FU­RA­CÃO ELIS NO CI­NE­MA

ANDREIA HORTA VI­VE A CANTORA EM LON­GA BIOGRÁFICO

Metro Brazil (ABC) - - Front Page - AMANDA QUEIRÓS

A ce­na ini­ci­al de ‘Elis’, que es­treia ho­je, já se pro­põe a pro­vo­car ar­re­pi­os. Sob a pe­num­bra, Andreia Horta en­car­na a Pi­men­ti­nha em uma apre­sen­ta­ção ca­tár­ti­ca de “Co­mo Nos­sos Pais”, de Bel­chi­or.

A voz - as­sim co­mo em to­das as can­ções exe­cu­ta­das no filme - é da pró­pria cantora, e o tra­ba­lho do ci­ne­as­ta Hu­go Pra­ta, que di­ri­ge seu pri­mei­ro lon­ga após uma tra­je­tó­ria pe­la MTV Brasil, é res­sal­tar jus­ta­men­te a prin­ci­pal marca da cantora bi­o­gra­fa­da: a al­ta vol­ta­gem dra­má­ti­ca e in­ter­pre­ta­ti­va de Elis Re­gi­na.

“Acho que o tra­ba­lho com vi­de­o­cli­pes me aju­dou a apren­der a tra­du­zir a emo­ção de uma mú­si­ca e a cap­tar a es­sên­cia de­la”, ex­pli­ca o di­re­tor.

“Elis não era au­to­ra, mas ti­nha uma ga­na gran­de de se ex­pres­sar. Ela ga­rim­pa­va can­ções que di­zi­am o que que­ria di­zer e es­co­lhia mui­to bem o que can­tar, vin­do a lan­çar tan­tos no­vos au­to­res. Ela é um di­a­man­te. É im­pos­sí­vel apa­re­cer ou­tra as­sim”, de­cla­ra ele.

O filme acom­pa­nha to­da a bre­ve car­rei­ra da gaú­cha Elis des­de o mo­men­to em que che­ga ao la­do do pai, no Rio de Ja­nei­ro, até a pre­ma­tu­ra mor­te por over­do­se, em ja­nei­ro de 1982, aos 36 anos. No meio do ca­mi­nho, são re­ve­la­dos sua evo­lu­ção co­mo in­tér­pre­te, o en­vol­vi­men­to com Ro­nal­do Bôs­co­li (Gustavo Ma­cha­do) e Cé­sar Ca­mar­go Ma­ri­a­no (Ca­co Ci­o­cler), seu tem­pe­ra­men­to ex­plo­si­vo e cheio de per­so­na­li­da­de e a re­la­ção de pres­são so­fri­da por ela pe­la di­ta­du­ra mi­li­tar bra­si­lei­ra.

“A gen­te fez ques­tão de tra­zer es­se as­sun­to por vá­ri­os mo­ti­vos. Elis não co­nhe­ceu a ar­te li­vre. Tu­do o que ela pro­du­ziu foi sob o anos de chum­bo e te­ve que ser apro­va­do na cen­su­ra. Ela te­ve ami­gos tor­tu­ra­dos, exi­la­dos e con­vi­via com o pâ­ni­co de is­so atin­gir seus fi­lhos pe­que­nos. Nós ten­ta­mos tra­du­zir o que a fra­gi­li­zou pa­ra tu­do ter­mi­nar tão tra­gi­ca­men­te”, diz Pra­ta, que foi cui­da­do­so ao re­tra­tar os úl­ti­mos mo­men­tos da cantora.

“Ten­tei ser de­li­ca­do. Ela só se en­vol­veu com dro­gas nos úl­ti­mos seis me­ses de vi­da. Foi um aci­den­te, uma tra­gé­dia, e bus­quei dar o tra­ta­men­to que is­so pe­dia”, con­ta.

Ape­sar de não can­tar no filme, Andreia Horta tra­ba­lhou di­a­ri­a­men­te du­ran­te cin­co me­ses, das 9h às 17h, com um co­a­ch de voz can­ta­da e fa­la­da, pa­ra in­cor­po­rar o jei­to de Elis de se ex­pres­sar. A de­di­ca­ção lhe ren­deu o prê­mio de me­lhor atriz no úl­ti­mo Fes­ti­val de Gra­ma­do.

“Andreia tem uma per­for­man­ce dig­na de prê­mi­os. É uma per­for­man­ce ar­re­ba­ta­do­ra”, elo­gia o di­re­tor, que te­ve li­vre per­mis­são da fa­mí­lia de Elis pa­ra fa­zer o filme.

| ANDRÉ E CARIOBA

Andreia Horta é quem in­ter­pre­ta a cantora no pre­mi­a­do lon­ga

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.