NEY­MAR EM CAM­PO NEY­MAR FO­RA DE CAM­PO

Cra­que ‘bi­po­lar’. Se nos gra­ma­dos tu­do vai bem, com clas­si­fi­ca­ção na Li­ga dos Cam­peões após vi­tó­ria so­bre o Cel­tic e in­di­ca­ção ao prê­mio de gol mais bo­ni­to do ano, fo­ra de­le o ata­can­te so­fre com pe­di­do de pri­são do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co es­pa­nhol por su­pos­ta

Metro Brazil (ABC) - - Front Page -

Se den­tro de cam­po Ney­mar tem mo­ti­vos de so­bra pa­ra co­me­mo­rar (leia re­por­ta­gem abai­xo), fo­ra de­le o cra­que pas­sa su­fo­co. O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co es­pa­nhol pe­diu on­tem, em Ma­dri, as pri­sões de Ney­mar e do seu pai por dois anos em vir­tu­de de su­pos­ta ile­ga­li­da­de na trans­fe­rên­cia do atle­ta do San­tos pa­ra o Bar­ce­lo­na, em 2013.

A de­ci­são tem co­mo ba­se uma quei­xa do fun­do de in­ves­ti­men­to DIS, ex-de­ten­tor dos di­rei­tos de Ney­mar, que rei­vin­di­ca por­cen­ta­gem mai­or na tran­sa­ção do cra­que pa­ra a Es­pa­nha.

A quei­xa tem, co­mo ori­gem, a di­vi­são do pa­ga­men­to que o Bar­ce­lo­na de­ve­ria re­a­li­zar na com­pra do jo­ga­dor. Na ava­li­a­ção da DIS, ela de­ve­ria re­ce­ber 40% do di­nhei­ro que o clu­be ca­ta­lão ou qual­quer ou­tro gas­ta­ria no jo­ga­dor. Mas a em­pre­sa in­sis­te que ape­nas re­ce­beu 17,1 mi­lhões de eu­ros do Bar­ce­lo­na. As in­ves­ti­ga­ções aca­ba­ram re­ve­lan­do que o va­lor real pa­go por Ney­mar che­gou a 83 mi­lhões de eu­ros, mas 40 mi­lhões de eu­ros te­ri­am ido pa­ra Ney­mar por meio de “con­tra­tos si­mu­la­dos” por meio da em­pre­sa N&N, ge­ri­da por Ney­mar pai.

O MP es­pa­nhol ain­da quer que a fa­mí­lia de Ney­mar pa­gue mul­ta de 10 mi­lhões de eu­ros (apro­xi­ma­da­men­te R$ 40 mi­lhões), além de pe­dir de­ten­ção por cin­co anos do ex-pre­si­den­te do Bar­ça, San­dro Ro­sell, que era o man­da­tá­rio do clu­be es­pa­nhol quan­do Ney­mar dei­xou o San­tos.

A as­ses­so­ria de Ney­mar afir­ma que a tran­sa­ção da em­pre­sa com o clu­be foi efe­tu­a­da de for­ma le­gal, com o pa­ga­men­to de tri­bu­tos.

Ney­mar pai re­ba­teu a acu­sa­ção afir­man­do que es­se va­lor se re­fe­ria a “di­rei­to de pre­fe­rên­cia” e o filho te­ria pas­se li­vre do San­tos no ano se­guin­te, em 2014. As­sim, o di­rei­to de ne­go­ci­a­ção foi ven­di­do ao Bar­ce­lo­na pa­ra quan­do o ata­can­te fi­cas­se li­vre e ti­ves­se com os di­rei­tos em mãos. METRO

AITOR ALCADE/GETTY IMAGES

Ney­mar não se pro­nun­ci­ou pu­bli­ca­men­te so­bre o ca­so

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.