Pre­ci­sa­mos fa­lar da Cha­pe­co­en­se

Após bo­as cam­pa­nhas no Bra­si­lei­rão, Ver­dão do Oes­te faz his­tó­ria ao che­gar na fi­nal da Co­pa Sul-Ame­ri­ca­na, sua pri­mei­ra de­ci­são in­ter­na­ci­o­nal

Metro Brazil (ABC) - - Esporte -

Fun­da­do em 1973, a As­so­ci­a­ção Cha­pe­co­en­se de Fu­te­bol co­me­çou a ga­nhar pro­je­ção na­ci­o­nal em 2014, quan­do pas­sou a par­ti­ci­par com bom des­ta­que da eli­te do fu­te­bol bra­si­lei­ro – In­ter­na­ci­o­nal e Pal­mei­ras, go­le­a­dos pe­lo ti­me ca­ta­ri­nen­se, que o di­gam.

O Ver­dão do Oes­te, que se ga­ba por nun­ca ter si­do re­bai­xa­do, es­tá ca­da vez mais fa­zen­do his­tó­ria e en­chen­do seu tor­ce­dor de or­gu­lho. A Cha­pe, co­mo foi ca­ri­nho­sa­men­te ape­li­da­da no res­tan­te do Bra­sil, ago­ra já co­me­çou a ul­tra­pas­sar fron­tei­ras.

Na úl­ti­ma quar­ta-fei­ra, o ti­me co­man­da­do por Caio Jú­ni­or con­se­guiu eli­mi­nar o San Lo­ren­zo – o ti­me do pa­pa – e se ga­ran­tiu na gran­de fi­nal da Co­pa Sul-Ame­ri­ca­na.

A no­tí­cia ruim é que, na de­ci­são, “O Bra­sil abra­çou a Cha­pe­co­en­se. É um ti­me sim­pá­ti­co, é o se­gun­do ti­me de vá­ri­os tor­ce­do­res. Re­ce­be­mos men­sa­gens do Bra­sil in­tei­ro nos pa­ra­be­ni­zan­do” não po­de­rá jo­gar no seu es­tá­rio, a Are­na Con­dá, que não tem a ca­pa­ci­da­de mí­ni­ma pa­ra 40 mil tor­ce­do­res, que é uma exi­gên­cia da Con­men­bol.

De acor­do com o pre­si­den­te San­dro Pallaoro, o clu­be re­ce­beu ofer­ta de qu­a­tro es­tá­di­os. A fe­de­ra­ção gaú­cha co­lo­cou à dis­po­si­ção tan­to a Are­na Grê­mio qu­an­to o Bei­ra-Rio. O Atlé­ti­co-PR ofe­re­ceu a Are­na da Bai­xa­da, en­quan­to o Co­ri­ti­ba abriu as por­tas do Cou­to Pe­rei­ra.

Tu­do is­so, so­ma­do a men­sa­gens de apoio de vá­ri­as par­tes do país, já faz com que a Cha­pe­co­en­se se co­lo­que en­tre os pos­tu­lan­tes de no­va que­ri­di­nho. “O Bra­sil abra­çou a Cha­pe­co­en­se”, de­cla­rou Pallaoro.

Téc­ni­co do clu­be des­de ju­nho, Caio Jú­ni­or é ou­tro que vol­tou aos ho­lo­fo­tes de­pois de pas­sar os úl­ti­mos anos sem tra­ba­lhos de des­ta­que. O co­man­dan­te se diz im­pres­si­o­na­do e não pou­pa elo­gi­os ao ti­me que po­de lhe ren­der o ca­ne­co da Sul-Ame­ri­ca­na: “Ca­da vez eu me sur­pre­en­do mais com o que ve­jo aqui. Com se­ri­e­da­de e ho­nes­ti­da­de che­gam ou­tras co­si­as, vo­cê so­ma tu­do e fi­ca ca­da vez mais for­te. E es­se é o segredo da Cha­pe­co­en­se.” METRO

SAN­DRO PALLAORO, PRE­SI­DEN­TE DA CHA­PE­CO­EN­SE

OLI­VEI­RA/FRA­MEPHO­TO/FO­LHA­PRESS ERWIN

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.