ABC fla­gra um mo­to­ris­ta a ca­da 20 mi­nu­tos ao ce­lu­lar

Se li­ga, mo­to­ris­ta. Agen­tes de trân­si­to e po­li­ci­ais da re­gião apli­ca­ram 12.289 mul­tas em pes­so­as que uti­li­za­ram o te­le­fo­ne en­quan­to di­ri­gi­am no pri­mei­ro se­mes­tre. In­fra­ção é clas­si­fi­ca­da co­mo gra­vís­si­ma e ren­de se­te pon­tos na CNH. Usar apa­re­lho no fa­rol f

Metro Brazil (ABC) - - Front Page - VA­NES­SA SELICANI METRO ABC

Agen­tes de trân­si­to e po­li­ci­ais mi­li­ta­res apli­ca­ram no pri­mei­ro se­mes­tre des­te ano 12.289 mul­tas aos mo­to­ris­tas que uti­li­zam ce­lu­lar en­quan­to di­ri­gem em vi­as do ABC. É co­mo se a ca­da 20 mi­nu­tos, ao me­nos um de­les fos­se fla­gra­do co­me­ten­do a in­fra­ção.

Os da­dos in­clu­em as ir­re­gu­la­ri­da­des co­me­ti­das ape­nas em pe­rí­me­tro ur­ba­no, ou se­ja, de­vem ser ain­da mai­o­res se con­si­de­rar­mos as es­tra­das.

A fis­ca­li­za­ção das in­fra­ções é bas­tan­te ir­re­gu­lar na re­gião. Os agen­tes de San­to An­dré, por exem­plo, são os que mais atu­am na ques­tão. Fo­ram 11.966 fla­gran­tes em 2015. São Ber­nar­do, que tem pe­rí­me­tro mai­or, mul­tou ape­nas 4.467 no pe­río­do.

As au­tu­a­ções re­a­li­za­das pe­la Po­lí­cia Mi­li­tar, que tra­ba­lha em par­ce­ria com o De­tran-SP (De­par­ta­men­to Es­ta­du­al de Trân­si­to de São Pau­lo) ti­ve­ram gran­de al­ta en­tre 2010 e 2015. Em São Ca­e­ta­no, as au­tu­a­ções sal­ta­ram 55%, em São Ber­nar­do 38,7% e em San­to An­dré, 6,7%.

O há­bi­to ca­da dia mais co­mum na vi­da dos mo­to­ris­tas pas­sou a pe­sar mais no bol­so des­de o dia 1º des­te mês. De acor­do com a no­va lei fe­de­ral, di­ri­gir com ape­nas uma das mãos, in- fra­ção clas­si­fi­ca­da co­mo mé­dia, ago­ra é con­si­de­ra­da gra­vís­si­ma qu­an­do for co­me­ti­da por mo­to­ris­ta que es­ti­ver se­gu­ran­do ou ma­nu­se­an­do apa­re­lho ce­lu­lar. A multa ago­ra é de R$ 293,47, com in­ser­ção de se­te pon­tos no pron­tuá­rio do mo­to­ris­ta.

Ris­co

Mas mais gra­ve que a multa são os ris­cos à vi­da em se mis­tu­rar ce­lu­lar e di­re­ção. Se­gun­do pes­qui­sa da fun­da­ção nor­te-ame­ri­ca­na pa­ra o trá­fe­go se­gu­ro Ame­ri­can Au­to­mo­bi­le, o mo­to­ris­ta fi­ca em mé­dia qua­tro se­gun­dos sem olhar pa­ra a via ao usar o ce­lu­lar, e is­so, a 90 km por ho­ra, é su­fi­ci­en­te pa­ra per­cor­rer es­pa­ço equi­va­len­te a um cam­po de fu­te­bol sem pres­tar aten­ção ao trân­si­to.

Um ou­tro es­tu­do, do De­par­ta­men­to de Se­gu­ran­ça Viá­ria nas Ro­do­vi­as dos Es­ta­dos Uni­dos, in­di­ca que dis­tra­ções ao di­ri­gir, in­cluin­do uso de dis­po­si­ti­vos mó­veis, au­men­tam em até três ve­zes o ris­co de se en­vol­ver em um aci­den­te.

“Uma multa é o me­nor dos pro­ble­mas que uma pes­soa po­de ter ao usar o ce­lu­lar en­quan­to di­ri­ge. Mais do que um des­res­pei­to à lei, es­se é um com­por­ta­men­to que po­de causar co­li­sões e mor­tes. É pre­ci­so que os mo­to­ris­tas en­ten­dam que as­sim co­mo a be­bi­da al­coó­li­ca, o te­le­fo­ne mó­vel não com­bi­na com di­re­ção. Um trân­si­to mais se­gu­ro de­pen­de do en­ga­ja­men­to de to­dos”, afir­ma a di­re­to­ra-vi­ce-pre­si­den­te do De­tran-SP. Nei­va Aparecida Do­ret­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.