No­vem­bro Azul Con­tra o can­cer de pros­ta­ta

Pre­ven­ção. Di­ag­nós­ti­co precoce au­men­ta as chan­ces de cu­ra da se­gun­da do­en­ça que mais atin­ge ho­mens; em 2016 se­rão mais de 61 mil no­vos ca­sos, se­gun­do o In­ca (Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal do Cân­cer)

Metro Brazil (ABC) - - Novembro Azul -

Cui­dar da saú­de não é um há­bi­to ti­pi­ca­men­te mas­cu­li­no. Mu­dar es­se com­por­ta­men­to e pre­ve­nir o cân­cer de prós­ta­ta - o se­gun­do mais fre­quen­te nos ho­mens - são os prin­ci­pais ob­je­ti­vos da cam­pa­nha No­vem­bro Azul. Só em 2016 se­rão mais de 61 mil no­vos ca­sos, se­gun­do es­ti­ma­ti­vas do IN­CA (Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Cân­cer). São mais de 13 mil mor­tes to­dos os anos, uma a ca­da 40 mi­nu­tos.

Mé­di­cos afir­mam que o di­ag­nós­ti­co precoce au­men­ta em 90% as chan­ces de cu­ra.

Vá­ri­os fa­to­res con­tri­bu­em pa­ra o sur­gi­men­to da do­en­ça. Se­gun­do Ri­car­do De La Ro­ca, uro­lo­gis­ta do Hos­pi­tal São Luiz, de São Paulo, o mais im­por­tan­te é o ge­né­ti­co, da he­re­di­ta­ri­e­da­de familiar, além de ser mais fre­quen­te nos pa­ci­en­tes da ra­ça ne­gra e afro­des­cen­den­tes, ou na­que­les que abu­sam de hormô­ni­os ana­bo­li­zan­tes sem con­tro­le mé­di­co, nos pa­ci­en­tes com obe­si­da­de, e por con­su­mo exa­ge­ra­do de car­ne ver­me­lha ho­mo­ge­nei­za­da e pro­ces­sa­da. “A re­al e úni­ca for­ma de pre­ven­ção é o con­tro­le anu­al ou se­mes­tral, da prós­ta­ta pe­lo uro­lo­gis­ta”, aler­ta De La Ro­ca.

Se­gun­do es­pe­ci­a­lis­tas, es­sa pre­ven­ção de­ve ser fei­ta com vi­si­tas pe­rió­di­cas do ho­mem ao uro­lo­gis­ta após os 45 anos, quan­do es­ti­ver en­qua­dra­do em al­gum dos fa­to­res de ris­co. Nos de­mais ho­mens, a vi­si­ta po­de acon­te­cer após os 50 anos. “A ati­vi­da­de fí­si­ca e a in­ges­tão ali­men­tar equi­li­bra­da com me­nos pro­teí­na ani­mal (car­ne ver­me­lha) po­de di­mi­nuir o sur­gi­men­to da do­en­ça”, com­ple­ta João Luiz Ama­ro, uro­lo­gis­ta, pre­si­den­te da SBU-SP (So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Uro­lo­gia de São Paulo). Exa­mes e tra­ta­men­to O cân­cer de prós­ta­ta não apre­sen­ta sin­to­mas, por is­so al­guns exa­mes são fun­da­men­tais. En­tre eles, o de san­gue cha­ma­do de PSA e o di­gi­tal da prós­ta­ta - ou, o te­mi­do “to­que re­tal”.

Mas, mé­di­cos ga­ran­tem que, em­bo­ra ain­da fa­ça par­te de brin­ca­dei­ras e ane­do­tas en­tre os ho­mens, a re­sis­tên­cia ao exa­me, ou cons­tran­gi­men­to, vem di­mi­nuin­do com o tem­po. “É sim­ples, rá­pi­do e de for­ma ne­nhu­ma traz a sen­sa­ção de afron­ta a mas­cu­li­ni­da­de”, ar­gu­men­ta o uro­lo­gis­ta De La Ro­ca.

Os tra­ta­men­tos avan­ça­ram, se­gun­do mé­di­cos. Eles des­ta­cam as ci­rur­gi­as por ro­bó­ti­ca. “Do pon­to de vis­ta de con­tro­le da do­en­ça, os re­sul­ta­dos são se­me­lhan­tes, mas exis­te evi­dên­cia ci­en­tí­fi­ca de que a ope­ra­ção re­a­li­za­da por ro­bó­ti­ca re­duz o tem­po de in­ter­na­ção e ace­le­ra a re­cu­pe­ra­ção do pa­ci­en­te”, diz Ama­ro, pre­si­den­te da SBU-SP.

Po­rém, as com­pli­ca­ções são se­me­lhan­tes. As ci­rur­gi­as cha­ma­das pros­ta­tec­to­mi­as ra­di­cais por via aber­ta, po­dem acar­re­tar im­po­tên­cia se­xu­al em cer­ca de 40% dos pa­ci­en­tes, e in­con­ti­nên­cia uri­ná­ria em cer­ca de 25%. Em ge­ral há re­ver­são des­tes qua­dros em cer­ca de 1 ano.

GABRIELA KOROSSY/ C­MA­RA DOS DE­PU­TA­DOS

Du­ran­te to­do o mês pré­di­os são ilu­mi­na­dos de azul, co­mo o Con­gres­so Na­ci­o­nal

CAR­LOS MINUANO ME­TRO SÃO PAULO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.