RE­FLE­TE SO­BRE A VI­DA EM ‘JAR­DIM-POMAR’

Lan­ça­men­to. Nando Reis re­fle­te so­bre ex­pe­ri­ên­cia de vi­da e reú­ne ami­gos do Titãs no 14º ál­bum ‘Jar­dim-Pomar’

Metro Brazil (ABC) - - Front Page - AMANDA QUEIRÓS METRO SÃO PAU­LO

Os ver­sos do re­frão de “Ini­mi­tá­vel” re­su­mem bem a es­sên­cia de “Jar­dim-Pomar”: “Se va­mos to­dos mor­rer/En­tão va­mos tra­tar de vi­ver”. É sob es­se le­ma que Nando Reis con­duz as 12 fai­xas que com­põem o no­vo ál­bum, o 14º de sua car­rei­ra so­lo após dei­xar os Titãs. O te­ma amo­ro­so, sem­pre pre­sen­te na obra do ar­tis­ta, tam­bém mar­ca pre­sen­ça aqui en­tre ba­la­das e rocks po­de­ro­sos, mas mar­ca­do pe­la no­ção de con­ti­nui­da­de no tem­po.

”O dis­co é bas­tan­te con­sequên­cia e re­fle­xo do que acon­te­ce na mi­nha vi­da. Ela tem co­me­ço e fim, mas o que acon­te­ce no meio é o aca­so, o mis­te­ri­o­so. A re­la­ção amo­ro­sa é uma ideia de vín­cu­lo afe­ti­vo que se cons­trói na pas­sa­gem do tem­po, e acre­di­to ser es­sa a me­lhor for­ma de vi­ver com fe­li­ci­da­de. É is­so o que qu­e­ro: vi­ver ple­na­men­te”, de­cla­ra ele.

Lan­ça­do qua­tro anos após “Sei”, “Jar­dim-Pomar” reú­ne 12 fai­xas au­to­rais, sen­do 11 iné­di­tas – uma de­las, “Co­mo So­mos”, foi as­si­na­da em par­ce­ria com Sa­mu­el Ro­sa, do Skank –, to­das gra­va­das en­tre São Pau­lo e Se­at­tle, nos Es­ta­dos Uni­dos, com pro­du­ção de Bar­rett Mar­tin e Jack En­di­no.

A úni­ca já co­nhe­ci­da era “Con­cór­dia”, lan­ça­da em dis­co por El­za So­a­res em 2003. Ela traz na le­tra a ideia de “jar­dim-pomar”, pre­sen­te na obra de Mu­ri­lo Mendes – cu­ri­o­sa­men­te, é de uma mú­si­ca an­ti­ga que Reis ti­rou o tí­tu­lo de um ál­bum que fa­la so­bre o tem­po.

“Ela não é pre­mo­ni­tó­ria, mas eu já con­si­de­ra­va ali es­sa pro­je­ção de vi­da. A coin­ci­dên­cia é que, no ano pas­sa­do, eu es­ta­va len­do bas­tan­te ‘A Ida­de do Ser­ro­te’, do poeta Mu­ri­lo Mendes, e ele usa es­sa ex­pres­são que eu di­ria ser qua­se sin­té­ti­ca do dis­co. Jar­dim-Pomar evo­ca flo­res e fru­tos, e o dis­co não dei­xa de ser um fru­to con­ju­ga­do com a beleza que há na flor”, afir­ma.

Arnaldo An­tu­nes, Branco Mel­lo, Pau­lo Mi­klos e Sér­gio Brit­to can­ta­ram uma le­tra cheia de jo­gos de pa­la­vras que re­fle­te so­bre iden­ti­da­des múl­ti­plas e lem­bra o tra­ba­lho que eles fa­zi­am jun­tos nos anos 1980 e 1990.

“Des­de que eu fiz es­sa mú­si­ca, vi que ela ti­nha que ser can­ta­da por mui­ta gen­te. Era a me­lhor for­ma de di­zer o que ela diz, e quis pri­vi­le­gi­ar me­mó­ri­as bo­as. Os Titãs têm uma im­por­tân­cia enor­me na mi­nha vi­da pro­fis­si­o­nal e pes­so­al. Foi mui­to di­ver­ti­do po­der re­en­con­trá-los em uma mú­si­ca que tem mui­to a ver com in­te­li­gên­cia que ha­via nas le­tras da banda.”

Além de ser dis­po­ni­bi­li­za­do em stre­a­ming, “Jar­dim-Pomar” tem lan­ça­men­to em edi­ções ca­pri­cha­das de CD, vinil e até em fi­ta K7. Pa­ra Nando, is­so faz di­fe­ren­ça. “A mú­si­ca di­gi­tal fi­cou mui­to as­so­ci­a­da à fun­ci­o­na­li­da­de de aten­der a um de­se­jo ime­di­a­to, mas dis­co é pa­ra ser ou­vi­do com cal­ma. Va­lo­ri­zo a mí­dia fí­si­ca não ape­nas por nos­tal­gia, mas co­mo afir­ma­ção da mi­nha for­ma­ção. Um dis­co não é ape­nas um apa­nha­do de can­ções. É mui­to mais ri­co que a bos­ta da mú­si­ca di­gi­tal”, sen­ten­cia, aos ri­sos.

DIVULGAÇÃO

No­vo tra­ba­lho do ar­tis­ta pas­sa pe­las ba­la­das e o rock

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.