Cha­pe­co­en­se per­deu pre­si­den­te, téc­ni­co Caio Jú­ni­or e mais 40

Metro Brazil (ABC) - - Esporte -

A fa­mí­lia da Cha­pe­con­se, co­mo era co­nhe­ci­da, per­deu 42 in­te­gran­tes na que­da do avião bo­li­vi­a­no. Além de 19 jo­ga­do­res, to­da a co­mis­são téc­ni­ca de Caio Jú­ni­or e vá­ri­os mem­bros da di­re­to­ria es­ta­vam no voo, in­cluin­do o pre­si­den­te San­dro Pal­la­o­ro. Tam­bém mor­re­ram um em­pre­sá­rio que vi­a­jou a con­vi­te da de­le­ga­ção e Del­fim Pá­dua Pei­xo­to Fi­lho, pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção Ca­ta­ri­nen­se de Fu­te­bol.

Des­de 25 de ju­nho, a Cha­pe era co­man­da­da por Caio Jú­ni­or ou Luiz Car­los Sa­ro­li. Aos 51 anos, o ex-jo­ga­dor e trei­na­dor na­tu­ral de Cas­ca­vel-PR, vi­via seu au­ge. Além do tí­tu­lo da Sul-Ame­ri­ca­na, o trei­na­dor po­de­ria le­var o ti­me ca­ta­ri­nen­se pe­la pri­mei­ra vez à Li­ber­ta­do­res, exa­tos dez anos de­pois de con­se­guir a mes­ma fa­ça­nha com o Pa­ra­ná Clu­be – via Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro de 2006.

A his­tó­ria de Caio com a Cha­pe co­me­çou ain­da em 2014, quan­do Pal­la­o­ro con­vi­dou o téc­ni­co para as­su­mir a equi­pe du­ran­te um jo­go be­ne­fi­cen­te da Apae (As­so­ci­a­ção de Pais e Ami­gos dos Ex­cep­ci­o­nais) em Pa­to Bran­co-PR. Caio es­ta­va no Al-Sha­bab, dos Emi­ra­dos Ára­bes Uni­dos, clu­be que dei­xou no 1º se­mes­tre des­te ano.

Li­vre, um no­vo con­vi­te por Pal­la­o­ro foi fei­to e em ju­nho ele as­su­miu o co­man­do da Cha­pe. Com a bri­lhan­te cam­pa­nha na Sul-Ame­ri­ca­na, o trei­na­dor não es­con­dia que vi­via seu mo­men­to pro­fis­si­o­nal mais fe­liz. “Ele es­ta­va mui­to mais ex­pe­ri­en­te de­pois dos tí­tu­los no mun­do ára­be. Era o au­ge téc­ni­co de­le, sabia anu­lar os ad­ver­sá­ri­os”, dis­se o as­ses­sor e ami­go de Caio, Adri­a­no Ratt­mann, que co­me­çou a re­la­ção pro­fis­si­o­nal quan­do o téc­ni­co es­ta­va no Ci­a­nor­te, em 2005. Na­que­le ano, o ti­me do no­ro­es­te pa­ra­na­en­se che­gou a apli­car um 3 a 0 no Co­rinthi­ans de Te­vez pe­la Co­pa do Bra­sil.

“Ele sem­pre fa­la­va da at­mos­fe­ra di­fe­ren­te, da sin­to­na en­tre tor­ci­da, di­re­to­ria, fun­ci­o­ná­ri­os e ti­me”, con­tou Ratt­mann. Caio che­gou a di­zer que “mor­re­ria fe­liz” após a clas­si­fi­ca­ção so­bre o San Lo­ren­zo-ARG. O fi­lho mais ve­lho do trei­na­dor (são dois), Matheus Sa­lo­ri não vi­a­jou por­que ha­via es­que­ci­do o pas­sa­por­te.

Dos 19 atle­tas mor­tos, es­ta­vam o go­lei­ro Da­ni­lo, he­rói da clas­si­fi­ca­ção à fi­nal, e o meia Cleber San­ta­na, jo­ga­dor mais ro­da­do do elen­co. Ou­tra ví­ti­ma, o ata­can­te Thi­a­gui­nho, 22, fi­cou sa­ben­do na se­ma­na pas­sa­da que se­ria pai pe­la pri­mei­ra vez por meio de uma sur­pre­sa fei­ta pe­los com­pa­nhei­ros (ve­ja lis­ta com­ple­ta das ví­ti­mas aci­ma). ME­TRO CU­RI­TI­BA

| REPRODUÇÃO

De­le­ga­ção mi­nu­tos an­tes da de­co­la­gem para Me­del­lín

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.