La­tro­cí­ni­os re­gis­tram al­ta no ABC em 2016

En­tre ja­nei­ro e se­tem­bro, fo­ram 23 ca­sos nas se­te ci­da­des, no­ve a mais que no mes­mo pe­río­do de 2015

Metro Brazil (ABC) - - Front Page - CADU PROIETI

Um dos cri­mes que mais tem as­sus­ta­do a po­pu­la­ção, o la­tro­cí­nio (rou­bo se­gui­do de mor­te) re­gis­trou ele­va­ção con­si­de­rá­vel de ca­sos no ABC nes­te ano. Se­gun­do da­dos da SSP (Se­cre­ta­ria Es­ta­du­al de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca), hou­ve au­men­to de 64,29% nas ocor­rên­ci­as des­se ti­po de cri­me na com­pa­ra­ção de ja­nei­ro a se­tem­bro de 2016 com o mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do. Em nú­me­ros ab­so­lu­tos, os ca­sos sal­ta­ram de 14 em 2015 pa­ra 23 nes­te ano.

A mé­dia é de um ca­so a ca­da 15 di­as nas se­te ci­da­des nes­te ano con­tra um por mês no ano pas­sa­do. A úni­ca ci­da­de que não re­gis­trou au­men­to no nú­me­ro de la­tro­cí­ni­os em 2016 foi São Ber­nar­do (ve­ja to­dos os da­dos da re­gião na ar­te ao la­do). O que cha­ma a aten­ção tam­bém é que no ano pas­sa­do hou­ve re­du­ção de 50% nos ca­sos na com­pa­ra­ção com 2014.

“Ve­mos que há mui­tos jo­vens co­me­ten­do es­se ti­po de cri­me. Es­ses jo­vens, não ra­ra­men­te, atu­am so­bre o efei­to de dro­gas, o que au­men­ta o pe­ri­go na ação, pois es­tão com ner­vos à flor da pe­le. Ao sen­tir qual­quer mo­vi­men­to aca­bam dis­pa­ran­do. É di­fe­ren­te de cri­mi­no­sos de car­rei­ra, mais ex­pe­ri­en­tes, que sa­bem que a pe­na é mai­or pa­ra qu­em mata”, afir­ma o es­pe­ci­a­lis­ta em se­gu­ran­ça pú­bli­ca e pro­fes­sor de di­rei­to na USCS (Uni­ver­si­da­de São Ca­e­ta­no do Sul) e Fun­da­ção San­to An­dré Van­der Fer­rei­ra de An­dra­de.

A pe­na pa­ra qu­em é pre­so por rou­bo é de de­ten­ção de qua­tro a dez anos. Já os ca­sos de la­tro­cí­ni­os po­dem ge­rar pe­na­li­da­de de 20 a 30 anos de pri­são.

An­dra­de apon­ta o que de­ve ser fei­to pe­la po­lí­cia do ABC pa­ra que os ca­sos de rou­bo se­gui­do de mor­te te­nham que­da na re­gião. “A pre­ven­ção mais im­por­tan­te que se po­de fa­zer é na di­re­ção da re­ti­ra­da das ar­mas de fo­go de cir­cu­la­ção. As ope­ra­ções po­li­ci­ais que tra­ba­lham com es­se fo­co têm re­sul­ta­dos im­por­tan­tes. On­de há ações fo­ca­das na re­ti­ra­da de ar­mas há bru­tal re­du­ção de as­sas­si­na­tos. As­sim, você ti­ra o ins­tru­men­to de tra­ba­lho do cri­mi­no­so.” Ações po­li­ci­ais O co­man­do da Po­lí­cia Mi­li­tar no ABC in­for­mou que re­a­li­za di­ver­sas ope­ra­ções es­pe­ci­ais, com gran­de aten­ção pa­ra as áre­as com gran­de con­cen­tra­ção e flu­xo de pes­so­as. Den­tre es­sas ações, a cor­po­ra­ção ci­ta a “Ope­ra­ção Ca­va­lo de Aço”, que vi­sa abor­dar e fis­ca­li­zar con­du­to­res de mo­to­ci­cle­tas. “Es­tas são mei­os de trans­por­te bas­tan­te uti­li­za­das pe­los cri­mi­no­sos pa­ra fa­ci­li­ta­ção de fu­ga”, diz a no­ta da Po­lí­cia Mi­li­tar.

Se­gun­do a cor­po­ra­ção, tais me­di­das re­sul­ta­ram no au­men­to de 10% de pri­sões em fla­gran­te de ja­nei­ro a se­tem­bro - 5.352, em 2015, pa­ra 4.882, em 2016.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.