O pre­con­cei­to em ‘Tin­tim’

Glo­bo Li­vros lan­ça qua­dri­nhos ori­gi­nais do re­pór­ter bel­ga no Brasil – e fal­ta não só cor, co­mo ta­to às pu­bli­ca­ções

Metro Brazil (ABC) - - Cultura - BRU­NO BUCIS

Tin­tim foi cri­a­do pa­ra cri­an­ças, mas ho­je em dia é me­lhor dei­xar as pri­mei­ras aven­tu­ras do re­pór­ter lon­ge de­las. Su­as pri­mei­ras his­tó­ri­as, pu­bli­ca­das en­tre 1930 e 1932 pe­lo bel­ga Her­gé se des­ta­cam não só por se­rem em pre­to e bran­co – o que des­toa do for­te co­lo­ri­do que elas ga­nha­ri­am nas dé­ca­das se­guin­tes –, mas tam­bém por se­rem uma sín­te­se da pre­con­cei­tu­o­sa vi­são da Eu­ro­pa co­lo­ni­a­lis­ta.

Ins­pi­ra­da em edições in­ter­na­ci­o­nais, as his­tó­ri­as fo­ram reu­ni­das em três li­vros – ‘Tin­tim no Con­go’ (1931), ‘Tin­tim na Amé­ri­ca’ (1931) e ‘Os cha­ru­tos do fa­raó’ (1932) – e já fo­ram pu­bli­ca­das no Brasil an­te­ri­or­men­te em sua ver­são re­vis­ta dos anos 1950.

Ago­ra, po­rém, pe­la pri­mei­ra vez elas che­gam ao Brasil em seu for­ma­to ori­gi­nal, sem co­res, e em lu­xu­o­sa edi­ção com ca­pa du­ra. Pu­bli­ca­das por Her­gé em edições se­ma­nais, elas mos­tram em seu ori­gi­nal a cru­e­za por trás de mui­tas das si­tu­a­ções “cô­mi­cas” dos qua­dri­nhos. Pas­sa­gens po­lê­mi­cas Em sua vi­a­gem ao Con­go, por exem­plo, Tin­tim der­ru­ba por aci­den­te um trem de pas­sa­gei­ros. Sua so­lu­ção é man­dar os ne­gros na­ti­vos le­van­ta­rem a lo­co­mo­ti­va e jus­ti­fi­ca que, sem seus gri­tos, eles fi­cam pre­gui­ço­sos. Em ou­tro mo­men­to, ele ati­ra em uma fa­mí­lia in­tei­ra de an­tí­lo­pes pa­ra fa­zer seu jan­tar. Na vi­a­gem aos Es­ta­dos Uni­dos, Tin­tim tra­ta tan­to os chi­ne­ses que mo­ram em Chi­ca­go quan­to os in­dí­ge­nas ame­ri­ca­nos co­mo ban­di­dos e in­fe­ri­o­res.

In­fe­liz­men­te, o po­si­ci­o­na­men­to crí­ti­co fi­ca pra­ti­ca­men­te só a car­go do lei­tor. A edi­ção in­se­re uma no­ta de ro­da­pé no fim dos li­vros co­men­tan­do a pos­tu­ra de Tin­tim em ape­nas dois pa­rá­gra­fos e sem des­ta­que. Do pon­to de vis­ta da im­por­tân­cia his­tó­ri­ca, po­rém, o tra­du­tor Éri­co As­sis faz um óti­mo tra­ba­lho, tra­du­zin­do com boa fi­de­li­da­de até o vo­ca­bu­lá­rio po­bre que Her­gé usou em seus tex­tos ori­gi­nais pa­ra re­tra­tar os na­ti­vos dos três li­vros.

A nar­ra­ti­va me­nos pre­con­cei­tu­o­sa é a do mis­té­rio do de­sa­pa­re­ci­men­to de pes­qui­sa­do­res em uma tum­ba fa­raô­ni­ca per­di­da do Egi­to. Não é só por is­so, to­da­via, que ‘Ci­gar­ros do Fa­raó’ é o me­lhor li­vro des­ta co­le­ção, mas es­sa nar­ra­ti­va tam­bém é a mais co­e­sa. O li­vro con­se­gue li­gar me­lhor os pe­que­nos epi­só­di­os pe­los quais o re­pór­ter pas­sa em uma his­tó­ria úni­ca.

Abs­traí­da es­sa ques­tão po­lí­ti­ca, a edi­ção das três obras é en­can­ta­do­ra. Os li­vros têm um aca­ba­men­to mui­to ele­gan­te e são al­ta­men­te re­co­men­da­dos a co­le­ci­o­na­do­res de qua­dri­nhos clás­si­cos, in­clu­si­ve por seu pre­ço – R$ 59,90 ca­da, va­lor abai­xo do que é co­bra­do em edições es­pe­ci­ais co­mo a dos três li­vros re­cém edi­ta­dos.

Além des­tes, ou­tros seis li­vros de Tin­tim fo­ram ori­gi­nal­men­te pu­bli­ca­dos em pre­to e bran­co, in­cluin­do a pri­mei­rís­si­ma his­tó­ria do re­pór­ter, ‘Tin­tim no País dos So­vi­e­tes’ (1930) e in­do até as his­tó­ri­as de 1950. Ne­nhu­ma des­sas, po­rém, tem pre­vi­são de pu­bli­ca­ção pró­xi­ma.

| RE­PRO­DU­ÇÃO

Pa­ra pren­der Al Ca­po­ne, Tin­tim faz um es­tar­da­lha­ço nos EUA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.