Ago­ra é ela quem man­da

Apre­sen­ta­da on­tem. No­va téc­ni­ca da Se­le­ção fe­mi­ni­na de fu­te­bol, Emily Li­ma quer Mar­ta no pró­xi­mo ci­clo olím­pi­co

Metro Brazil (ABC) - - Esporte -

Emily Li­ma foi apre­sen­ta­da ofi­ci­al­men­te on­tem co­mo no­va téc­ni­ca da Se­le­ção Bra­si­lei­ra fe­mi­ni­na de fu­te­bol. Pri­mei­ra mu­lher a ocu­par o car­go na his­tó­ria, a ex-jo­ga­do­ra de 36 anos che­ga pa­ra co­man­dar a equi­pe no lu­gar de Oswal­do Al­va­rez, o Va­dão.

A cra­que Mar­ta é a prin­ci­pal es­pe­ran­ça de Emily pa­ra a Olim­pía­da de 2020, em Tó­quio, quan­do te­rá 34 anos. A ata­can­te Cris­ti­a­ne, ou­tra es­tre­la do ti­me, te­rá 35. Até com a ve­te­ra­na For­mi­ga, de 38 anos e seis Olim­pía­das, a trei­na­do­ra gos­ta­ria de con­tar. Mas a jo­ga­do­ra quer se apo­sen­tar ao fim des­te ano.

“Ain­da acre­di­to que a Mar­ta con­si­ga fi­car nes­se ci­clo de qua­tro anos, nes­se ci­clo olím­pi­co, e a Cris­ti­a­ne tam­bém. Gos­ta­ria que a For­mi­ga tam­bém, mas ela já es­ta­rá com seus 42 anos e não sei. Mas eu ain­da apos­ta­ria que da­ria pa­ra a gen­te tra­ba­lhar jun­tas nes­se ci­clo”, co­men­tou Emily du­ran­te sua apre­sen­ta­ção, na se­de da CBF.

Em seu úl­ti­mo tra­ba­lho an­tes de che­gar à Se­le­ção, a trei­na­do­ra le­vou o São Jo­sé à fi­nal da Co­pa do Bra­sil des­te ano, fi­can­do com o vi­ce-cam­pe­o­na­to após der­ro­ta pa­ra o Au­dax/Co­rinthi­ans.

Ela co­me­çou no mun­do do fu­te­bol co­mo jo­ga­do­ra no Sa­ad, de São Pau­lo, jo­gou por di­ver­sos clu­bes do país e atu­ou cin­co anos na Es­pa­nha. Em 2009, en­cer­rou sua car­rei­ra co­mo jo­ga­do­ra na Itá­lia, de­vi­do a di­ver­sas le­sões. Atu­ou pe­la Se­le­ção Por­tu­gue­sa, país que es­co­lheu de­fen­der e on­de ini­ci­ou a tra­je­tó­ria co­mo trei­na­do­ra.

Nes­te no­vo de­sa­fio, Emily quer con­tri­buir pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do fu­te­bol fe­mi­ni­no no Bra­sil. “Meu prin­ci­pal so­nho era es­tar aqui. O se­gun­do não é pes­so­al. É ver a mo­da­li­da­de ser re­co­nhe­ci­da e va­lo­ri­za­da no nos­so país. Acho que a cul­tu­ra do nos­so país é ma­chis­ta, mas a gen­te es­tá que­bran­do es­sa bar­rei­ra. Vou va­lo­ri­zar mui­to o que o pre­si­den­te es­tá fa­zen­do, de ter mui­ta co­ra­gem de co­lo­car uma mu­lher à fren­te da se­le­ção prin­ci­pal.”

O pri­mei­ro com­pro­mis­so ofi­ci­al de Emily à fren­te da se­le­ção já tem da­ta mar­ca­da: se­rá o Tor­neio In­ter­na­ci­o­nal de Ma­naus, no mês que vem. Por ser o iní­cio da ca­mi­nha­da e di­an­te da pró­pria tor­ci­da, a trei­na­do­ra con­si­de­ra es­te seu mai­or de­sa­fio no mo­men­to.

“Vai ser o meu mai­or de­sa­fio, por ser a pri­mei­ra com­pe­ti­ção. Te­nho que ter mui­ta cal­ma com to­da a mi­nha co­mis­são téc­ni­ca. Não ir com mui­ta se­de. É a com­pe­ti­ção mais im­por­tan­te, por ser a nos­sa pri­mei­ra. To­dos aqui den­tro es­tão me dan­do apoio, me ori­en­tan­do. A gen­te sem­pre es­tá apren­den­do. Es­se é meu ob­je­ti­vo aqui den­tro”, afir­mou. ME­TRO COM BAND

| MAR­CUS VICTORIO/FO­LHA­PRESS

Emily Li­ma, no­va téc­ni­ca da Se­le­ção Bra­si­lei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.