Ali­cia Keys de vol­ta às raí­zes

Mú­si­ca. Dis­co ‘He­re’ in­ves­te em ba­ti­das de jazz e de hip hop pa­ra lu­tar con­tra o pre­con­cei­to ra­ci­al e de gê­ne­ro – e pro­va o ta­len­to da cantora

Metro Brazil (ABC) - - Cultura - BRU­NO BUCIS METRO BRA­SÍ­LIA

“He­re” (2016), sex­to ál­bum de es­tú­dio da cantora ame­ri­ca­na Ali­ca Keys, re­pre­sen­ta um du­plo re­tor­no às ba­ses de­la. Pri­mei­ro, do pon­to de vis­ta da so­no­ri­da­de, a cantora se afas­ta da sua re­cen­te veia pop e re­tor­na ao bri­lhan­tis­mo do pi­a­no en­vol­vi­do por uma ba­ti­da hip hop do iní­cio de sua car­rei­ra. Do pon­to de vis­ta pes­so­al, o ál­bum é um re­en­con­tro da cantora com ela mes­ma: ela exal­ta sua con­di­ção de mu­lher ne­gra e for­ta­le­ce o mo­vi­men­to que se in­ten­si­fi­cou com o lan­ça­men­to de “Le­mo­na­de”, de Beyon­cé, em abril úl­ti­mo.

“He­re” che­ga às lo­jas e às pla­ta­for­mas de stre­a­ming qu­a­tro anos de­pois do lan­ça­men­to de “Girl on fi­re” – a in­ves­ti­da mais pop da car­rei­ra da cantora. O no­vo dis­co apa­re­ce bas­tan­te des­co­nec­ta­do de seu an­te­ri­or. O no­vo CD apro­vei­ta me­lhor não só a de­sen­vol­tu­ra vo­cal de Ali­cia, co­mo tam­bém a ca­pa­ci­da­de de­la co­mo com­po­si­to­ra – ex­tre­ma­men­te po­li­ti­za­do, “He­re” fa­la aber­ta­men­te so­bre a vi­da da cantora. Au­to­bi­o­grá­fi­co Vá­ri­os acon­te­ci­men­tos re­cen­tes da vi­da de Ali­cia Keys es­tão pre­sen­tes no dis­co. A re­con­ci­li­a­ção de­la com a ex-mu­lher de seu ma­ri­do, o rap­per Swizz Be­atz, é te­ma de uma das me­lho­res can­ções do ál­bum, “Blen­ded Fa­mily (What You do For Lo­ve)”. A va­lo­ri­za­ção de sua ne­gri­tu­de – que cul­mi­nou no anún­cio que ela fez em ju­nho de que não usa­ria mais ma­qui­a­gem pa­ra re­al­çar sua be­le­za na­tu­ral – e os pre­con­cei­tos en­fren­ta­dos pe­la mu­lher ne­gra são ex­pos­tos em “She Don’t Re­ally Ca­re”.

O dis­co tem ou­tras can­ções de des­ta­que. Uma das me­lho­res é a ba­la­da tro­pi­cal “Girl Can’t Be Her­self”. As can­ções de jazz e pi­a­no “Pawn it all” e “Mo­re Than We Know” tam- bém es­tão entre as me­lho­res do dis­co – ape­sar de um ins­tru­men­tal su­a­ve e dan­çan­te, as ri­mas po­li­ti­za­das se­guem pre­sen­tes nas can­ções.

“He­re” tem ao to­do 18 fai­xas, mas des­sas, cin­co são in­ter­lu­des, pe­que­nos tex­tos que li­gam as can­ções. No pri­mei­ro de­les, Ali­cia Keys se com­pa­ra à tam­bém pi­a­nis­ta ne­gra ame­ri­ca­na Ni­na Si­mo­ne. Ain­da não che­gou lá, já que Si­mo­ne de­di­cou sua vi­da a uma lu­ta de va­lo­ri­za­ção da mu­lher ne­gra, mas Keys tem ta­len­to o bas­tan­te, se con­ti­nu­ar na lu­ta, pa­ra se apro­xi­mar de sua he­roí­na.

“He­re” pa­re­ce es­tar se­guin­do o mes­mo ca­mi­nho de su­ces­so dos dis­cos an­ti­gos de Ali­cia, pois, na se­ma­na pas­sa­da, o ál­bum já al­can­çou a se­gun­da po­si­ção da Bill­bo­ard 200 nos EUA.

| REPRODUÇÃO

‘HE­RE’ ALI­CIA KEYS RCA RECORDS LABEL R$ 25 Além da car­rei­ra mu­si­cal, atu­al­men­te Ali­cia tem fei­to cam­pa­nha con­tra ex­ces­so de ma­qui­a­gem e pho­toshop em fotos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.