Cor­rer con­tra o cân­cer de ma­ma é o me­lhor

Saú­de. Qu­an­to an­tes a do­en­ça for de­tec­ta­da mai­o­res as chan­ces do tra­ta­men­to bem-su­ce­di­do. Es­tu­do re­cen­te com 4,5 mil pa­ci­en­tes apon­ta que 11,4% des­co­bri­ram um tu­mor até os 39 anos e 28,7%, en­tre 40 e 49 anos

Metro Brazil (ABC) - - Outubro Rosa -

Aos 29 anos, Da­ni Is­ra­el des­co­briu um nó­du­lo em seu seio. Ou­tras, as­sim co­mo ela tam­bém de­tec­tam o cân­cer de ma­ma an­tes dos 50 anos, ida­de re­co­men­da­da pe­lo Mi­nis­té­rio da Saú­de pa­ra o iní­cio da re­a­li­za­ção pe­rió­di­ca da ma­mo­gra­fia. Um es­tu­do re­cen­te com 4,5 mil pa­ci­en­tes apon­tou que 11,4% des­co­bri­ram um tu­mor até os 39 anos e 28,7%, en­tre 40 e 49 anos.

O le­van­ta­men­to do hos­pi­tal A.C. Ca­mar­go Can­cer Cen­ter, de São Pau­lo in­di­ca que 40% das mu­lhe­res di­ag­nos­ti­ca­das com a do­en­ça (ava­li­a­das no es­tu­do) ti­nham me­nos de 50 anos. Ou se­ja, se não ti­ves­sem an­te­ci­pa­do os exa­mes não des­co­bri­ri­am o cân­cer.

A mai­or in­ci­dên­cia do cân­cer de ma­ma se dá em pa­ci­en­tes en­tre 50 e 70 anos, por is­so, al­guns paí­ses ado­tam es­ta fai­xa etá­ria co­mo ele­gí­vel pa­ra o pro­gra­ma de ras­tre­a­men­to da do­en­ça, ex­pli­ca Edu­ar­do Fleury, ra­di­o­lo­gis­ta es­pe­ci­a­li­za­do em cân­cer de ma­ma do Gru­po Her­mes Par­di­ni e pro­fes­sor da San­ta Ca­sa de Mi­se­ri­cór­dia de São Pau- lo. “O ras­tre­a­men­to do tu­mor re­pre­sen­ta cus­to pa­ra os ór­gãos pú­bli­cos, sen­do em al­guns lo­cais in­viá­veis a re­a­li­za­ção de exa­mes pe­la fal­ta de ver­ba. A pe­ri­o­di­ci­da­de, nes­ses ca­sos, tam­bém é di­fe­ren­te, pas­san­do de anu­al pa­ra bi­a­nu­al. O pre­ço que se pa­ga nes­se mo­de­lo, no en­tan­to, é uma re­du­ção da efi­ci­ên­cia do pro­gra­ma. Ne­le as pa­ci­en­tes en­tre 40 e 50 anos são pe­na­li­za­das e per­dem a opor­tu­ni­da­de do di­ag­nós­ti­co pre­co­ce”. A in­di­ca­ção da So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Mas­to­lo­gia é fa­zer o exa­me a par­tir dos 40 anos. Pro­je­to que dá for­ça Da­ni já ter­mi­nou o tra­ta­men­to, mas de­ci­diu con­ti­nu­ar na lu­ta con­tra o cân­cer de ma­ma. Jun­to com al­gu­mas ami­gas ela ini­ci­ou um pro­je­to na in­ter­net pa­ra dar ori­en­ta­ções pa­ra ou­tras pa­ci­en­tes, o “For­ça Gu­ri­as”. É im­por­tan­te não se com­pa­rar, diz. “Ca­da cor­po é di­fe­ren­te mes­mo que o ti­po de cân­cer se­ja igual.”

A ini­ci­a­ti­va ga­nhou o apoio da Fe­ma­ma (Fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra de Ins­ti­tui­ções Fi­lan­tró­pi­cas de Apoio à Saú­de da Ma­ma) e da em­pre­sa Pic­ca­dilly, que es­tão di­vul­gan­do nas re­des so­ci­ais es­ses e ou­tros de­poi­men­tos de mu­lhe­res que en­fren­ta­ram a do­en­ça. Quem qui­ser mais in­for­ma­ções so­bre a cam­pa­nha po­de vi­si­tar a pá­gi­na http://tinyurl.com/hn4a­e­ov.

RE­PRO­DU­ÇÃO/ FE­MA­MA E PIC­CA­DILLY

Ma­ria Madalena Bur­tel: “Eu me sal­vei. Não ti­ve um cân­cer avan­ça­do por­que eu me cui­dei”

Da­ni Is­ra­el: “Ca­da cor­po é di­fe­ren­te mes­mo que o ti­po de cân­cer se­ja igual”

Már­cia Res­ser: “Po­de­ria pas­sar o tra­ta­men­to cho­ran­do ou sor­rin­do. De­ci­di que ia sor­rir”

CAR­LOS MINUANO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.