EM PAZ COM O MINEIRÃO

Bra­sil ‘es­que­ce’ o ve­xa­me con­tra a Ale­ma­nha na Co­pa e, na vol­ta ao pal­co dos 7 a 1, pas­sa por ci­ma da Ar­gen­ti­na nas Eli­mi­na­tó­ri­as: 3 a 0 e li­de­ran­ça as­se­gu­ra­da

Metro Brazil (ABC) - - Front Page -

Uma par­ti­da que po­de­ria ser cha­ma­da de o “jo­go dos re­tor­nos”. Mes­si vol­tou à Ar­gen­ti­na e Ney­mar vol­tou à Se­le­ção, que por sua vez fez seu pri­mei­ro du­e­lo ofi­ci­al no Mineirão após o ve­xa­me dos 7 a 1 na Co­pa de 2014, con­tra a Ale­ma­nha. Só que o du­e­lo de on­tem foi pe­las Eli­mi­na­tó­ri­as, e um Bra­sil que vi­ve um mo­men­to bem me­lhor, vin­do de qua­tro vi­tó­ri­as se­gui­das, des­de que Ti­te as­su­miu. E o fan­tas­ma co­me­çou a ser exor­ci­za­do. Uma vi­tó­ria por 3 a 0, com au­to­ri­da­de, com di­rei­to a “olé”, com a vol­ta da au­to­es­ti­ma.

Com o re­sul­ta­do, a Se­le­ção se­gue fir­me na 1º po­si­ção, en­quan­to os ri­vais ago­ni­zam na 6ª co­lo­ca­ção, fo­ra da zo­na de clas­si­fi­ca­ção pa­ra o Mun­di­al da Rús­sia.

Ami­gos e com­pa­nhei­ro de Bar­ce­lo­na, Mes­si e Ney­mar eram as prin­ci­pais re­fe­rên­ci­as pa­ra su­as equi­pes, par­ti­ci­pan­do de qua­se to­das as ações. Mas, nem por is­so, os lan­ces le­va­vam mui­to pe­ri­go aos ri­vais.

O jo­go era de mui­ta dis­po­si­ção no meio de cam­po, com a mar­ca­ção pre­va­le­cen­do. E com os vi­si­tan­tes me­lho­res, com mais pos­se de bo­la. O Bra­sil, com o pou­co que pe­ga­va na bo­la, não con­se­guia cri­ar.

Só que aí o ta­len­to de Phi­lip­pe Cou­ti­nho apa­re­ceu. Aos 24 mi­nu­tos, o ca­mi­sa 11 re­ce­beu do la­do di­rei­to, avan­çou e acer­tou uma bom­ba no ân­gu­lo. Nos acrés­ci­mos, deu tem­po ain­da de Ney­mar re­ce­ber pas­se açu­ca­ra­do de Ga­bri­el Je­sus pa­ra ape­nas ti­rar de Ro­me­ro pa­ra am­pli­ar o mar­ca­dor.

Na eta­pa com­ple­men­tar, os her­ma­nos par­ti­ram de vez pa­ra ata­que pa­ra ten­tar di­mi­nuir o pre­juí­zo. Mes­si, a es­tre­la dos vi­si­tan­tes, não bri­lha­va pe­la par­ti­da só­li­da dos co­man­da­dos de Ti­te.

Pa­ra is­so, dei­xou es­pa­ços na de­fe­sa. Os bra­si­lei­ros apro­vei­ta­vam, mas Pau­li­nho per­deu um gol in­crí­vel. Mas ele não des­per­di­çou a se­gun­da chan­ce. Aos 13, Re­na­to Au­gus­to cru­zou na área e o vo­lan­te com­ple­tou: 3 a 0.

A tor­ci­da, mais de 53 mil pes­so­as, gri­ta­va “olé” en­quan­to os ar­gen­ti­nos, ner­vo­sos, pas­sa­ram a dis­tri­buir bo­ti­na­das. E o Bra­sil co­lo­cou na ro­da. METRO

Ney­mar e Cou­ti­nho ano­ta­ram pa­ra a Se­le­ção Bra­si­lei­ra

| RI­CAR­DO BO­TE­LHO/BRAZIL PHOTO PRESS/FOLHAPRESS

Phil­li­pe Cou­ti­nho, Ney­mar e Ga­bri­el Je­sus co­me­mo­ram gol da Se­le­ção Bra­si­lei­ra

| BUDA MEN­DES/GETTY IMAGES

Ney­mar e Mes­si são ami­gos tam­bém fo­ra de cam­po

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.