DEU TRUMP. E DAÍ?

Metro Brazil (ABC) - - Foco - JO­SÉ LUIZ DATENA JOSE.DATENA @METROJORNAL.COM.BR

Trump ga­nhou! Não que eu não me pre­o­cu­pe com a mai­or po­tên­cia econô­mi­ca e mi­li­tar do pla­ne­ta. É que ape­sar da pró­pria bron­ca in­ter­na de ame­ri­ca­nos con­trá­ri­os ao re­sul­ta­do da elei­ção, a ver­da­de é que as ins­ti­tui­ções de­mo­crá­ti­cas de um país on­de o po­vo é so­be­ra­no são o su­fi­ci­en­te pa­ra bar­rar qual­quer ma­lu­qui­ce de um co­man­dan­te que pos­sa ter idei­as ex­tre­mis­tas, se­jam elas de di­rei­ta, es­quer­da ou qual­quer coi­sa do ti­po.

É um go­ver­no do po­vo pa­ra o po­vo. Ex­pres­são tão bri­lhan­te­men­te co­lo­ca­da no dis­cur­so de Gettys­burg pe­lo pre­si­den­te e um dos mai­o­res es­ta­dis­tas de to­dos os tem­pos Abraham Lin­coln du­ran­te a gu­er­ra ci­vil ame­ri­ca­na. Qu­er di­zer, se não an­dar di­rei­to, se­ja qu­em for, tem o pe­so da lei cons­ti­tu­ci­o­nal re­pre­sen­ta­da por uma car­ta mag­na fei­ta pe­los pais da na­ção com pou­cas pa­la­vras e mui­tos ide­ais. Cur­ta e gros­sa. Di­fe­ren­te da nos­sa. Pri­mei­ro foi fei­ta por ho­mens bri­lhan­tes de vá­ri­os seg­men­tos da so­ci­e­da­de, a nos­sa foi fei­ta por po­lí­ti­cos que já na sua cri­a­ção ins­ti­tuí­ram o cor­po­ra­ti­vis­mo de Es­ta­do que per­du­ra até hoje em nos­sa de­mo­cra­cia do­en­te, não pou­cas ve­zes ar­ra­nhan­do nos­sa his­tó­ria e co­lo­can­do em ris­co nos­so fu­tu­ro.

Sem­pre lem­bra­mos que so­mos um po­vo pa­ci­fi­co! Nem tan­to! Lu­ta­mos pe­la nos­sa in­de­pen­dên­cia, de­pois der­ru­ba­mos um im­pe­ra­dor, com­ba­te­mos in­va­so­res. Ti­ve­mos nos­sa gu­er­ra ci­vil no Es­ta­do No­vo que ter­mi­nou com a mor­te do Ge­tú­lio. Fo­ra re­vol­tas san­gren­tas que fi­ca­ram qua­se es­que­ci­das no tem­po. De Zum­bi dos Pal­ma­res a An­to­nio Con­se­lhei­ro, pas­san­do por ou­tras in­con­tá­veis re­vol­tas ci­vis e mi­li­ta­res. Na his­tó­ria re­cen­te, pe­la cro­no­lo­gia da exis­tên­cia hu­ma­na, o gol­pe de 64, dois pre­si­den­tes que so­fre­ram im­pe­a­ch­ment. Mui­ta coi­sa pa­ra uma vi­da cur­ta co­mo na­ção no re­ló­gio do tem­po e con­ti­nu­a­mos por aqui. Co­me­te­mos er­ros gra­ves, te­mos uma dis­tri­bui­ção de ren­da das mais in­jus­tas do mun­do que nos co­lo­ca em gran­de par­te nu­ma dis­tri­bui­ção de mi­sé­ria pa­ra gen­te que não tem aces­so à saú­de, edu­ca­ção, se­gu­ran­ça, ha­bi­ta­ção e por aí vai.

Mas es­ta­mos apren­den­do. Cor­rup­tos e cor­rup­to­res que san­gram es­te país des­de sem­pre es­tão in­do ou, pe­lo me­nos, pas­san­do pe­la ca­deia. O po­vo se faz ou­vir nas ru­as. É is­to que a his­tó­ria en­si­na. Apren­der com o que co­me­te­mos de er­ros pa­ra não re­pe­ti-los. Is­to, com to­do res­pei­to a mai­or po­tên­cia do mun­do, não é o Trump que vai nos en­si­nar. So­mos nós mes­mos. Afi­nal, co­mo es­cre­veu um dos mai­o­res po­e­tas de to­dos os tem­pos, o rio que pas­sa na nos­sa al­deia é o mais be­lo do mun­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.