ELEMENTAR, CARO DOUTOR

ATOR DE ‘SHERLOCK’, BENEDICT CUMBERBATCH ENTRA PARA O PANTEÃO MARVEL COMO O MÍSTICO ‘DR. ESTRANHO’

Metro Brazil (ABC) - - Front Page - GABRIELA ACOSTA

“Doutor Estranho”, que che­ga aos ci­ne­mas ama­nhã, ex­pan­de de vez os ho­ri­zon­tes do Uni­ver­so Marvel ao pre­en­cher a te­lo­na com má­gi­ca.

Cri­a­do por Ste­ve Dit­ko nos qua­dri­nhos dos anos 1960, o per­so­na­gem é um su­per-he­rói da Marvel que usa ar­tes mís­ti­cas para com­ba­ter fei­ti­cei­ros ma­lig­nos e ou­tros vi­lões so­bre­na­tu­rais.

A ver­são ci­ne­ma­to­grá­fi­ca mos­tra a ori­gem do per­so­na­gem, in­ter­pre­ta­do por Benedict Cumberbatch. Dr. Stephen Stran­ge é um re­no­ma­do neu­ro­ci­rur­gião que vi­ve em No­va York que tem o mes­mo tan­to de ar­ro­gân­cia quan­to de ta­len­to para sua pro­fis­são. Tu­do mu­da quan­do ele so­fre um aci­den­te de car­ro que in­ca­pa­ci­ta su­as mãos para o ofí­cio. Em bus­ca de uma cu­ra para re­to­mar a car­rei­ra, ele vi­a­ja ao Hi­ma­laia, on­de co­nhe­ce uma an­ciã (Til­da Swin­ton) que vai ser sua mes­tre nas ar­tes mís­ti­cas.

Oriun­do do uni­ver­so de fil­mes de terror, como “O Exor­cis­mo de Emily Ro­se” (2005), o di­re­tor Scott Der­rick­son se mos­tra ani­ma­do com a jor­na­da de “Doutor Estranho”.

“Mi­nha ideia sem­pre foi ter o am­bi­en­te da­que­le per­so­na­gem má­gi­co dos anos 1960 em uma es­pé­cie de qua­dri­nho psi­co­dé­li­co. A for­ça de­le es­tá na men­te e na per­cep­ção, e es­sa é uma gran­de di­fe­ren­ça dos ou­tros he­róis”, afir­ma o di­re­tor. Es­se é tam­bém um per­so­na­gem di­fe­ren­te do pon­to de vis­ta psi­co­ló­gi­co.

“Ele vi­ve em so­li­dão e é al­guém trans­for­ma­do pe­lo so­fri­men­to. Ele é cheio de trau­mas, o que o tor­na es­pe­ci­al. O fil­me o mos­tra com­ba­ten­do seus pró­pri­os me­dos. Há vá­ri­as men­sa­gens aqui”, diz o ci­ne­as­ta de 39 anos.

O de­sen­ro­lar de “Doutor Estranho” faz uso de fic­ção ci­en­tí­fi­ca, ação e, es­pe­ci­al­men­te, má­gi­ca – al­go di­fí­cil de le­var para a te­la.

“O uso da má­gi­ca é o co­ra­ção do fil­me, mas nós não que­ría­mos que pa­re­ces­se fal­so ou que le­van­tas­se com­pa­ra­ções com Har­ry Pot­ter ou O Se­nhor dos Anéis, en­tão nós pes­qui­sa­mos so­bre fei­ti­ços e ques­tões ci­en­tí­fi­cas. Des­de o iní­cio eu que­ria mos­trar a má­gi­ca de um pon­to de vis­ta con­tem­po­râ­neo, como não é vis­to em ou­tros fil­mes”, diz ele.

Como fã de HQs, Der­rick­son con­fes­sa que sua mai­or pre­o­cu­pa­ção na adap­ta­ção foi não exa­ge­rar. “Pas­sei mui­tas noi­tes in­so­nes por­que não que­ria pre­o­cu­par os fãs, mas, prin­ci­pal­men­te, por­que era ho­ra de re­a­li­zar um so­nho e não ha­via nin­guém me­lhor que eu, um fã, para mos­trar es­sa ver­são do per­so­na­gem ao mun­do. Eu pa­re­cia como uma cri­an­ça brin­can­do com meus brin­que­dos fa­vo­ri­tos.”

| DIVULGAÇÃO

Ator de ‘Sherlock’ per­deu o so­ta­que bri­tâ­ni­co para o lon­ga

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.