CA­ÇA­DA UR­BA­NA

Metro Brazil (ABC) - - Foco -

A in­se­gu­ran­ça pú­bli­ca de ca­da dia. Aque­la que jo­ga os ci­da­dãos às fe­ras as­sas­si­nas pe­las ru­as do Bra­sil, não de­pen­de mais da ci­da­de, seu ta­ma­nho ou seu Es­ta­do. So­mos iguais es­ta noi­te.

Pe­que­nos pa­raí­sos es­pa­lha­dos pe­lo país já não exis­tem mais. O so­nho de mo­rar no in­te­ri­or aca­bou adap­tan­do John Len­non. Ci­da­des de 10 mil, 20 mil ha­bi­tan­tes são si­ti­a­das qua­se to­do dia por ban­dos ar­ma­dos de fu­zis ex­plo­din­do tu­do o que ve­em pe­la fren­te e usan­do tá­ti­cas pa­ra­mi­li­ta­res nes­sas ações, hor­ro­ri­zan­do, bar­ba­ri­zan­do um po­vo pa­ca­to e or­dei­ro que acor­da no meio da noi­te no já tra­di­ci­o­nal ba­ru­lho da guer­ra ur­ba­na.

Vi­a­tu­ras de área da Po­lí­cia Mi­li­tar até que ten­tam en­fren­tar es­sa hor­da cri­mi­no­sa, mas mu­ni­dos de de­si­guais ar­mas que não fun­ci­o­nam e con­tra seus pró­pri­os ide­ais de co­ra­gem, são obri­ga­das a re­cu­ar sob fo­go cer­ra­do e pe­sa­do.

Ou­tro dia es­ti­ve na As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va de São Paulo pa­ra uma jus­ta ho­me­na­gem ao Gar­ra, gru­po de eli­te da po­lí­cia de São Paulo, ho­me­na­gem mais que me­re­ci­da pe­la lu­ta diá­ria con­tra o cri­me or­ga­ni­za­do. O go­ver­na­dor Ge­ral­do Alck­min não foi, man­dou um ví­deo de pa­la­vras cur­tas e bo­ni­tas, mas que não en­chem bar­ri­ga de uma tro­pa mal pa­ga em to­das as po­lí­ci­as, es­ta­du­ais, mu­ni­ci­pais e fe­de­rais; de sua par­te, não fa­lou de au­men­to pa­ra o con­tin­gen­te sob su­as or­dens.

Ho­mens e mu­lhe­res formam um ba­ta­lhão de ci­da­dãos com sa­lá­rio de fo­me no Bra­sil, mas pa­gar mal pa­ra quem com­ba­te di­a­ri­a­men­te a lu­cra­ti­va in­dús­tria do cri­me pa­ra quem não fal­ta ver­bas é co­var­dia e ex­põe ca­da vez mais o ci­da­dão co­mum, que de­pen­de des­ta ma­lha pro­te­to­ra, a vo­ra­ci­da­de des­te exér­ci­to ban­di­do que exe­cu­ta, vi­o­len­ta, tor­tu­ra sem dó nem piedade.

Pa­gar mal qual­quer tra­ba­lha­dor num lu­gar on­de se me­te tan­to a mão em di­nhei­ro pú­bli­co é de­so­nes­to, qua­se cri­mi­no­so. So­bra tão pou­co pa­ra es­ta gen­te aben­ço­a­da que quer mos­trar seu va­lor que ain­da cor­re o ris­co de, sem di­nhei­ro na car­tei­ra, uma mu­lher grá­vi­da, ser vi­o­len­ta­da co­mo foi, por um psi­co­pa­ta que usou es­sa jus­ti­fi­ca­ti­va pa­ra co­me­ter es­te cri­me he­di­on­do. Me aju­da aí.

JO­SÉ LUIZ DATENA Olhar ci­da­dão JO­SE.DATENA @ME­TRO­JOR­NAL.COM.BR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.