PRECURSORES DOS DINOSSAUROS

Pes­qui­sa­do­res anun­ci­am que en­con­tra­ram fós­seis de dois as­cen­den­tes dos dinossauros, na­que­la que é con­si­de­ra­da a mai­or des­co­ber­ta pa­le­on­to­ló­gi­ca da dé­ca­da

Metro Brazil (ABC) - - Foco -

“É mui­to ra­ro en­con­trar fós­seis tão com­ple­tos e com um ní­vel de con­ser­va­ção tão al­to. Es­ta é uma des­co­ber­ta pa­ra o mun­do” SERGIO CABREIRA PALEONTÓLOGO

Amais im­por­tan­te des­co­ber­ta pa­le­on­to­ló­gi­ca dos úl­ti­mos dez anos, que po­de mu­dar im­por­tan­tes as­pec­tos acer­ca da ori­gem dos dinossauros, foi anun­ci­a­da on­tem em Ca­no­as, a 15 km de Por­to Ale­gre. Fós­seis de du­as no­vas es­pé­ci­es, em óti­mo es­ta­do de con­ser­va­ção, fo­ram en­con­tra­dos em ter­re­nos se­di­men­ta­res do pe­río­do triás­si­co su­pe­ri­or (de 237 a 227 mi­lhões de anos atrás), lo­ca­li­za­dos em São João de Po­lê­si­ne, na re­gião cen­tral do Rio Gran­de do Sul. O acha­do in­di­ca que a ori­gem das cri­a­tu­ras que do­mi­na­ram a Ter­ra por cer­ca de 135 mi­lhões de anos po­de ter acon­te­ci­do on­de atu­al­men­te fi­ca o RS – e an­tes do que se ima­gi­na­va.

“Os fós­seis re­for­çam a te­o­ria de que o pri­mei­ro di­nos­sau­ro te­nha nas­ci­do an­tes de 230 mi­lhões de anos, pro­va­vel­men­te no an­ti­go su­per­con­ti­nen­te de Gondwa­na, em ter­re­nos lo­ca­li­za­dos na fron­tei­ra en­tre o Rio Gran­de do Sul e a Ar­gen­ti­na”, ex­pli­ca o paleontólogo, pes­qui­sa­dor e pro­fes­sor da Ul­bra (Uni­ver­si­da­de Lu­te­ra­na do Bra­sil) Sergio Cabreira.

Ele con­du­ziu os tra­ba­lhos de pre­pa­ra­ção e es­tu­do dos fós­seis ao la­do dos pa­le­on­tó­lo­gos Max Lan­ger, da USP (Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo), e Ale­xan­der Kell­ner, da UFRJ (Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Rio de Ja­nei­ro). Ao to­do, o tra­ba­lho con­tou com a par­ti­ci­pa­ção de pes­qui­sa­do­res de no­ve uni­ver­si­da­des. On­tem, um ar­ti­go que des­cre­ve a des­co­ber­ta dos fós­seis foi pu­bli­ca­do na re­vis­ta ci­en­tí­fi­ca ame­ri­ca­na “Cur­rent Bi­o­logy”, uma das mais con­cei­tu­a­das do mun­do na área de bi­o­lo­gia evo­lu­ti­va.

Di­fe­ren­te­men­te dos gi­gan­tes­cos dinossauros do pe­río­do ju­rás­si­co, imor­ta­li­za­dos no clás­si­co hollywo­o­di­a­no “Ju­ras­sic Park”, as cri­a­tu­ras des­co­ber­tas são pe­que­nas. A pri­mei­ra ti­nha cer­ca de 15cm de al­tu­ra – do ta­ma­nho de uma pe­que­na ave. O Ixa­ler­pe­ton po­le­si­nen­sis, co­mo foi ba­ti­za­do por seus des­co­bri­do­res, é um an­ces­tral di­re­to dos dinossauros e se ali­men­ta­va de in­se­tos. Sua es­tru­tu­ra ós­sea in­di­ca que ele era ex­tre­ma­men­te ve­loz e cor­re­ria aos sal­tos. Fo­ram en­con­tra­das par­tes do crâ­nio, qua­se to­da a co­lu­na ver­te­bral e par­te da cau­da.

O ou­tro ti­nha apro­xi­ma­da­men­te 50cm de al­tu­ra – a mes­ma de um ca­chor­ro de por­te mé­dio. Cha­ma­do de Bu­ri­o­les­tes schult­zi, ele é o pri­mei­ro sau­ro­po­do­mor­fo car­ní­vo­ro en­con­tra­do até ho­je no mun­do. Seus des­cen­den­tes se tor­na­ri­am dinossauros gi­gan­tes, her­bí­vo­ros e de pes­co­ço lon­go – co­mo o bra­qui­os­sau­ro – con­si­de­ra­dos, até ho­je, co­mo os mai­o­res ani­mais que já ca­mi­nha­ram so­bre a Ter­ra. A pre­fe­rên­cia por car­ne foi evi­den­ci­a­da pe­los den­tes do ani­mal, que são pon­tu­dos, mui­to re­cur­va­dos pa­ra trás e com as bor­das ser­ri­lha­das co­mo fa­cas – ide­ais pa­ra cor­tar car­ne.

Se­gun­do Cabreira, o Bu­ri­o­les­tes es­tá en­tre os mais com­ple­tos dinossauros pri­mi­ti­vos já en­con­tra­dos no mun­do. “Os os­sos, prin­ci­pal­men­te o crâ­nio, e os den­tes es­tão em um ní­vel mui­to al­to de con­ser­va­ção. Pa­re­ce que o tem­po não agiu so­bre eles”, con­ta.

O am­bi­en­te do Sí­tio Bu­ri­ol, on­de os fós­seis fo­ram co­le­ta­dos, du­ran­te o pe­río­do triás­si­co te­ria fa­vo­re­ci­do a con­ser­va­ção. “Até o ti­po de ro­cha fa­vo­re­ceu. Os es­pé­ci­mes en­con­tra­dos pro­va­vel­men­te so­fre­ram um so­ter­ra­men­to rá­pi­do. Assim, não fi­ca­ram à mer­cê de de­com­po­si­to­res”, es­cla­re­ce o pro­fes­sor.

Jun­to dos fós­seis fo­ram en­con­tra­dos ves­tí­gi­os de ou­tros ani­mais da mes­ma es­pé­cie, o que in­di­ca que o Bu­ri­o­les­tes e o Ixa­ler­pe­ton an­da­vam em ban­dos e ti­nham cui­da­dos pa­ren­tais com seus fi­lho­tes, pa­re­ci­dos com o das aves.

Além dis­so, a des­co­ber­ta apon­ta que as du­as es­pé­ci­es co­e­xis­ti­ram, mu­dan­do, assim, o pró­prio pa­drão evo­lu­ci­o­ná­rio dos dinossauros. “Mos­tra que hou­ve uma co­e­vo­lu­ção, ou se­ja, an­ces­tral e de­ri­va­do con­vi­ve­ram. Is­so mos­tra que a evo­lu­ção dos dinossauros po­de não ter si­do li­ne­ar”, elu­ci­da Cabreira.

Crâ­nio en­con­tra­do no RS es­tá em bom es­ta­do No to­tal, to­do o pro­ces­so le­vou cin­co anos A ex­tra­ção do fós­sil de­mo­rou cer­ca de seis me­ses

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.