Dis­to­pia bra­si­lei­ra

Pro­ta­go­ni­za­do por João Mi­guel e Bi­an­ca Com­pa­ra­to, th­ril­ler pós-apo­ca­líp­ti­co ‘3%’ de­bu­ta co­mo pri­mei­ra sé­rie bra­si­lei­ra da Net­flix; pri­mei­ra tem­po­ra­da con­ta com oi­to epi­só­di­os fil­ma­dos em São Pau­lo

Metro Brazil (ABC) - - Cultura -

Em um fu­tu­ro não mui­to dis­tan­te, so­men­te al­guns po­de­rão des­fru­tar de uma so­ci­e­da­de pri­vi­le­gi­a­da, mes­mo que pa­ra is­so pre­ci­sem mos­trar o pi­or de si mes­mos. Es­se é o mo­te de “3%”, pri­mei­ra sé­rie bra­si­lei­ra da Net­flix que es­treia mun­di­al­men­te ho­je en­vol­ta em mui­ta ex­pec­ta­ti­va.

Di­ri­gi­da por Cé­sar Char­lo­ne, de “O Ba­nhei­ro do Pa­pa” e di­re­tor de fo­to­gra­fia de “Ci­da­de de Deus”, a pri­mei­ra tem­po­ra­da da tra­ma de fic­ção ci­en­tí­fi­ca es­tre­la­da por João Mi­guel e Bi­an­ca Com­pa­ra­to te­rá oi­to epi­só­di­os. No elen­co tam­bém es­tão os ato­res Ze­zé Mot­ta, Vi­vi­a­ne Porto, Ro­dol­fo Va­len­te, Va­ne­za Oli­vei­ra, Mi­chel Go­mes, Mel Fronc­kowi­ak e Ra­fa­el Lo­za­no.

Na tra­ma, o fu­tu­ro do Bra­sil é apre­sen­ta­do co­mo ame­dron­ta­dor, em que as ci­da­des não são na­da além de es­com­bros on­de as pes­so­as ten­tam so­bre­vi­ver. É o cha­ma­do Con­ti­nen­te. Pa­ra fu­gir dis­so, os jo­vens de 20 anos têm a opor­tu­ni­da­de de par­ti­ci­par do Pro­ces­so, uma se­le­ção pe­cu­li­ar que es­co­lhe ape­nas 3% de­les pa­ra vi­ver no Ma­ral­to, um lo­cal bo­ni­to, com tu­do em abun­dân­cia.

Ba­se­a­da no pi­lo­to cri­a­do pe­lo ro­tei­ris­ta Pe­dro Agui­le­ra que foi co­lo­ca­do na in­ter­net em 2011 e fez su­ces­so no You­Tu­be, a ideia da sé­rie é unir uma atmosfera dis­tó­pi­ca com a pres­são dos pro­ces­sos ju­ve­nis, co­mo o ves­ti­bu­lar. Tu­do is­so in­clu­so na já co­nhe­ci­da re­a­li­da­de bra­si­lei­ra da de­si­gual­da­de.

“O Bra­sil já é uma gran­de dis­to­pia, por is­so foi o ca­sa­men­to per­fei­to”, afir­mou Bi­an­ca Com­pa­ra­to du­ran­te en­tre­vis­ta co­le­ti­va so­bre a no­va apos­ta da Net­flix. “A di­fe­ren­ça é que a sé­rie fa­la da dis­to­pia com um te­or mais na­ci­o­nal, mais co­lo­ri­do, com a nos­sa ca­ra.”

In­tér­pre­te de Mi­che­le, uma das mais for­tes con­cor­ren­tes pa­ra vi­ver no Ma­ral­to, a atriz con­ta que fi­cou atraí­da pe­la his­tó­ria por con­ta da men­sa­gem que ela pas­sa, des­se 3% x 97%. “É uma ale­go­ria da re­a­li­da­de e ques­ti­o­na a me­ri­to­cra­cia. Mes­mo ago­ra, na nos­sa so­ci­e­da­de, vo­cê já é jul­ga­do o tem­po in­tei­ro pa­ra ser acei­to. A sé­rie cri­ti­ca is­so”, diz Com­pa­ra­to.

João Mi­guel, que vi­ve Eze­qui­el, o che­fe do Pro­ces­so, con­cor­da e diz que fi­cou in­te­res­sa­do na pro­du­ção por­que era di­fe­ren­te de tu­do o que fez na car­rei­ra. “Pro­cu­ro sem­pre per­so­na­gens que re­fli­tam a re­a­li­da­de e gos­to da­que­les que me de­sa­fi­am”, ex­pli­ca. “Eu fui cons­truin­do o Eze­qui­el du­ran­te a sé­rie, com sua for­ça e su­as fra­gi­li­da­des.”

Pa­ra o ator, um dos pon­tos al­tos da pro­du­ção é exa­ta­men­te as con­tra­di­ções dos per­so­na­gens, vin­dos de lu­ga­res di­fe­ren­tes, to­dos mul­ti­fa­ce­ta­dos, com ca­rac­te­rís­ti­cas po­si­ti­vas e ne­ga­ti­vas. METRO

| DI­VUL­GA­ÇÃO

Na tra­ma, jo­vens de 20 anos dis­pu­tam o cha­ma­do Pro­ces­so pa­ra ten­tar mu­dar de vi­da e sair da po­bre­za

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.