PAU­LI­NHO SER­RA

Pre­fei­to elei­to elen­ca pri­o­ri­da­des do go­ver­no, evi­ta dar no­mes para o se­cre­ta­ri­a­do e mar­ca reu­nião com Alck­min

Metro Brazil (ABC) - - Foco -

Qu­ais se­rão os pri­mei­ros pas­sos como pre­fei­to? A gen­te tem um gran­de de­sa­fio e res­pon­sa­bi­li­da­de, por­que as pes­so­as de­po­si­ta­ram mui­ta es­pe­ran­ça na nos­sa can­di­da­tu­ra. Não tem como a gen­te ini­ci­ar di­fe­ren­te: te­mos que co­lo­car a ca­sa em or­dem, prin­ci­pal­men­te no pon­to de vis­ta da ges­tão fi­nan­cei­ra. En­tão, é fa­zer pla­ne­ja­men­to fi­nan­cei­ro, tec­ni­ca­men­te de­se­nhar um mo­de­lo no­vo de ges­tão para dar­mos os pró­xi­mos pas­sos e me­lho­rar a qua­li­da­de dos ser­vi­ços pú­bli­cos.

Pre­vê re­du­ção de se­cre­ta­ri­as e co­mis­si­o­na­dos? Há pre­vi­são de cor­te, sim. Se­rá no sen­ti­do de con­ter des­per­dí­cio, ser­vi­ços que, ne­ces­sa­ri­a­men­te, não tra­du­zem me­lho­ria na vi­da das pes­so­as. Va­mos en­xu­gar a má­qui­na, fa­zer com que ela se­ja mais efi­ci­en­te. Faz par­te des­se no­vo mo­de­lo de ges­tão a fu­são de se­cre­ta­ri­as para re­du­zir os cus­tos ope­ra­ci­o­nais sem pre­ju­di­car qual­quer po­lí­ti­ca pú­bli­ca.

Qu­al se­tor te­rá pri­o­ri­da­de? Com ex­ce­ção des­sa ques­tão do pla­ne­ja­men­to or­ça­men­tá­rio, acho que a re­or­ga­ni­za­ção da saú­de pre­ci­sa ser fei­ta. De for­ma mais ur­gen­te ain­da é a ques­tão da água. De­vo es­tar com o go­ver­na­dor (Ge­ral­do Alck­min, PSDB) na pró­xi­ma se­ma­na e a gen­te já vai tra­tar des­sa ques­tão, que foi pau­ta na cam­pa­nha. Há um in­con­for­mis­mo, por­que es­sa ques­tão de fal­ta d’água nun­ca hou­ve em San­to An­dré.

A dí­vi­da com a Sa­besp se­rá tra­ta­da com o go­ver­na­dor? Com cer­te­za. Is­so pre­ci­sa ser pas­sa­do a lim­po. Mais ain­da an­tes que a dí­vi­da, é pre­ci­so re­ver a ques­tão da ope­ra­ção. Não que­re­mos que a ci­da­de so­fra com fal­ta d’água. Es­se é um com­pro­mis­so nos­so.

Como se­rá a for­ma­ção do se­cre­ta­ri­a­do? Is­so es­tá den­tro da re­for­ma de ges­tão que que­re­mos fa­zer. En­tão, é um con­jun­to de aná­li­se que de­ve ser fei­to com mui­ta tran­qui­li­da­de. Ain­da não pen­sa­mos em no­mes, es­ta­mos fo­ca­dos nes­se pla­ne­ja­men­to de go­ver­no.

Al­guns ve­re­a­do­res par­ti­ci­pa­ram da sua cam­pa­nha. Eles vão com­por o go­ver­no? Cla­ro que po­dem, são fi­gu­ras da ci­da­de. Com o pla­ne­ja­men­to ad­mi­nis­tra­ti­vo, as pe­ças po­dem ser en­cai­xa­das den­tro de um con­tex­to téc­ni­co e em uma ges­tão di­fe­ren­te. Daí, tem es­pa­ço para no­mes po­lí­ti­cos.

Tem es­pa­ço para o Car­los Gra­na em seu go­ver­no? Não. Daí já não faz sen­ti­do. Ele vai ter bas­tan­te tra­ba­lho, se­gun­do ele mes­mo dis­se, para re­cons­truir o PT, que é uma li­nha de opo­si­ção e po­la­ri­za­ção ao PSDB. En­tão, ele te­rá ou­tras mis­sões. Com re­la­ção a nos­so pro­je­to, sei que ele vai con­tri­buir dan­do to­da trans­pa­rên­cia na tran­si­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.