o con­su­mi­dor quei­ra gas­tar uma gra­ni­nha ex­tra nos op­ci­o­nais, po­de ain­da le­var ro­das de 17’’, vo­lan­te mul­ti­fun­ci­o­nal, sen­so­res de luz e chu­va, cen­tral de in­fo­te­ni­men­to com GPS in­te­gra­do, co­man­dos de voz, es­pe­lha­men­to com o smartpho­ne, ar con­di­ci­o­na­do di­gi­tal de du­as zo­nas, ban­cos de cou­ro e te­to so­lar pa­no­râ­mi­co. So­ma­dos to­dos os pa­co­tes op­ci­o­nais, o au­to­mó­vel não sai por me­nos de R$ 90 mil. Ca­be ao cli­en­te de­ci­dir se o mo­de­lo va­le tu­do is­so ou não.

DI­VUL­GA­ÇÃO

Re­cur­so de es­pe­lha­men­to do smartpho­ne é des­ta­que

Ver­são Com­for­tli­ne tem pre­ço ini­ci­al de R$ 74,9 mil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.