JEREMY REN­NER

Ator re­ve­la que se emo­ci­o­nou por par­ti­ci­par do sci-fi ‘A Che­ga­da’, que es­tre­ou on­tem

Metro Brazil (ABC) - - Cultura - GA­BRI­E­LA ACOSTA SIL­VA

Nos úl­ti­mos anos, a car­rei­ra do ator de 45 anos deu uma gui­na­da e ele se en­vol­veu com he­róis e vi­lões da Mar­vel, nas fran­qui­as “Os Vin­ga­do­res” e “Ca­pi­tão Amé­ri­ca”, e ou­tros block­bus­ters co­mo “O Le­ga­do Bour­ne” e “Mis­são Im­pos­sí­vel”. Ago­ra, ele ten­ta al­go no­vo e in­ter­pre­ta Ian Don­nelly, um fí­si­co teó­ri­co que ten­ta fa­zer con­ta­to com ex­tra­ter­res­tres. Pe­lo vis­to, o fil­me não tra­ta ape­nas de ETs... Quan­do li o ro­tei­ro, a úl­ti­ma coi­sa que pen­sei foi nos ali­e­ní­ge­nas. Qu­e­ro di­zer, es­sa par­te da his­tó­ria é óti­ma, mas quan­do vi a ver­são fi­nal fi­quei em si­lên­cio um tem­po por­que tu­do era uma gran­de re­fle­xão. Mas cla­ro, tem os efei­tos vi­su­ais, o som, os ETs e aque­le to­que do di­re­tor De­nis Vil­le­neu­ve, que é in­crí­vel. O que te to­cou na tra­ma? Vou ser ho­nes­to, cho­rei quan­do as­sis­ti e fi­quei mui­to gra­to por fa­zer par­te do pro­je­to. Eu nun­ca ti­nha fei­to um fil­me tão hu­ma­no, sim­ples, to­can­te e di­re­to. Acho que não há nin­guém co­mo De­nis pa­ra con­tar uma his­tó­ria des­sa ma­nei­ra ele­gan­te e sen­sí­vel. Vo­cê se ha­bi­tou a fa­zer pro­je­tos de su­ces­so? Acho que nun­ca pen­so nis­so. Eu sim­ples­men­te as­su­mo os ro­tei­ros que mo­vem meu co­ra­ção e ra­ra­men­te aque­les que mo­vem mi­nha car­tei­ra. Es­tou em um pon­to on­de pos­so es­co­lher meus pro­je­tos. Co­mo vo­cê se pre­pa­rou? Eu ti­ve que apren­der mui­to, da ma­te­má­ti­ca aos pro­gra­mas de com­pu­ta­dor. Li li­vros de qua­se du­as mil pá­gi­nas pa­ra en­ten­der os ter­mos ci­en­tí­fi­cos, mas Ian Don­nelly tam­bém é um per­so­na­gem que co­lo­ca um to­que de hu­mor na his­tó­ria, que eu ado­ra­va. Co­mo foi tra­ba­lhar com a Amy Adams? Acho que o pa­pel de Loui­se Banks foi per­fei­to por­que Amy ir­ra­dia se­re­ni­da­de, paz e gran­de po­der. Ela é a pro­ta­go­nis­ta e en­ten­dia seu po­der na his­tó­ria co­mo mãe, mu­lher e lí­der sem cair em es­te­reó­ti­pos fe­mi­nis­tas. Pen­san­do em vo­cê co­mo su­per-he­rói, co­mo re­sol­ve­ria os pro­ble­mas na tra­ma? No fil­me tu­do é re­fle­xo dos tem­pos em que vi­ve­mos. Gos­ta­ria de ter o po­der de mu­dar o mun­do com a lin­gua­gem, pois is­so é al­go que nos une, mas tam­bém nos di­vi­de.

GETTY IMAGES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.