LUPITA NYONG’O

De­pois de dois anos lon­ge da te­la gran­de, a ven­ce­do­ra do Os­car de me­lhor atriz tem seus ins­tin­tos ma­ter­nos pos­tos à pro­va na no­va pro­du­ção da Dis­ney, ‘Rai­nha de Katwe’

Metro Brazil (ABC) - - Cultura - GABRIELA ACOSTA SIL­VA METRO IN­TER­NA­CI­O­NAL

‘ES­SE FILME É INSPIRADOR’

Ba­se­a­do no ro­man­ce de Tim Crothers, “Rai­nha de Katwe” con­ta a his­tó­ria real de Phi­o­na Mu­te­si, uma ga­ro­ta que nas­ceu em Ugan­da, na Áfri­ca, não es­tu­dou for­mal­men­te, mas se mos­trou um pro­dí­gio no xa­drez e che­gou à Olim­pía­da Mun­di­al do es­por­te. Na tra­ma, Lupita vi­ve a mãe da jo­vem. Con­fi­ra en­tre­vis­ta. É ver­da­de que es­sa per­so­na­gem foi pen­sa­da pa­ra vo­cê? Sim, e fi­quei tão li­son­je­a­da! Mi­ra Nair [di­re­to­ra] me co­nhe­ce há anos. De­vo con­fes­sar que quan­do ter­mi­nei de ler o ro­tei­ro cho­rei mui­to por cau­sa da qua­li­da­de hu­ma­na da his­tó­ria. Re­al­men­te, foi gra­ti­fi­can­te co­mo atriz me de­pa­rar com al­go tão inspirador. Eu só pen­sa­va: “te­nho que fa­zer es­te filme” e que­ro exi­bir a me­lhor ver­são da per­so­na­gem, com to­dos seus as­pec­tos, co­mo a fa­mí­lia, a po­bre­za, o amor e o hu­mor. Quais são os mai­o­res con­fli­tos que Har­ri­et Mu­te­si en­fren­ta pa­ra aju­dar a fi­lha? Os so­nhos, co­mo um as­sun­to, sem­pre cha­ma­ram mi­nha aten­ção, e a his­tó­ria fa­la mui­to do po­der dos so­nhos. Pa­ra Har­ri­et, so­nhar é pe­ri­go­so por­que is­so en­che vo­cê com es­pe­ran­ças que a vi­da po­de não ser ca­paz de te dar. Pa­ra ela, é uma lu­ta entre amor e me­do, mas en­tão ela per­ce­be que es­se me­do es­tá se­gu­ran­do a fi­lha e ela de­ve apren­der a dei­xá-la ir. Vo­cê sa­bia da his­tó­ria real an­tes de fil­mar o lon­ga? Não co­nhe­cia. Eu ti­ve que ler o li­vro e lo­go de­pois co­nhe­ci Phi­o­na. A coi­sa mais im­por­tan­te era che­gar a Ugan­da e fa­zer pes­qui­sas do lu­gar. A Áfri­ca ra­ra­men­te é mos­tra­da co­mo o con­ti­nen­te que Mi­ra (Nair) mos­tra no filme. Sim, es­se é um lon­ga da Dis­ney, mas não mos­tra ape­nas be­le­za e fe­li­ci­da­de... E é is­so que tor­na o filme tão po­de­ro­so! Nós não evi­ta­mos a po­bre­za, e is­so nos per­mi­te ver a for­ça des­sas pes­so­as que lu­tam di­a­ri­a­men­te pa­ra manter a fa­mí­lia uni­da ou por­que vi­vem em um lu­gar com um te­lha­do va­zan­do. Har­ri­et é uma des­sas pes­so­as. Vo­cê se viu re­fle­ti­da na jo­vem atriz Ma­di­na Nalwan­ga, que vi­ve a Phi­o­na? Ela é ta­len­to­sa e tem o mes­mo de­se­jo de con­quis­tar o mun­do que eu ti­nha na ida­de de­la. Ver Ma­di­na cres­cer dia a dia, de uma ce­na pa­ra ou­tra foi fas­ci­nan­te. Seu ins­tin­to ma­ter­nal apa­re­ceu com o filme? Vo­cê fi­ca ob­vi­a­men­te sen­sí­vel ao amor da­que­la mãe, mas ain­da não sei se que­ro ser mãe... Por en­quan­to! O que eu gos­ta­va era de ver Har­ri­et com seu espírito li­vre e ale­gre, tra­tan­do as cri­an­ças.

GETTY IMAGES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.