FE­RI­DAS ABER­TAS

>> Se­quer um res­pon­sá­vel pe­lo ca­so foi pa­ra a pri­são >> Ben­to Ro­dri­gues per­ma­ne­ce co­mo um ce­ná­rio de gu­er­ra >> Ne­nhu­ma mul­ta da mai­or tra­gé­dia am­bi­en­tal do país foi pa­ga >> Fa­mí­li­as so­frem com descaso, pre­con­cei­to e fal­ta de es­tru­tu­ra

Metro Brazil (ABC) - - Front Page - PE­DRO NAS­CI­MEN­TO

Lon­ge dos ho­lo­fo­tes, a pa­ca­ta Ben­to Ro­dri­gues – pe­que­no dis­tri­to de Ma­ri­a­na (MG) – era pra­ti­ca­men­te anô­ni­ma pa­ra quem não co­nhe­cia a re­gião. Ho­je, es­tam­pa man­che­tes mun­do afo­ra após ter se tor­na­do um va­le aban­do­na­do.

O mo­ti­vo: a rup­tu­ra da bar­ra­gem de Fun­dão, da mi­ne­ra­do­ra Sa­mar­co, que ce­deu em 5 de no­vem­bro de 2015, der­ra­man­do 32 mi­lhões de me­tros cú­bi­cos de re­jei­tos de mi­né­rio que, se­gun­do a ONU, con­ti­nham subs­tân­ci­as tó­xi­cas tan­to pa­ra o meio am­bi­en­te quan­to pa­ra os se­res hu­ma­nos. O “tsu­na­mi” de la­ma não só des­va­tou os dis­tri­tos ao lon­go dos 640 km de cur­so do rio Do­ce, en­tre Mi­nas e o Es­pí­ri­to San­to, co­mo tam­bém cau­sou a mor­te de 19 pes­so­as, en­tre eles tra­ba­lha­do­res da mi­ne­ra­do­ra e ha­bi­tan­tes da an­ti­ga Ben­to. Mi­lha­res de pes­so­as per­de­ram seus la­res e tra­ba­lhos no que foi con­si­de­ra­do o pi­or de­sas­tre so­ci­o­am­bi­en­tal do Bra­sil.

A “tra­gé­dia de Ma­ri­a­na” es­can­ca­rou o des­con­tro­le e in­com­pe­tên­cia da fis­ca­li­za­ção da ati­vi­da­de mi­ne­ra­do­ra no país, as­sim co­mo a ir­res­pon­sa­bi­li­da­de da Sa­mar­co e su­as con­tro­la­do­ras – as gi­gan­tes Va­le e BHP Bil­li­ton – acu­sa­das pe­las au­to­ri­da­des de ne­gli­gên­cia. Sau­da­des e pre­con­cei­to Pa­ra as fa­mí­li­as que vi­vi­am em Ben­to Ro­dri­gues, o de­sas­tre sem pre­ce­den­tes é al­go di­fí­cil de ser es­que­ci­do. Di­a­ri­a­men­te, na ca­be­ça de Ma­ria das Gra­ças Quin­tão, a ce­na da la­ma so­ter­ran­do sua ca­sa ain­da é vi­va na memória. “Pa­re­ce um fil­me sem­pre que eu fe­cho os olhos”, re­la­ta a fun­ci­o­ná­ria pú­bli­ca, de 59 anos, que ago­ra vi­ve em uma ca­sa alu­ga­da pe­la Sa­mar­co, em Ma­ri­a­na.

“Te­nho tu­do na memória. Pas­sei a vi­da to­da lá. Mes­mo com es­sa no­va Ben­to, que eles di­zem que vão cons­truir, o nos­so co­ra­ção ain­da es­tá na­que­le lu­gar”, afir­ma. O la­men­to de Ma­ria é pa­re­ci­do com o de Ales­san­dra Martins, de 36 anos. Do­na de um sa­co­lão no an­ti­go dis­tri­to, ela ago­ra tra­ba­lha co­mo ba­bá. “A Sa­mar­co dá uma aju­da men­sal e pa­ga o alu­guel, mas nun­ca vão de­vol­ver a vi­da que eu le­va­va em Ben­to an­ti­ga­men­te”, con­ta.

Um ano após a tra­gé­dia, a sau­da­de em co­mum das ex-mo­ra­do­ras de Ben­to Ro­dri­gues tam­bém tem ou­tra ex­pli­ca­ção: o pre­con­cei­to.

“No co­me­ço, to­dos os mo­ra­do­res fo­ram mui­to aco­lhe­do­res. Ago­ra, mui­ta gen­te da­qui nos cul­pa pe­la pa­ra­li­sa­ção da Sa­mar­co. Acham que nós so­mos con­tra a em­pre­sa. Não que­re­mos pre­ju­di­car nin­guém. Só que­re­mos que a mi­ne­ra­ção fun­ci­o­ne com se­gu­ran­ça e pa­gue o que nos de­ve”, diz Ales­san­dra que, até ago­ra, foi in­de­ni­za­da em ape­nas R$ 20 mil e re­ce­be quan­tia men­sal da Sa­mar­co, além do alu­guel.

Nas es­co­las de Ma­ri­a­na, cri­an­ças atin­gi­das pe­lo de­sas­tre são cha­ma­das por um ape­li­do pe­jo­ra­ti­vo “pés de la­ma”. Os pais de­las vis­tos co­mo apro­vei­ta­do­res da Sa­mar­co, co­mo se fos­sem cul­pa­dos pe­lo de­sas­tre. De­sem­pre­go e cri­se Em­bo­ra Ma­ri­a­na te­nha si­do pou­pa­da do de­sas­tre, eco­no­mi­ca­men­te a ci­da­de ain­da vi­ve à bei­ra do ca­os por cau­sa da pa­ra­li­sa­ção da Sa­mar­co des­de a tra­gé­dia. A ar­re­ca­da­ção da pre­fei­tu­ra, que de­pen­dia da mi­ne­ra­do­ra, des­pen­cou. O de­sem­pre­go dis­pa­rou na ci­da­de his­tó­ri­ca e, atu­al­men­te, na­da me­nos que 13 mil ha­bi­tan­tes de Ma­ri­a­na – 25% da po­pu­la­ção da ci­da­de – es­tá sem ocu­pa­ção.

A pre­fei­tu­ra ain­da pre­vê o cor­te de 400 ser­vi­do­res pa­ra ten­tar re­e­qui­li­brar as con­tas pú­bli­cas. Pa­ra a pre­fei­tu­ra, a re­to­ma­da das ati­vi­da­des da Sa­mar­co é im­pres­cin­dí­vel. No en­tan­to, o re­tor­no es­bar­ra na ob­ten­ção de li­cen­ças am­bi­en­tais e só de­ve acon­te­cer em 2017.

Des­de a tra­gé­dia, a Sa­mar­co vem di­vul­gan­do ba­lan­ços e no­tas so­bre as pro­vi­dên­ci­as pa­ra mi­ti­gar os da­nos so­ci­o­am­bi­en­tais e so­ci­o­e­conô­mi­cos pro­vo­ca­dos pe­lo rom­pi­men­to da bar­ra­gem. “A em­pre­sa tem a ex­pec­ta­ti­va de re­tor­nar su­as ati­vi­da­des ope­ra­ci­o­nais de ma­nei­ra que pos­sa con­ti­nu­ar cum­prin­do com seus com­pro­mis­sos, com a ge­ra­ção de em­pre­gos, ren­da e tri­bu­tos pa­ra os mu­ni­cí­pi­os e Es­ta­dos no qual man­tém ope­ra­ções”, afir­ma a Sa­mar­co. Re­cons­tru­ção len­ta A Fun­da­ção Re­no­va, cri­a­da após o acor­do de R$ 20 bi­lhões fir­ma­do pe­las em­pre­sas Sa­mar­co, Va­le e BHP, com o go­ver­nos fe­de­ral, e o de Mi­nas Ge­rais e do Es­pí­ri­to San­to, é res­pon­sá­vel pe­las ações de re­pa­ra­ção e re­cu­pe­ra­ção das áre­as devwas­ta­das.

Ou­tros pro­je­tos de re­cu­pe­ra­ção do Va­le do Do­ce in­clu­em o sis­te­ma de tra­ta­men­to de eflu­en­tes, a res­tau­ra­ção da ve­ge­ta­ção das mar­gens dos ri­os, das nas­cen­tes, dos to­pos de mor­ros, da ati­vi­da­de de pro­du­ção, rein­te­gra­ção da ati­vi­da­de de pro­du­ção e cons­tru­ção de no­vas ci­da­des.

Até o pri­mei­ro se­mes­tre de 2017, a pre­o­cu­pa­ção mai­or é ga­ran­tir que a la­ma da bar­ra­gem se­ja con­ti­da pa­ra evi­tar no­vos aci­den­tes.

ANDRE YANCKOUS/AGIF/FO­LHA­PRESS

Rup­tu­ra de bar­ra­gem de mi­ne­ra­ção, em Mi­nas Ge­rais, com­ple­ta um ano

Dis­tri­to der Ben­to Ro­dri­gues vi­rou can­tei­ro de obras, com cons­tr­tu­ção de di­que pa­ra ala­gar o que res­tou do lo­cal

| SA­MAR­CO

Pra­ça Bar­ra lon­ga foi rei­nau­gu­ra­da mês pas­sa­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.