Cri­me é o que mais as­sus­ta, diz es­pe­ci­a­lis­ta

Metro Brazil (ABC) - - Foco -

Pa­ra o es­pe­ci­a­lis­ta em se­gu­ran­ça pú­bli­ca e pro­fes­sor de di­rei­to cri­mi­nal na USCS (Uni­ver­si­da­de de São Ca­e­ta­no do Sul) e na Fun­da­ção San­to An­dré Van­der Fer­rei­ra de An­dra­de, o la­tro­cí­nio é atu­al­men­te o cri­me que mais as­sus­ta a po­pu­la­ção.

“Acre­di­to que sim. So­ma­do ao cri­me de ex­tor­são me­di­an­te se­ques­tro. Mas o se­ques­tro ge­ra ris­co mai­or ao cri­mi­no­so, por­que hoje es­tá mais fá­cil lo­ca­li­zar pe­lo ce­lu­lar, tem que pe­dir res­ga­te. O rou­bo não, é um cri­me de ins­tan­tes. Pa­ra o ban­di­do o rou­bo é mais atra­ti­vo, de res­pos­ta ime­di­a­ta. O la­tro­cí­nio se tor­nou um cri­me fre­quen­te e, por is­so, dei­xa as pes­so­as mais pre­o­cu­pa­das.”

Se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta, o rou­bo se­gui­do de mor­te tam­bém tem li­ga­ção com o trá­fi­co de dro­gas. “O la­tro­cí­nio é um cri­me pa­tri­mo­ni­al no có­di­go pe­nal ape­sar de ti­rar a vi­da. O ob­je­ti­vo no ini­cio não é ma­tar, a mor­te é uma con­sequên­cia. Pa­ra sus­ten­tar o ví­cio, o cri­mi­no­so sai pa­ra rou­bar e o as­sas­si­na­to pas­sa a ser um com­po­nen­te nes­sa ação cri­mi­no­sa”. METRO ABC

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.