USA­DO NÃO É VE­LHO, NÃO: RE­DU­ZA, REUSE, RECICLE!

Metro Brazil (ABC) - - Publimetro - MARCOS SIL­VES­TRE MARCOS.SIL­VES­TRE@ME­TRO­JOR­NAL.COM.BR

Gas­tar mais! Quem de­se­ja ser mais econô­mi­co... pre­ci­sa apren­der a “gas­tar mais”! Não es­tou fa­lan­do de gas­tar mais di­nhei­ro, po­rém de gas­tar mais “as coi­sas”. Por um ins­tan­te ape­nas, vol­te­mos aos tem­pos da vo­vó. Há uma ati­tu­de que a vo­vó ti­nha, mui­to sau­dá­vel pa­ra a pros­pe­ri­da­de sus­ten­tá­vel e du­ra­dou­ra, que é o há­bi­to de usar as coi­sas até gas­tar. In­fe­liz­men­te, a mai­or par­te de nós aca­bou dei­xan­do de la­do es­te bom há­bi­to, sub­mer­sos na on­da de­sen­fre­a­da de con­su­mis­mo que vi­ven­ci­a­mos nas úl­ti­mas dé­ca­das. Sá­bia avo­zi­nha. É as­sim que a vo­vó fa­zia: com­prar co­a­dor de ca­fé no­vo? Só se o an­ti­go puís­se, mes­mo, se che­gas­se a fa­zer bu­ra­co! O mes­mo cri­té­rio do bu­ra­co va­lia pa­ra o as­sen­to das cadeiras, e até mes­mo pa­ra as ce­rou­las do vovô. Tro­car? Só quan­do fi­zes­se bu­ra­co de tan­to usar, e bu­ra­co do ti­po “bu­ra­cão”, ir­re­men­dá­vel! Pa­ra tro­car de sa­pa­to ti­nha de gas­tar a so­la e de­pois tro­cá-la tam­bém vá­ri­as ve­zes até gas­tar com­ple­ta­men­te, in­clu­si­ve o cou­ro de ci­ma. So­vi­ni­ce? De­vo con­tra-ar­gu­men­tar que, até mes­mo do pon­to de vis­ta eco­ló­gi­co, es­sa pos­tu­ra de usar até gas­tar por com­ple­to é mui­to mais sen­sa­ta. Des­car­ta­bi­li­da­de. Mas... hoje não é as­sim que o pes­so­al vê “as coi­sas”. Tem que tro­car tu­do bem an­tes da ho­ra! O smartpho­ne tem que ser tro­ca­do por­que, oras, já lan­ça­ram mo­de­lo mais no­vo e mais cheio de re­cur­sos (que, mui­tas ve­zes, vo­cê nem vai usar). Ou en­tão: “Sa­be, o meu caiu no chão e fi­cou com um ris­qui­nho aqui na te­la, já não é mais no­vi­nho em fo­lha.” A rou­pa tem que des­car­tar por­que ago­ra a mo­da “é ou­tra”. O car­ro tem que tro­car... por­que vo­cê des­co­briu que vi­rou de mo­de­lo! In­te­li­gen­te? Pen­se bem, o que é mais im­por­tan­te: o fa­to de pos­suir... ou efe­ti­va­men­te po­der usu­fruir do que pos­sui? Se for a sim­ples pos­se das coi­sas, vá fun­do nes­sa bo­ba­gem de tro­car tu­do bem an­tes do fi­nal de sua vi­da útil. A re­gra se­rá sem­pre ten­tar pos­suir o úl­ti­mo mo­de­lo, a no­vi­da­de, o lan­ça­men­to, o top de li­nha. E apos­te aí to­dos os seus co­bres, to­do o seu equi­lí­brio e sua tran­qui­li­da­de fi­nan­cei­ra. Não! Se o seu ba­ra­to é po­der ver­da­dei­ra­men­te usu­fruir das coi­sas, pa­re de “pen­sar po­bre” e con­si­de­re a hi­pó­te­se de usar até gas­tar por com­ple­to. En­tão vá à lo­ja e com­pre um no­vi­nho em fo­lha. Dê sua co­ta de con­tri­bui­ção pa­ra sal­var a na­tu­re­za, co­la­bo­ran­do pa­ra a re­du­ção da emis­são de li­xo tó­xi­co nas águas e ga­ses po­lu­en­tes na at­mos­fe­ra. De que­bra, ain­da vai so­brar di­nhei­ro pa­ra gas­tar com o que in­te­res­sa mais!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.