PERFIS DE EMPREENDEDORES: O INVENTOR E O AM­BI­CI­O­SO

Metro Brazil (ABC) - - Publimetro - MARCOS SILVESTRE MARCOS.SILVESTRE@METROJORNAL.COM.BR Eco­no­mis­ta com MBA em Fi­nan­ças (USP), atua co­mo ori­en­ta­dor de fa­mí­li­as e edu­ca­dor em em­pre­sas (Me­to­do­lo­gia PROFE®). Co­men­ta­ris­ta econô­mi­co do Gru­po Bandeirantes de Rá­dio e TV, é au­tor de “A Vi­ra­da na Ca

O inventor. Gos­to de gen­te cri­a­ti­va. Acho mes­mo que o mun­do só avan­ça por­que há ne­le uma boa quan­ti­da­de de gen­te vi­si­o­ná­ria que es­tá sem­pre olhan­do pa­ra os pro­ble­mas da hu­ma­ni­da­de em bus­ca de so­lu­ções ino­va­do­ras. Sim: a hu­ma­ni­da­de pre­ci­sa dos vi­si­o­ná­ri­os pa­ra evo­luir! Ago­ra... co­nhe­ço mui­tos pro­fis­si­o­nais que re­cla­mam por­que sim­ples­men­te não con­se­guem es­pa­ço pa­ra sua “va­lo­ro­sa cri­a­ti­vi­da­de” nas em­pre­sas, que são “con­ven­ci­o­nais de­mais”. O fa­to é que nem sem­pre a cul­pa é bem das em­pre­sas: a cri­a­ti­vi­da­de que vin­ga ho­je em dia é a cri­a­ti­vi­da­de viá­vel, ape­nas a ino­va­ção pos­sí­vel. Não vira. Co­mo fun­ci­o­ná­rio de uma em­pre­sa, se vo­cê não con­se­gue em­pla­car su­as idei­as por­que são mi­ra­bo­lan­tes, sai­ba que co­mo em­pre­en­de­dor o es­pa­ço se­rá ain­da mais li­mi­ta­do, de­vi­do à es­cas­sez de re­cur­sos que ron­da to­da em­pre­sa nas­cen­te. Vo­cê tem ho­je uma ex­ce­len­te ideia viá­vel que ain­da não foi apre­sen­ta­da aos con­su­mi­do­res? Me­lhor ain­da: tem um pro­je­to ade­qua­da­men­te pla­ne­ja­do e or­ça­do pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to e in­tro­du­ção no mer­ca­do de sua ge­ni­al cri­a­ção pos­sí­vel? Nes­se ca­so, é bem pro­vá­vel que vo­cê te­nha um bom pre­tex­to pa­ra se lan­çar por con­ta pró­pria co­mo em­pre­en­de­dor cri­a­ti­vo. O am­bi­ci­o­so. Tem es­se ou­tro ti­po aqui: ele vê o di­re­tor da em­pre­sa che­gan­do de car­rão im­por­ta­do e fi­ca pen­san­do nos mui­tos anos que le­va­rá pa­ra al­can­çar es­se pa­ta­mar. Pen­sa nos mui­tos sa­pos que te­rá de en­go­lir até lá... e tal­vez nem as­sim al­can­ce o to­po do Olim­po! Quem sa­be até já te­nha con­quis­ta­do uma po­si­ção de des­ta­que no dis­pu­ta­do pó­dio cor­po­ra­ti­vo e, mes­mo na con­di­ção de ge­ren­te ou di­re­tor, fi­ca cons­tran­gi­do quan­do o do­no da em­pre­sa che­ga de he­li­cóp­te­ro. Meu aler­ta: es­se ti­po de frus­tra­ção não se re­sol­ve com ne­gó­cio pró­prio, mas com análise, ques­ti­o­nan­do e re­po­si­ci­o­nan­do seus va­lo­res. Ga­nân­cia! Já vi mui­to em­pre­en­de­dor movido es­sen­ci­al­men­te pe­la bus­ca da ri­que­za ma­te­ri­al e do po­der: to­dos que­bra­ram a ca­ra! Se­ja por­que não con­se­gui­ram a tal mon­ta­nha de di­nhei­ro, se­ja por­que, ao con­quis­tá-la, se de­ram con­ta de que o pre­ço pa­go pa­ra acu­mu­lar seu pre­ci­o­so te­sou­ro, sim­ples­men­te não com­pen­sa­ra. Vi­das ar­rui­na­das, la­res e ami­za­des des­fei­tas, tu­do em no­me do di­nhei­ro! Di­nhei­ro é bom e a gen­te gos­ta. A gra­na é um in­gre­di­en­te fun­da­men­tal nas re­cei­tas de su­ces­so em­pre­en­de­dor. Só não fa­ça da fre­né­ti­ca “cor­ri­da ao ou­ro” sua for­ça mo­triz pa­ra em­pre­en­der: há ra­zões bem mais no­bres!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.