Ti­te: ‘Es­tou me rein­ven­tan­do na Se­le­ção Bra­si­lei­ra’

Téc­ni­co fa­la do atu­al mo­men­to da equi­pe e não des­car­ta uma pos­sí­vel vol­ta ao Co­rinthi­ans

Metro Brazil (ABC) - - Front Page -

Qua­tro jo­gos, qua­tro vi­tó­ri­as e a li­de­ran­ça das Eli­mi­na­tó­ri­as. Es­se é o Bra­sil na ‘era Ti­te’. Mes­mo as­sim, o téc­ni­co da Se­le­ção Bra­si­lei­ra diz que não tem mui­ta in­fluên­cia no bom mo­men­to da equi­pe, du­ran­te en­tre­vis­ta ao Es­por­te No­tí­cia, na Rá­dio Ban­dei­ran­tes.

“Não foi por mim, mas sim por um con­jun­to de tra­ba­lho. Es­ta­va lem­bran­do de quan­do eu era co­men­ta­ris­ta, ana­li­sa­va e pen­sa­va: o di­ri­gen­te, o téc­ni­co po­de pas­sar o que acon­te­ce no bas­ti­dor, co­mo é a re­la­ção, por­que is­so cria um vín­cu­lo do tor­ce­dor com o ti­me, o jo­ga­dor”, dis­se.

“Es­ses jo­ga­do­res têm mui­to or­gu­lho e mui­ta res­pon­sa­bi­li­da­de. Eles tam­bém sen­tem, fi­cam emo­ci­o­na­dos. O tor­ce­dor tam­bém tem que en­ten­der que não é só pro­fis­si­o­na­lis­mo”, com­ple­men­tou.

O trei­na­dor da Se­le­ção ain­da não des­car­tou um re­tor­no no fu­tu­ro ao Co­rinthi­ans, on­de foi cam­peão bra­si­lei­ro, da Li­ber­ta­do­res e do Mun­di­al de Clu­bes. “Nun­ca vou di­zer que al­go não de­ve acon­te­cer. Na bo­la e na vi­da tu­do é pos­sí­vel”, con­cluiu.

Con­fi­ra ou­tros pon­tos da en­tre­vis­ta:

Tra­ba­lho na Se­le­ção

Eu não ti­nha a ex­pe­ri­ên­cia, es­tou me rein­ven­tan­do co­mo téc­ni­co de se­le­ção. Mi­nha re­a­li­da­de era a do clu­be. As­sis­tir fu­te­bol é fá­cil. Pes­qui­sar e ana­li­sar exi­ge, apro­fun­da os con­cei­tos. Sem fa­lar nas ques­tões de re­la­ci­o­na­men­to. Te­mos uma res­pon­sa­bi­li­da­de mui­to im­por­tan­te na con­du­ta e nas ava­li­a­ções.

Van­ta­gens de trei­nar a Se­le­ção Bra­si­lei­ra

O que vo­cê con­si­de­ra mais im­por­tan­te? Qua­li­da­de. Não co­nhe­ci ne­nhum téc­ni­co que te­nha ti­do su­ces­so sem a qua­li­da­de dos atle­tas. Tra­du­zin­do is­so, ve­mos os três pri­mei­ros co­lo­ca­dos do Bra­si­lei­rão e ve­mos que são três gran­des plan­téis, com mui­tas pe­ças de re­po­si­ção. Is­so é es­sen­ci­al. O tra­ba­lho do téc­ni­co é im­por­tan­te na ava­li­a­ção de co­mo o atle­ta de­ve atu­ar. Que­ro me adap­tar e ter uma boa par­ce­la de par­ti­ci­pa­ção.

Um pon­to po­si­ti­vo e ou­tro ne­ga­ti­vo nes­te car­go

Aqui­lo que de mais po­si­ti­vo é o ca­ri­nho do tor­ce­dor, prin­ci­pal­men­te a ga­ro­ta­da. Ao mes­mo tem­po, não ima­gi­nei que era tan­ta res­pon­sa­bi­li­da­de. Is­so de se clas­si­fi­car pa­ra o Mun­di­al é pe­sa­do. Vo­cê pre­ci­sa ser exi­gen­te o tem­po to­do, bus­can­do to­das as in­for­ma­ções pos­sí­veis. Es­tou sem­pre fa­lan­do com os téc­ni­cos bra­si­lei­ros. Pre­ci­so es­tar mui­to bem in­for­ma­do.

Gru­po fe­cha­do

Não ne­ces­sa­ri­a­men­te. Qual é a ló­gi­ca? Eu não pos­so fa­zer uma con­vo­ca­ção e, de re­pen­te, um que eu não uti­li­zei que es­tá bem no clu­be e eu não tra­zer. Te­nho que tra­ba­lhar com ca­da um pe­lo me­nos du­as ve­zes pa­ra ana­li­sar. Não ter cri­té­ri­os e não apro­fun­dar não fun­ci­o­na. Te­mos uma sé­rie de bons go­lei­ros, den­tre eles o Di­e­go. Não é in­te­res­san­te eu pe­gar o Muralha, com o Fla­men­go vo­an­do, e não dar a opor­tu­ni­da­de de eu co­lo­car ele pa­ra tra­ba­lhar vá­ri­as ve­zes se­gui­das, e de­pois ir re­ve­zan­do. É pre­ci­so ter um cri­té­rio mí­ni­mo de con­sis­tên­cia. Em al­gum mo­men­to to­dos vi­rão. Is­so ser­ve pa­ra ou­tros atle­tas. Da­qui a pou­co o Scar­pa, que es­tá jo­gan­do mui­to, vai ter opor­tu­ni­da­de, Jor­ge, do Fla­men­go, tam­bém te­rá opor­tu­ni­da­de. Não es­tá fe­cha­do, com gru­po res­tri­to.

Cri­té­ri­os de con­vo­ca­ção

A gen­te pro­cu­ra ana­li­sar o mo­men­to dos atle­tas, on­de eles já exe­cu­ta­ram e o que fa­zem nos clu­bes. Vai ser ine­vi­tá­vel ser in­jus­to com al­guém. Quan­do Re­na­to foi pa­ra Chi­na, ele cor­reu um ris­co mui­to gran­de. Ele sa­be dis­so. As­sim co­mo o Pau­li­nho se­guiu. Eu fa­lei pa­ra ele to­mar cui­da­do, ten­tar en­trar em um ní­vel al­to, com­pe­ti­ti­vo, e dar sequên­cia. Eu não pos­so con­vo­car um atle­ta que não es­tá na sua ple­ni­tu­de.

Ta­len­to in­di­vi­du­al

A gran­de for­ça que nós te­mos é a qua­li­da­de in­di­vi­du­al dos atle­tas. O ní­vel de con­cen­tra­ção es­ta sem­pre vol­ta­do ao jo­go. Quan­do vo­cê tem no­mes co­mo Ney­mar, Wil­li­an, Lucas Lima, Cou­ti­nho, de­ve se co­lo­car: se eu es­ti­ves­se do ou­tro la­do, co­lo­ca­ria mar­ca­ção in­di­vi­du­al. Man­te­nha o ní­vel de con­cen­tra­ção al­to que vo­cês vão es­tar sem­pre ar­re­ben­tan­do. Dei­xan­do sem­pre o ad­ver­sá­rio pre­o­cu­pa­do.

Me­lho­res do mun­do

É di­fí­cil. Não te­nho mi­nu­ci­o­sa­men­te os 30. Eu não sei quais os cri­té­ri­os, a re­vis­ta que faz. É in­jus­to com­pa­rar ge­ra­ções di­fe­ren­tes (Mes­si, Ro­nal­do) com Ney­mar. No con­tex­to ge­ral, con­si­de­ro es­ses três tops. Não ve­jo Gri­ez­mann che­gar nes­se pon­to. Com ge­ra­ções di­fe­ren­tes, Ney­mar tem mais po­ten­ci­al pa­ra cres­cer. Os ou­tros dois já atin­gi­ram o ní­vel má­xi­mo.

Vol­ta ao Mi­nei­rão

Não pos­so car­re­gar co­mi­go a der­ro­ta por 7 a 1 e nem tra­zer vi­tó­ri­as pas­sa­das. Tu­do é di­luí­do. O fo­co é con­se­guir a clas­si­fi­ca­ção pa­ra o pró­xi­mo Mun­di­al. Acon­te­ceu há 2 anos, qu­e­re­mos ago­ra fa­zer um bom jo­go com um gran­de re­sul­ta­do. Mi­nei­rão não tem na­da a ver com is­so. Acon­te­ceu, faz par­te da vi­da. O que eu bus­co, e o que sen­ti após a Co­pa, é que a clas­se se me­xeu mais. To­dos es­tão se atu­a­li­zan­do e, qu­em pen­sa que fu­te­bol é sem­pre a mes­ma coi­sa, fi­ca pa­ra trás. Qu­em es­tá atrás de me­to­do­lo­gia, for­ma­ções e ava­li­a­ções es­tá ten­do mui­to mais re­sul­ta­dos.

‘Não pos­so car­re­gar co­mi­go a der­ro­ta por 7 a 1’, co­men­tou Ti­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.