MC GUIMÊ

Em en­tre­vis­ta ao Me­tro Jor­nal, can­tor fa­la so­bre seu pri­mei­ro CD

Metro Brazil (ABC) - - Cultura -

Com es­ti­lo os­ten­ta­ção dei­xa­do de la­do, ele ago­ra mis­tu­ra funk, rap e ele­trô­ni­ca. MC Guimê fa­la com o Me­tro Jor­nal so­bre o “Sou Fi­lho da Lua”, pri­mei­ro ál­bum do can­tor. Há cin­co anos o funk bei­ra­va o ama­do­ris­mo. De­pois sur­gi­ram vi­de­o­cli­pes, a pro­du­ção se pro­fis­si­o­na­li­zou e ago­ra os MCs lançam CDs. A que se de­ve es­sa mu­dan­ça? O cres­ci­men­to do es­ti­lo mu­si­cal. O funk mais an­ti­go, que não ti­nha re­cur­sos, já che­ga­va for­te, com a Ta­ti Que­bra Bar­ra­co e aque­la ga­le­ra que se­guia a mes­ma li­nha. O funk te­ve seu lu­gar e ago­ra vai se pro­fis­si­o­na­li­zan­do. O pes­so­al tem es­sa re­fe­rên­cia. Sem­pre que tem ar­tis­ta em al­ta, tem gen­te que­ren­do ser igual. En­tão lan­çar um CD po­de ser­vir co­mo ins­pi­ra­ção pa­ra os pró­xi­mos ar­tis­tas que es­tão por vir. Vo­cê acha viá­vel lan­çar um CD en­quan­to as pes­so­as po­dem en­con­trar seu tra­ba­lho na in­ter­net? Tem dois mo­ti­vos prin­ci­pais pa­ra eu ter fei­to is­so. Um dis­co com mi­nha ca­pa e en­car­te era um so­nho, ago­ra é uma re­a­li­za­ção. O se­gun­do mo­ti­vo é meu pú­bli­co, meu tra­ba­lho. A in­ter­net me le­vou a mui­tos lu­ga­res e sou mui­to gra­to, mas te­nho mui­tos fãs que não têm aces­so a in­ter­net. Tal­vez eles não com­prem o dis­co, mas tam­bém sem­pre aca­bam achan­do na pi­ra­ta­ria. Quais são as van­ta­gens de lan­çar um CD? En­trar na no­va fa­se da vi­da. Qu­e­ro ver dis­cos guar­da­dos na es­tan­te quan­do eu for ve­lho. A ga­le­ra ter mais aces­so tam­bém a mi­nha pes­soa, cri­ar uma pro­xi­mi­da­de com os fãs. Qu­e­ro atin­gir mais ain­da o meu pú­bli­co. Qual é sua me­ta com o CD? Che­gar lon­ge e le­var o tra­ba­lho pa­ra fo­ra do país, com al­gu­mas par­ce­ri­as. Qu­e­ro co­nhe­cer mú­si­cos de fo­ra, co­nhe­cer mú­si­cos de di­ver­sos paí­ses. Um das prin­ci­pais mú­si­cas do no­vo CD é o “Vi­va La Vi­da”, em par­ce­ria com o Trop­kil­laz. Ela é pu­xa­da pa­ra a mú­si­ca ele­trô­ni­ca. Re­cen­te­men­te a Ka­rol Con­ca fez es­sa mes­ma par­ce­ria e tam­bém se­gue a es­sa li­nha. É uma no­va ten­dên­cia? É uma no­va ten­dên­cia no ce­ná­rio na­ci­o­nal. O Trop­kil­laz é va­lo­ri­za­do lá fo­ra, e is­so é di­fí­cil pe­lo ce­ná­rio da mu­si­ca ele­trô­ni­ca. É uma pa­ra­da que a ga­le­ra acre­di­ta. Ti­ve­mos von­ta­de de fa­zer es­sa par­ce­ria, pu­xar pa­ra ba­la­da. Funk é mui­to to­ca­do em ba­la­da tam­bém, en­tão quis me mis­tu­rar com es­se es­ti­lo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.