E o PRÊ­MIO vai pa­ra o SO­NHO

Ilus­tra­ção. Ro­gé­rio Coelho fa­tu­ra seu se­gun­do Ja­bu­ti com ‘O Bar­co dos So­nhos’ e con­ta ao Metro Jor­nal as his­tó­ri­as por trás da obra

Metro Brazil (ABC) - - Cultura - METRO CU­RI­TI­BA

O prin­ci­pal prê­mio da pro­du­ção li­te­rá­ria bra­si­lei­ra, o Ja­bu­ti, con­sa­grou nes­ta 58º edi­ção o pau­lis­ta ra­di­ca­do em Cu­ri­ti­ba Ro­gé­rio Coelho. Ele é res­pon­sá­vel pe­lo li­vro “O Bar­co dos So­nhos”, que le­vou a ca­te­go­ria Ilus­tra­ção de Li­vro In­fan­til. Na obra, a re­la­ção en­tre um ido­so e uma cri­an­ça ga­nha nu­an­ces de so­nho, fan­ta­sia e um bo­ca­do de mis­té­rio. “Não é uma nar­ra­ti­va tão pri­má­ria. Eu gos­to de pen­sar que o li­vro de ima­gens pro­põe de­sa­fi­os pa­ra o lei­tor”, dis­se Coelho em en­tre­vis­ta ao Metro Jor­nal.

Di­re­ci­o­na­do pa­ra cri­an­ças, mas nem um pou­co in­fan­ti­li­za­do, “O Bar­co dos So­nhos” é um pri­mor de lin­gua­gem vi­su­al. As 84 pá­gi­nas da obra são re­ple­tas de ilus­tra­ções apu­ra­das, imer­sas em de­ta­lhes e emo­ção, que cer­ta­men­te de­vem in­te­res­sar o pú­bli­co jo­vem e adul­to apai­xo­na­do pe­lo uni­ver­so do de­se­nho.

“Pa­ra cri­an­ças me­no­res de 10 anos, acre­di­to que se­ja bom ter uma tu­to­ria pa­ra aces­sar o li­vro, pa­ra que ele pos­sa ser usa­do de ma­nei­ra com­ple­ta. Aci­ma dis­to, já é tran­qui­lo”, in­di­cou o au­tor.

Pa­ra ele, a lin­gua­gem de obras co­mo ‘O Bar­co dos So­nhos’ é uma óti­ma par­cei­ra da edu­ca­ção in­fan­til. “Eu acre­di­to que o li­vro de ima­gens, por não en­tre­gar uma his­tó­ria pron­ta, aju­da no de­sen­vol­vi­men­to do dis­cur­so nar­ra­ti­vo, da cri­a­ção a par­tir do que vo­cê vê”, co­men­tou Ro­gé­rio Coelho.

Cres­ci­men­to

A no­ção cul­ti­va­da pe­lo ilus­tra­dor de 41 anos po­de ser as­so­ci­a­da ao iní­cio de sua car­rei­ra, quan­do ilus­tra­va li­vros di­dá­ti­cos na Editora Po­si­ti­vo, res­pon­sá­vel tam­bém pe­la pu­bli­ca­ção de “O Bar­co dos So­nhos”.

De­se­nhis­ta des­de cri­an­ça, épo­ca em que co­me­çou a des­co­brir a li­te­ra­tu­ra e o uni­ver­so das ilus­tra­ções, Coelho pas­sou a en­ca­rar o de­se­nho co­mo tra­ba­lho em 97. “De­pois de um tem­po ilus­tran­do li­vros di­dá­ti­cos, co­me­çou a tran­si­ção pa­ra a li­te­ra­tu­ra, is­to já em 2002”, lem­brou.

No ano se­guin­te, vol­tou à ci­da­de na­tal, São Pau­lo, e co­me­çou a tra­ba­lhar co­mo fre­e­lan­cer. “Já fiz ilus­tra­ções pa­ra obras de es­cri­to­res co­mo Luís Fer­nan­do Ve­rís­si­mo, Ruth Ro­cha, Fer­rei­ra Gu­lar”, con­tou Coelho, ci­tan­do exem­plos de uma lis­ta ex­ten­sa e com no­mes de pe­so da li­te­ra­tu­ra bra­si­lei­ra.

A ideia de fa­zer li­vro au­to­ral, so­men­te de de­se­nhos, sur­giu em 2008, com a obra ‘O ga­to e as ár­vo­res’. De­pois veio a par­ti­ci­pa­ção nu­ma co­le­tâ­nea di­dá­ti­ca, com ou­tros três au­to­res, que ren­deu o pri­mei­ro Ja­bu­ti de Coelho.

“Foi mais ou me­nos nes­ta épo­ca que a ideia de ‘O Bar­co’ sur­giu pa­ra mim. Foi du­ran­te uma vi­a­gem de fa­mí­lia a São Fran­cis­co do Sul. Era in­ver­no, o tem­po na praia es­ta­va fe­cha­do e meus fi­lhos es­ta­vam brin­can­do na areia”, re­lem­brou Coelho.

A ce­na me­xeu com o ilus­tra­dor e ge­rou re­fle­xões so­bre a vi­da. A fi­gu­ra do ve­lho já apa­re­ceu pa­ra o ar­tis­ta lo­go na oca­sião. A par­tir da­que­le ano, tan­to as per­so­na­gens co­mo a téc­ni­ca de de­se­nho fo­ram to­man­do for­mas ma­du­ras no tra­ço de Coelho.

“Na­que­la épo­ca eu não ti­nha nem mes­mo con­di­ção téc­ni­ca pa­ra co­lo­car no pa­pel aqui­lo que es­ta­va ima­gi­nan­do. Já em 2014 es­ta­va pre­pa­ra­do e me de­di­quei a ter­mi­nar o li­vro”, con­tou. Pro­je­tos Da­qui pa­ra a fren­te, o fu­tu­ro é ain­da mais cheio de pro­je­tos. Além de lan­çar “O Bar­co dos So­nhos” nos EUA, em ja­nei­ro, o pró­xi­mo ano guar­da no­vas par­ce­ri­as li­te­rá­ri­as e obras pró­pri­as. “Es­tou tra­ba­lhan­do nis­to”, adi­an­tou o ar­tis­ta.

RO­GÉ­RIO COELHO

O li­vro tam­bém re­ce­beu o tro­féu HQMIX 2016 pa­ra de­se­nhis­ta na­ci­o­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.