ZUMBIS

Metro Brazil (ABC) - - Foco - JOSÉ LUIZ DATENA JOSE.DATENA @ME­TRO­JOR­NAL.COM.BR

Mar­gi­nal Pi­nhei­ros. Ve­lo­ci­da­de re­du­zi­da da in­dús­tria da mul­ta, aliás, por vol­ta de trin­ta quilô­me­tros por ho­ra, mais ou me­nos co­mo o rit­mo de obras pro­me­ti­das e não cum­pri­das pe­la pre­fei­tu­ra. Sus­to to­tal de con­ge­lar os os­sos, pas­san­do en­tre car­ros e mo­tos, uma figura fan­tas­ma­gó­ri­ca, olhos ar­re­ga­la­dos, ros­to con­ge­la­do en­tre me­do e ex­tre­mo pâ­ni­co, um zum­bi fu­gi­do das te­las de ci­ne­ma, co­ber­to por um co­ber­tor sur­ra­do so­bre om­bros esquá­li­dos, ma­gros de fo­me.

Mes­mo qua­se pa­ra­dos, os car­ros e mo­tos que pas­sa­vam por ali po­de­ri­am ter da­do fim na­que­la tris­te al­ma. On­de es­ta­va a fis­ca­li­za­ção que su­miu das mar­gi­nais dan­do lu­gar a ra­da­res que ao con­trá­rio do pre­ga­do pe­la ad­mi­nis­tra­ção não im­pe­dem es­tes sui­ci­das de en­con­trar a mor­te?

Mas não é es­te o te­ma de ho­je. Qu­em se­ria aque­le po­bre coi­ta­do? Com cer­te­za, um dos mi­lhões de de­sem­pre­ga­dos jo­ga­dos nas ru­as des­te país. Qua­se 12 mi­lhões sem tra­ba­lho. Mais que a po­pu­la­ção da Bél­gi­ca, que tem em Bru­xe­las na­da me­nos que a ca­pi­tal da co­mu­ni­da­de eu­ro­peia e na sua his­tó­ria o cam­po sa­gra­do de Wa­ter­loo, on­de em 1815 os in­gle­ses pa­ra­ram o de­vas­ta­dor exér­ci­to de Na­po­leão e mu­da­ram a his­tó­ria do mun­do. Pois o nos­so exér­ci­to de de­sem­pre­ga­dos jo­ga a nos­sa his­tó­ria nu­ma va­la co­mum da in­jus­ti­ça hu­ma­na, que co­lo­ca o Brasil en­tre as pi­o­res dis­tri­bui­ções de ren­da do pla­ne­ta. Pou­cos ri­cos e mui­tos po­bres, que é igual a mi­sé­ria.

Mui­tos só tem mes­mo a rou­pa do cor­po. Os res­pon­sá­veis por is­to já es­tão in­do pa­ra trás das gra­des. Não são os úni­cos. Um Es­ta­do in­cha­do de dí­vi­das pú­bli­cas pe­de re­for­mas mais que ur­gen­tes e co­ra­gem que fal­ta a nos­sos re­pre­sen­ta no par­la­men­to. O po­vo tem que ter aces­so a um sis­te­ma pú­bli­co de saú­de e não mor­rer em fi­las ou ma­cas em cor­re­do­res de hos­pi­tais. Nos­sos me­ni­nos e me­ni­nas têm di­rei­to sa­gra­do de apren­der em lo­cais que não se­jam po­cil­gas, com fal­ta de ma­te­ri­al, pro­fes­so­res mal pa­gos, trá­fi­co de dro­gas e coi­sas do gê­ne­ro, on­de até na me­ren­da tem va­ga­bun­do me­ten­do a mão. Sem fa­lar da se­gu­ran­ça pú­bli­ca.

Ago­ra sain­do de ca­sa, com cer­te­za, se acre­di­ta em Deus, já pe­diu pe­la sua vi­da e dos seus. Se não acre­di­ta já to­mou as pro­vi­dên­ci­as pa­ra evi­tar o en­con­tro com a mor­te. Sai de ca­sa co­mo can­di­da­to a ví­ti­ma e vol­ta co­mo so­bre­vi­ven­te nes­ta chu­va de ba­las de gros­so ca­li­bre que inun­da nos­sas ru­as com san­gue de gen­te ino­cen­te. En­fim ho­je vi­ve­mos a era do me­do, de tu­do, até de um dia va­gar por aí com o olhar per­di­do sem ter pa­ra on­de ir. Ser mais um zum­bi na mul­ti­dão.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.