Ce­lu­lar: vi­lão ou ali­a­do?

Es­tu­do re­a­li­za­do por em­pre­sa de con­sul­to­ria mos­tra que uso ex­ces­si­vo do smartpho­ne pre­ju­di­ca tra­ba­lho e vi­da pes­so­al

Metro Brazil (ABC) - - Tecnologia - HIDAIANA RO­SA

Se­ja pa­ra re­a­li­zar e re­ce­ber te­le­fo­ne­mas, se­ja pa­ra efe­tu­ar tran­sa­ções ban­cá­ri­as, o ce­lu­lar tor­nou-se o me­lhor com­pa­nhei­ro do ho­mem mo­der­no. Con­tu­do, de acor­do com es­tu­do re­a­li­za­do pe­la De­loit­te - en­ti­da­de de au­di­to­ria e con­sul­to­ria em­pre­sa­ri­al -, o uso ex­ces­si­vo dos smartpho­nes pode pre­ju­di­car a se­gu­ran­ça e a vi­da con­ju­gal das pes­so­as.

Por in­ter­mé­dio de pes­qui­sa vir­tu­al, a De­loit­te ou­viu 53 mil usuá­ri­os de smartpho­nes em 31 paí­ses. No Bra­sil, o es­tu­do con­tou com a par­ti­ci­pa­ção de 2.005 pes­so­as com ida­des en­tre 18 e 55 anos. En­tre os re­sul­ta­dos ve­ri­fi­ca­dos no ce­ná­rio bra­si­lei­ro, 15% dos res­pon­den­tes dis­se­ram que já atra­ves­sa­ram a rua me­xen­do no ce­lu­lar.

O ris­co pa­ra a se­gu­ran­ça do usuá­rio vai mais lon­ge: 12% dis­se­ram que já di­ri­gi­ram in­te­ra­gin­do com o smartpho­ne.

Na ho­ra de fa­zer as re­fei­ções, por exem­plo, 35% dos par­ti­ci­pan­tes bra­si­lei­ros do es­tu­do con­ta­ram que che­cam o te­le­fo­ne mó­vel en­quan­to se ali­men­tam e 30% con­fir­ma­ram que têm pe­lo me­nos uma dis­cus­são de ca­sal por se­ma­na por cau­sa do ex­ces­so de uso do ce­lu­lar.

O co­or­de­na­dor de rá­dio Giu­li­a­no Santos Bi­on­di, de 32 anos, faz par­te do gru­po de pes­so­as que não vi­vem sem o dis­po­si­ti­vo.

“Eu uso to­dos os di­as pa­ra ques­tões pes­so­ais e do tra­ba­lho. Um dia fui atra­ves­sar a rua, uma bi­ci­cle­ta pas­sou per­to de mim e não vi por­que es­ta­va me­xen­do no ce­lu­lar. Tam­bém já ba­ti o ros­to nu­ma pla­ca de rua por­que es­ta­va en­tre­ti­do com o apa­re­lho. Nes­ses mo­men­tos, eu pa­ro e re­fli­to que pre­ci­so me con­tro­lar, mas, na ro­ti­na do dia a dia, o ce­lu­lar sem­pre es­tá co­mi­go”, conta Bi­on­di.

Na ava­li­a­ção da psi­có­lo­ga Ri­ta Amálya Ne­ves, o con­su­mo de tec­no­lo­gia sem­pre es­ta­rá pre­sen­te na vi­da das pes­so­as. E jun­to com es­se com­por­ta­men­to exis­tem os fa­to­res ne­ga­ti­vos e po­si­ti­vos.

“Hoje você con­se­gue re­sol­ver uma si­tu­a­ção pe­lo WhatsApp, por exem­plo, sem ne­ces­sa­ri­a­men­te pre­ci­sar sair da sua ca­sa. Mas o usuá­rio que gos­ta de tec­no­lo­gia pre­ci­sa ter o pé no chão pa­ra en­ca­rar a vi­da no mo­do off-li­ne tam­bém. Usar o ce­lu­lar na rua pode tor­nar a pes­soa uma ví­ti­ma de cri­mi­no­sos. Não se des­li­gar do apa­re­lho tam­bém traz pre­juí­zos pa­ra os re­la­ci­o­na­men­tos pes­so­ais. Tu­do de­ve ser ava­li­a­do”, aler­ta Ri­ta.

Giu­li­a­no usa o ce­lu­lar com frequên­cia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.