FA­ZER HOJE

Metro Brazil (ABC) - - Publimetro -

Pau­la Na­der, exe­cu­ti­va do San­tan­der, co­man­dou as ações de mar­ke­ting e co­mu­ni­ca­ção que inau­gu­ra­ram um po­si­ci­o­na­men­to co­ra­jo­so da ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra. A mar­ca inau­gu­rou uma no­va lin­gua­gem na co­mu­ni­ca­ção dos ban­cos. Co­mo foi es­sa ação? O con­cei­to “O que a gen­te pode fa­zer por você hoje?” foi cons­truí­do a par­tir da nos­sa iden­ti­da­de, do nos­so pro­pó­si­to de mar­ca, e sua exe­cu­ção trou­xe du­as rup­tu­ras. A pri­mei­ra é de con­teú­do, por­que co­me­ça­mos a ex­pres­sar nos­sa opi­nião so­bre as­sun­tos que con­si­de­ra­mos re­le­van­tes, co­mo di­ver­si­da­de e re­gi­o­na­lis­mo. E con­ti­nu­a­mos a nos po­si­ci­o­nar co­mo um ban­co de ne­gó­ci­os, que exis­te pa­ra bus­car so­lu­ções pa­ra seus cli­en­tes, apre­sen­tan­do com cla­re­za nos­sas en­tre­gas con­cre­tas e a re­al di­fe­ren­ça que elas fa­zem na vi­da das pes­so­as e das em­pre­sas. Ou se­ja, é um ban­co fa­lan­do de ban­co. A se­gun­da rup­tu­ra foi na for­ma: a es­tru­tu­ra poé­ti­ca, o tra­ba­lho com fotos, o rit­mo e a ener­gia das lo­cu­ções, a voz do Lá­za­ro, a au­sên­cia de tri­lha.

Qu­ais os prin­ci­pais de­sa­fi­os pa­ra o mar­ke­ting das ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras?

O mar­ke­ting é hoje um ter­re­no de­sa­fi­a­dor pa­ra to­das as mar­cas, já que es­ta­mos vi­ven­do a tran­si­ção da era in­dus­tri­al, quan­do os fun­da­men­tos da dis­ci­pli­na fo­ram con­ce­bi­dos, pa­ra a era do co­nhe­ci­men­to, em que te­mos que li­dar com mu­dan­ças per­ma­nen­tes em to­dos am­bi­en­tes e re­la­ções. Pre­ci­sa­mos en­ten­der o que as pes­so­as va­lo­ri­za­rão da­qui pa­ra fren­te e apren­der a es­ta­be­le­cer vín­cu­los nu­ma di­nâ­mi­ca com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te da que vi­ve­mos até hoje.

O que con­tri­buiu pa­ra a sua in­di­ca­ção ao Ca­bo­ré?

Além de ter con­tri­buí­do pa­ra po­si­ci­o­nar mar­cas re­le­van­tes (Na­ci­o­nal, Uni­ban­co, BankBos­ton, Re­al e San­tan­der) aju­dei a le­van­tar e im­pul­si­o­nar te­mas im­por­tan­tes pa­ra o mer­ca­do, co­mo: sus­ten­ta­bi­li­da­de, crowd­sour­cing, pri­va­ci­da­de e tam­bém um mo­de­lo de con­cor­rên­cia mais jus­to e re­a­lis­ta. Mas as me­lho­res res­pos­tas pa­ra es­sa per­gun­ta vi­ri­am das pes­so­as que me co­nhe­cem de per­to e de tra­ba­lhar jun­to. Aos 17 anos co­me­cei a fa­cul­da­de de Pu­bli­ci­da­de e Pro­pa­gan­da e com 19 en­trei co­mo es­ta­giá­ria no mer­ca­do on­de pas­sa­ria os pró­xi­mos 26. Nes­sa tra­je­tó­ria, a coi­sa mais va­li­o­sa que con­quis­tei fo­ram re­la­ções pro­du­ti­vas e ver­da­dei­ras com as pes­so­as com qu­em in­te­ra­gi e tra­ba­lhei di­re­ta­men­te.

João Fa­ria é jor­na­lis­ta e só­cio-di­re­tor da Agên­cia Ci­da­dã

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.