‘Ga­rim­po’ por do­a­ção de ór­gãos sal­va 192 em SA

No­vas vi­das. Equi­pe de en­fer­mei­ros e mé­di­cos que tra­ba­lham no Cen­tro Hos­pi­ta­lar de San­to An­dré fa­zem tra­ba­lho vo­lun­tá­rio pa­ra cons­ci­en­ti­zar fa­mí­li­as a do­a­rem ór­gãos de pa­ren­tes mor­tos. Ação fez uni­da­de se tor­nar a 6ª do Es­ta­do em cap­ta­ção. Ca­so Eloá foi m

Metro Brazil (ABC) - - Front Page - VANESSA SELICANI

Pa­ra o en­fer­mei­ro Pau­lo Cé­sar Ri­bei­ro, a mor­te po­de ser um re­co­me­ço. “Ve­jo a mor­te en­ce­fá­li­ca co­mo pos­si­bi­li­da­de de vi­da pa­ra mui­ta gen­te. Não é o fim, mas o re­nas­ci­men­to”, afir­ma o pro­fis­si­o­nal, que com a con­vic­ção de um sal­va-vi­das co­man­da a equi­pe que pro­cu­ra por do­a­do­res de ór­gãos no CHM (Cen­tro Hos­pi­ta­lar Mu­ni­ci­pal) de San­to An­dré.

O tra­ba­lho in­can­sá­vel de Ri­bei­ro e ou­tros cin­co en­fer­mei­ros e dois mé­di­cos, que tra­ba­lham de for­ma vo­lun­tá­ria nes­ta fun­ção, deu vi­da no­va a 192 pes­so­as des­de 2013, quan­do o CIHT (Co­mis­são In­tra-hos­pi­ta­lar de Trans­plan­te) foi re­a­ti­va­do.

Es­ta é a quan­ti­da­de de ór­gãos cap­ta­dos de pa­ci­en­tes que ti­ve­ram mor­te ce­re­bral na ci­da­de no pe­río­do. O tra­ba­lho da equi­pe ren­deu em 2015 o sex­to lu­gar no Es­ta­do de São Pau­lo pa­ra o CHM co­mo hos­pi­tal no­ti­fi­ca­dor e cap­ta­dor de ór­gãos. Em 2013, ele era o 33º. No ABC, o hos­pi­tal é atu­al­men­te o que mais faz o tra­ba­lho. Ape­nas nes­te ano, fo­ram no­ve do­a­do­res efe­ti­va­dos, que re­sul­ta­ram em 37 ór­gãos e te­ci­dos, co­mo co­ra­ção, rim e cór­nea.

São Ber­nar­do in­for­mou ter cap­ta­do qua­tro do­a­do­res no mes­mo pe­río­do e São Caetano, ne­nhum.

Tra­ba­lho

A co­mis­são in­tra-hos­pi­ta­lar é res­pon­sá­vel por fa­zer vi­si­tas a UTIs (Uni­da­des de Te­ra­pia In­ten­si­va) e pron­to-so­cor­ros e iden­ti­fi­car pa­ci­en­tes com qu­a­dro clí­ni­co ca­mi­nhan­do pa­ra mor­te en­ce­fá­li­ca. “Nem to­das as no­ti­fi­ca­ções se tor­nam do­a­do­res. O diá­lo­go com a fa­mí­lia pre­ci­sa ser fei­to des­de o iní­cio”, dis­se.

Os ór­gãos cap­ta­dos são en­vi­a­dos pa­ra hos­pi­tais de re­fe­rên­cia, já que o ABC não pos­sui ne­nhu­ma uni­da­de que faz trans­plan­tes.

Ape­sar dos es­for­ços re­gi­o­nais, a fi­la por um ór­gão é gran­de. No Es­ta­do, 15 mil aguar­dam pe­la opor­tu­ni­da­de. A es­pe­ra no ABC tem cer­ca de mil pa­ci­en­tes, de acor­do com da­dos do iní­cio do ano da Cen­tral de Trans­plan­tes do Es­ta­do de São Pau­lo.

Ri­bei­ro afir­ma que o pro­ces­so de cap­ta­ção de ór­gãos é di­fí­cil e tem re­sis­tên­cia até mes­mo en­tre o cor­po mé­di­co. “A abor­da­gem não é fá­cil, tem que ter con­ven­ci­men­to da equi­pe mé­di­ca. A do­a­ção é um te­ma que não es­tá na gra­de cur­ri­cu­lar da me­di­ci­na e en­fer­ma­gem. As fa­mí­li­as têm ade­ri­do mais, mas mui­tas já vêm de um pro­ces­so des­gas­tan­te.”

Hos­pi­tal de Clí­ni­cas

O ABC po­de ter no pró­xi­mo ano uma uni­da­de de re­fe­rên­cia pa­ra a re­a­li­za­ção de trans­plan­tes. Pa­ci­en­tes da re­gião que pre­ci­sam de um ór­gão são en­vi­a­dos pa­ra a ca­pi­tal atu­al­men­te.

O Hos­pi­tal de Clí­ni­cas Mu­ni­ci­pal de São Ber­nar­do po­de vir a ser ha­bi­li­ta­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Saú­de. De acor­do com a pre­fei­tu­ra, ele pos­sui in­fra­es­tru­tu­ra ade­qua­da pa­ra a re­a­li­za­ção do pro­ce­di­men­to, mas a de­ci­são es­tá fo­ra da go­ver­na­bi­li­da­de do mu­ni­cí­pio. Es­sa é uma das es­pe­ci­a­li­da­des que o HC pla­ne­ja atu­ar, ini­ci­al­men­te com o trans­plan­te re­nal.

Mas a pre­fei­tu­ra diz que o Mi­nis­té­rio da Saú­de não tem ha­bi­li­ta­do hos­pi­tais nos úl­ti­mos anos na re­gião por con­ta da exis­tên­cia de cen­tros de trans­plan­tes mui­to pró­xi­mos, co­mo o Hos­pi­tal São Pau­lo e o Hos­pi­tal de Clí­ni­cas, na ca­pi­tal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.