NÃO SE ES­QUE­ÇA DOS AMOR­TE­CE­DO­RES!

Metro Brazil (ABC) - - Motor -

F azer ma­nu­ten­ção pre­ven­ti­va é es­sen­ci­al pa­ra man­ter o bom fun­ci­o­na­men­to de um au­to­mó­vel, pri­mor­di­al pa­ra evi­tar gas­tos e, mais do que is­so, cru­ci­al pa­ra uma boa se­gu­ran­ça no trân­si­to. Po­rém, os cui­da­dos não se res­trin­gem a tro­ca de óleo e fluí­dos, ca­li­bra­gem de pneus, che­ca­gem dos frei­os etc. Pou­co lem­bra­do, os amor­te­ce­do­res são im­por­tan­tes e ne­ces­si­tam de aten­ção es­pe­ci­al tam­bém. “Os amor­te­ce­do­res são itens de se­gu­ran­ça e re­a­li­zar uma ava­li­a­ção, além de mais econô­mi­co, tam­bém ga­ran­te o bom de­sem­pe­nho do veí­cu­lo”, sa­li­en­ta Jair Sil­va, ge­ren­te de qua­li­da­de da Na­ka­ta, uma das prin­ci­pais fa­bri­can­tes des­te item no país.

Con­si­de­ra­da uma pe­ça fun­da­men­tal na sus­pen­são dos au­to­mó­veis, por amor­te­cer os im­pac­tos e os­ci­la­ções da car­ro­ce­ria, con­tro­lar a mo­vi­men­ta­ção das mo­las e man­ter os pneus em con­ta­to per­ma­nen­te com o so­lo, ga­ran­tin­do boa di­ri­gi­bi­li­da­de e es­ta­bi­li­da­de, os amor­te­ce­do­res, co­mo quais­quer pe­ças au­to­mo­ti­vas so­frem des­gas­te com o uso no de­cor­rer do tem­po. Ve­ja al­guns mi­tos e ver­da­des so­bre o item na ta­be­la ao la­do. “É pre­ci­so pres­tar aten­ção aos si­nais que po­dem in­di­car o mo­men­to da subs­ti­tui­ção dos amor­te­ce­do­res. Ba­lan­ço ex­ces­si­vo em ar­ran­ca­das, per­da de ade­rên­cia nas cur­vas, va­za­men­to de fluí­do, ten­dên­cia de aqua­pla­na­gem, des­gas­te de­si­gual dos pneus e aumento de dis­tân­cia na fre­na­gem po­dem ser in­dí­ci­os pa­ra a tro­ca”, ex­pli­ca o re­pre­sen­tan­te.

Os in­dí­ci­os de ne­ces­si­da­de de tro­ca do con­jun­to, em sua mai­o­ria, po­dem ser de­tec­ta­dos pe­lo pró­prio mo­to­ris­ta. Po­rém, ain­da que ne­nhum des­tes itens es­te­ja com pro­ble­ma, o ide­al é que um me­câ­ni­co de con­fi­an­ça, du­ran­te a ma­nu­ten­ção de ro­ti­na, os ava­lie. “A par­tir dos 40 mil quilô­me­tros ro­da­dos é im­por­tan­te re­vi­sar to­do o sis­te­ma de sus­pen­são a ca­da 10 mil quilô­me­tros. Du­ran­te a re­vi­são me­câ­ni­ca é pre­ci­so ava­li­ar tam­bém o es­ta­do dos ou­tros itens que com­põem o sis­te­ma, co­mo co­xins e ba­ten­tes, pois eles tam­bém so­frem des­gas­te”, in­di­ca Da­ni­el Li­nha­res, téc­ni­co do cen­tro au­to­mo­ti­vo Pau­li­ceia Pneus.

O es­pe­ci­a­lis­ta tam­bém apon­ta que maus cos­tu­mes dos mo­to­ris­tas, co­mo ul­tra­pas­sar o li­mi­te de car­ga do car­ro, não re­a­li­zar ali­nha­men­to e ba­lan­ce­a­men­to de ro­das e pas­sar em al­ta ve­lo­ci­da­de em lom­ba­das ou bu­ra­cos, são pre­pon­de­ran­tes pa­ra a de­te­ri­o­ra­ção mais rá­pi­da dos amor­te­ce­do­res.

Des­ta for­ma, o ide­al é que, em ca­so de ne­ces­si­da­de de tro­ca dos amor­te­ce­do­res, o mo­to­ris­ta sem­pre fa­ça o ser­vi­ço em uma ofi­ci­na es­pe­ci­a­li­za­da e com pe­ças cer­ti­fi­ca­das que ofe­re­çam ga­ran­tia. Afi­nal, a má in­ser­ção ou a ins­ta­la­ção de um amor­te­ce­dor que não é o cor­re­to pa­ra aque­le mo­de­lo po­de tra­zer ain­da mais pro­ble­mas. “A sus­pen­são é um sis­te­ma que tra­ba­lha em con­jun­to. Quan­do o amor­te­ce­dor é ina­de­qua­do, ele so­bre­car­re­ga os ou­tros com­po­nen­tes anu­lan­do sua efi­ci­ên­cia e re­du­zin­do sua vi­da útil”, ex­pli­ca Ju­li­a­no Ca­ret­ta, co­or­de­na­dor da Mon­roe, ou­tra gran­de fa­bri­can­te des­te item.

Va­riá­vel tan­to pe­la ofi­ci­na quan­to pe­lo mo­de­lo do car­ro, a tro­ca do con­jun­to de qua­tro amor­te­ce­do­res mais a mão de obra e o ali­nha­men­to cus­ta, em mé­dia, R$ 700

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.