Cres­ci­men­to de ca­sos de chi­kun­gunya e zi­ka pre­o­cu­pa

Ci­da­des do ABC se mo­bi­li­zam pa­ra ter em 2017 tes­tes de di­ag­nós­ti­co pa­ra den­gue e as no­vas do­en­ças cau­sa­das pe­lo Ae­des aegyp­ti

Metro Brazil (ABC) - - Front Page - VA­NES­SA SELICANI

O ABC co­me­mo­ra nes­te ano a re­du­ção dos ca­sos de den­gue, mas li­ga o si­nal de alerta pa­ra a ex­pan­são do zi­ka e da chi­kun­gunya.

Com a che­ga­da da no­va tem­po­ra­da de ca­lor e chu­va, con­di­ções pro­pí­ci­as pa­ra a re­pro­du­ção do trans­mis­sor das do­en­ças, o mos­qui­to Ae­des aegyp­ti, pre­fei­tu­ras e Estado co­me­çam a se mo­bi­li­zar em ações de com­ba­te ao ve­lho ini­mi­go.

De acor­do com a Sa­la de Si­tu­a­ção Re­gi­o­nal do Con­sór­cio In­ter­mu­ni­ci­pal do ABC, que con­cen­trou o acom­pa­nha­men­to de ca­sos nes­te ano, fo­ram 9.573 no­ti­fi­ca­ções de den­gue até o iní­cio de ou­tu­bro, an­te 27.272 no mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do, que­da de 64,8%. Na com­pa­ra­ção com os ca­sos au­tóc­to­nes, que são aque­les em que a pes­soa se con­ta­mi­nou na re­gião, a re­du­ção é ain­da mai­or. Fo­ram 1.868 nes­te ano e 7.385 ano pas­sa­do, que­da de 74,7%.

Mas quan­do o ba­lan­ço é so­bre zi­ka e chi­kun­gunya, as du­as do­en­ças cres­ce­ram. Em 2015, não ha­via re­gis­tro de mo­ra­do­res com zi­ka no ABC, ví­rus que em grá­vi­das po­de cau­sar mi­cro­ce­fa­lia no bebê. Já nes­te ano, fo­ram 76 ca­sos sus­pei­tos. Em to­dos eles, po­rém, a con­ta­mi­na­ção ocor­reu em vi­a­gens a ou­tros Es­ta­dos, prin­ci­pal­men­te no Nor­des­te, que pas­sou por sur­to.

A chi­kun­gunya foi a do­en­ça trans­mi­ti­da pe­lo Ae­des que mais cres­ceu. Fo­ram 277 sus­pei­tas, an­te 27 em 2015, al­ta de 926%. A do­en­ça é ca­rac­te­ri­za­da por for­tes do­res nas ar­ti­cu­la­ções, que em al­guns pa­ci­en­tes tem evo­luí­do pa­ra um pro­ble­ma crô­ni­co. O mais pre­o­cu­pan­te é que dois des­ses ca­sos, re­gis­tra­dos em Mauá, são au­tóc­to­nes.

O acom­pa­nha­men­to das do­en­ças foi pre­ju­di­ca­do nes­te ano pe­la fal­ta de exa­mes de di­ag­nós­ti­co. Os pa­ci­en­tes fo­ram me­di­ca­dos de acor­do com os sin­to­mas, mes­mo sem com­pro­va­ção da do­en­ça, e as sus­pei­tas subs­ti­tuí­ram as no­ti­fi­ca­ções nos le­van­ta­men­tos.

O de­sa­fio pa­ra es­te ano é ga­ran­tir que não fal­tem kits. De acor­do com o se­cre­tá­rio de Saú­de de San­to An­dré e co­or­de­na­dor re­gi­o­nal do te­ma pe­lo Con­sór­cio, Ho­me­ro Ne­po­mu­ce­no, o Estado, que re­a­li­za os tes­tes, vai res­pon­der até dia 22 de no­vem­bro se te­rá o ma­te­ri­al.

“Fo­mos in­for­ma­dos que só ha­ve­rá exa­me de zi­ka e chi­kun­gunya quan­do o pa­ci­en­te já ti­ver si­do des­car­ta­do pa­ra den­gue. Mas pa­ra is­so te­re­mos que as­se­gu­rar que ha­ve­rá o kit da den­gue. O Estado sa­be que por en­quan­to há o su­fi­ci­en­te até o mês de fe­ve­rei­ro”, dis­se.

Se a res­pos­ta da se­cre­ta­ria es­ta­du­al for ne­ga­ti­va, Ne­po­mu­ce­no afir­ma que a si­tu­a­ção fi­ca­rá di­fí­cil. “A con­di­ção fi­nan­cei­ra dos mu­ni­cí­pi­os é mui­to di­fí­cil. Nem to­dos têm con­di­ções de pa­gar pe­los tes­tes”, dis­se.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.