O MUN­DO AN­TES DE POT­TER

ED­DIE RED­MAY­NE FA­LA AO ME­TRO SO­BRE ‘ANI­MAIS FAN­TÁS­TI­COS E ON­DE HA­BI­TAM’, QUE ESTREIA HOJE

Metro Brazil (ABC) - - Front Page - LUCÍA HERNÁNDEZ ME­TRO IN­TER­NA­CI­O­NAL

Ven­ce­dor do Os­car de me­lhor ator por “A Te­o­ria de Tu­do”, o bri­tâ­ni­co de 34 anos Ed­die Red­may­ne to­pou o de­sa­fio de se trans­for­mar em Newt Sca­man­der, um ma­gi­zo­o­lo­gis­ta que che­ga à NY com uma ma­le­ta cheia de cri­a­tu­ras má­gi­cas e cau­sa a mai­or con­fu­são. Além de ter de con­ven­cer a co­mu­ni­da­de bru­xa ame­ri­ca­na, ele tam­bém tem co­mo mis­são ga­nhar os fãs da fran­quia Har­ry Pot­ter. Ve­ja en­tre­vis­ta.

O que te fez di­zer sim pa­ra o spin-off de uma sa­ga tão ama­da co­mo Har­ry Pot­ter?

O ro­tei­ro. Eu sa­bia mui­to pou­co so­bre o fil­me por­que era su­per­se­cre­to, mas me en­con­trei com Da­vid Ya­tes al­gu­mas ve­zes e ele me con­ta­va a his­tó­ria. En­tão, quan­do li o ro­tei­ro, ele su­pe­rou mi­nhas ex­pec­ta­ti­vas já al­tas. Des­co­bri que ti­nha to­da a ma­gia e o ca­lor do mun­do de Har­ry, mas am­bi­en­ta­do em uma no­va era dos anos 1920 do ou­tro la­do do mun­do. Ti­nha uma es­pé­cie de no­va vi­bra­ção que me en­can­tou.

E co­mo foi en­trar no mun­do má­gi­co de J.K. Ro­wling?

Foi in­crí­vel por­que to­dos os di­as em nos­so ca­mi­nho pa­ra o tra­ba­lho pas­sá­va­mos pe­lo par­que do Har­ry Pot­ter [The Wi­zar­ding World of Har­ry Pot­ter, na Fló­ri­da] on­de vía­mos as fotos imen­sas de Dan [Rad­clif­fe], Em­ma [Wat­son] e Ralph [Fi­en­nes] e is­so era re­al­men­te re­con­for­tan­te em al­guns as­pec­tos, e tal­vez até um pou­co in­ti­mi­dan­te. Mas sa­ber que do ou­tro la­do da es­tra­da on­de es­tá­va­mos fil­man­do ti­nham to­das aque­las pes­so­as ex­pe­ri­men­tan­do o mun­do má­gi­co de J.K. foi de fa­to mui­to di­ver­ti­do.

J.K. Ro­wling lhe deu al­gu­ma su­ges­tão pa­ra o fil­me?

Sim. Eu a co­nhe­ci bem an­tes de co­me­çar­mos a fil- mar e ela ex­pli­cou co­mo Newt sur­giu em sua ima­gi­na­ção, fa­lou so­bre a vi­da e os as­pec­tos des­se per­so­na­gem. Ela foi ma­ra­vi­lho­sa. E de­pois, no set, ain­da fa­lou: “Eu não vou te di­zer na­da, mas ...” [Ri­sos] Ela não con­se­guia se con­ter.

Ela te­ve um da­que­les mo­men­tos em que pen­sa “vo­cê não po­de fa­zer is­so por­que no pró­xi­mo fil­me...”?

Exa­ta­men­te!

Vo­cê pas­sou por al­gu­ma pre­pa­ra­ção pa­ra vi­ver es­se per­so­na­gem, co­mo por exem­plo apren­der a me­xer com uma va­ri­nha?

Sim, nós fo­mos pa­ra uma es­co­la de va­ri­nhas e ti­ve­mos um bom trei­na­men­to [ri­sos]. Eu tam­bém as­sis­ti a al­guns dos fil­mes de Har­ry Pot­ter pa­ra rou­bar as me­lho­res par­tes de Dan, Em­ma e Ru­pert [Grint]. E ain­da en­con­trei com pes­so­as que meio que mo­ram com ani­mais, co­mo zoó­lo­gos. Foi mui­to di­ver­ti­do pas­sar um tem­po com es­sa gen­te que vi­ve com vá­ri­as cri­a­tu­ras.

Vo­cê re­ce­beu al­gum ti­po de di­ca ou in­for­ma­ção de Dan, Em­ma ou Ru­pert?

Não des­de que fi­ze­mos o fil­me. Co­nhe­ço Dan um pou­co e sou um gran­de fã e já tra­ba­lhei com Em­ma. En­quan­to es­tá­va­mos fa­zen­do o fil­me nós que­ría­mos meio que vi­ver nos­so mo­men­to ali. Mas eles são pes­so­as tão in­crí­veis que tal­vez de­pois fa­re­mos um ti­po de ses­são de li­ga­ção Pot­ter.

Ob­vi­a­men­te os fãs da sa­ga vão jul­gar o fil­me. Vo­cê vai olhar a web e as re­des so­ci­ais de­pois da estreia?

Se­rá que vou? Nos­sa, es­sa é uma boa per­gun­ta. Eu sem­pre di­go a mim mes­mo pa­ra não ler os co­men­tá­ri­os das pes­so­as, pois eles po­dem ser ne­ga­ti­vos. Mas eu sou mui­to bom em não se­guir o que di­go pa­ra mim. Pro­va­vel­men­te de­vo ler a gu­ma coi­sa. Só es­pe­ro m mo que as pes­so­as gos­tem

Vo­cê es­tá pron­to pa­ra a su­mir os cin­co fil­mes qu com­põem a fran­quia?

As pes­so­as fa­lam so­bre o cin­co fil­mes, mas o que amo é que es­se lon­ga ain es­tá so­zi­nho. E te­re­mos q ver pri­mei­ro se as pes­soa gos­tam de­le an­tes de nos adi­an­tar­mos e co­me­çarm a fa­zer mais. Mas, olha, e amei es­se mun­do má­gi­co amei in­ter­pre­tar Newt Sc man­der e ado­ra­ria pas­sa mais tem­po com ele.

Qual é a par­te mais in­cr vel de es­tar nes­se fil­me

Acho que é con­vi­ver com J.K. Ro­wling, vi­ver no mu do de sua ima­gi­na­ção. Es é um lu­gar mui­to di­ver­ti pa­ra se es­tar.

Acha que o fil­me ex­pan sua pró­pria ima­gi­na­ção

Sim! Eu te­nho uma ima­gi­na­ção meio po­bre, sa­be por is­so es­sa ex­pe­ri­ên­cia for­çou to­do o elen­co a qu rer en­con­trar a tal cri­anç in­te­ri­or. Quan­do mais ve lho vo­cê fi­ca, me­nos se p mi­te pen­sar fo­ra da cai­xa Acho que o fil­me faz voc re­a­brir es­sa par­te de si.

En­tão li­dar com se­res im gi­ná­ri­os não foi o seu mai­or de­sa­fio...

Eu pen­sei que ia ser, mas na ver­da­de aca­bei gos­tan do por­que tí­nha­mos mui aju­da. Ha­via ma­ri­o­ne­tist fa­zen­do al­gu­mas das cria ras e ob­je­tos re­ais pa­ra s gu­rar­mos. Em al­guns ca­sos, foi co­mo ter um ami ima­gi­ná­rio! [Ri­sos]

Ado­ta­ria al­gum de­les co mo ani­mal de es­ti­ma­ção

DI­VUL­GA­ÇÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.