Lá­gri­mas em Cha­pe­có

Tor­ce­do­res e fa­mi­li­a­res dos jo­ga­do­res se reu­ni­ram no es­tá­dio para pres­tar ho­me­na­gens: ‘É cam­peão’

Metro Brazil (ABC) - - Esporte -

Há uma se­ma­na, a tor­ci­da da Cha­pe lo­ta­va a Are­na Con­dá para pre­sen­ci­ar o mai­or triun­fo da his­tó­ria do clu­be: a con­quis­ta da va­ga à fi­nal da Co­pa Sul-Ame­ri­ca­na, após um he­roi­co em­pa­te sem gols di­an­te do San Lo­ren­zo. Lá, eles vi­ram Da­ni­lo, a len­dá­ria mu­ra­lha ver­de, de­fen­der mi­la­gro­sa­men­te – no úl­ti­mo mi­nu­to de jo­go – um chu­te ras­tei­ro do ata­can­te ar­gen­ti­no Ni­co­lás Blan­di, que es­ta­va li­vre na pe­que­na área, evi­tan­do o gol que co­lo­ca­ria os her­ma­nos na de­ci­são. Po­rém, os gri­tos de ale­gria fo­ram subs­ti­tuí­dos por lá­gri­mas. Os cân­ti­cos de­ram lu­gar às ora­ções. Em busca de um re­fú­gio, tor­ce­do­res e fa­mi­li­a­res das ví­ti­mas es­co­lhe­ram o pal­co das re­cen­tes gló­ri­as da Cha­pe­co­en­se para ex­pres­sar sua dor.

Eles se reu­ni­ram, den­tro e nos ar­re­do­res da Are­na Con­dá, para pres­tar ho­me­na­gens, aguar­dar in­for­ma­ções e tor­cer – des­ta vez, não por um gol do seu ti­me do co­ra­ção, mas pe­la vi­da dos seus ído­los. Fo­ra do es­tá­dio, ora­vam de mãos da­das, à es­pe­ra das do­lo­ro­sas no­tí­ci­as. Nas ar­qui­ban­ca­das – co­mo se aguar­das­sem por uma par­ti­da que não vai mais acon­te­cer –, can­ta­vam os de ca­da um dos jo­ga­do­res e gri­ta­vam “É cam­peão”, em re­fe­rên­cia ao fei­to al­can­ça­do pe­lo ti­me.

Por ho­ras, os tor­ce­do­res – jo­vens, em sua mai­o­ria, co­mo a pró­pria his­tó­ria do ti­me – la­men­ta­ram o des­ti­no de seus ído­los, mas tam­bém lem­bra­ram, con­ver­san­do en­tre si, das con­quis­tas pro­por­ci­o­na­das por aque­les que se fo­ram.

A mor­te mais sen­ti­da pe­los pre­sen­tes no lo­cal foi a do go­lei­ro Da­ni­lo – o he­rói da ba­ta­lha con­tra o San Lo­ren­zo e mai­or ído­lo da tor­ci­da. Ele foi resgatado com vi­da, mas não re­sis­tiu aos fe­ri­men­tos e mor­reu no hos­pi­tal. Sua mor­te foi con­fir­ma­da pe­la ma­nhã, quan­do qua­se 2 mil tor­ce­do­res já es­ta­vam na are­na.

As de­pen­dên­ci­as in­ter­nas do es­tá­dio fo­ram aber­tas para aco­mo­dar os pa­ren­tes das ví­ti­mas do aci­den­te. No pá­tio, um me­mo­ri­al im­pro­vi­sa­do re­ce­beu cen­te­nas de flo­res e men­sa­gens. Em sua fren­te, mui­tos se ajo­e­lha­ram para, si­len­ci­o­sa­men­te, di­zer adeus. No fim do dia, mi­lha­res de pes­so­as se reu­ni­ram em fren­te à ca­te­dral de Cha­pe­có. Lu­to Na ci­da­de, lo­ca­li­za­da a 552 quilô­me­tros de Flo­ri­a­nó­po­lis, que fi­ca na di­vi­sa com o Rio Gran­de do Sul, ban­dei­ras da Cha­pe­co­en­se e sím­bo­los de lu­to to­ma­ram con­ta de ca­sas e pré­di­os. A pre­fei­tu­ra da ci­da­de de 209 mil ha­bi­tan­tes de­cre­tou lu­to ofi­ci­al por 30 dias. En­tre on­tem e ho­je, as au­las da re­de mu­ni­ci­pal fo­ram sus­pen­sas e o tra­ba­lho em re­par­ti­ções pú­bli­cas, fa­cul­ta­ti­vo. To­dos os even­tos fes­ti­vos pú­bli­cos re­la­ci­o­na­dos ao Na­tal e ao Ano No­vo fo­ram can­ce­la­dos.

Já o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer de­cre­tou lu­to na­ci­o­nal de três dias. Em no­ta, ele la­men­tou a tra­gé­dia e ofe­re­ceu as­sis­tên­cia aos fa­mi­li­a­res das ví­ti­mas. ME­TRO POA

| CACIANO PALUDO/MAFALDA PRESS/FO­LHA­PRESS

Mi­lha­res de tor­ce­do­res fo­ram à Are­na Con­dá após a in­for­ma­ção do aci­den­te

| MAR­CE­LO D. SANTS/FRAMEPHOTO/FO­LHA­PRESS

Tor­ci­da com­pa­re­ceu em pe­so na Are­na Con­dá para ho­me­na­ge­ar a equi­pe

| PAU­LO WHITAKER/REUTERS

Jo­ga­dor do sub-15, on­tem, no ves­tiá­rio da Cha­pe

| PAU­LO WHITAKER/REUTERS

Tor­ce­dor mi­rim vai às lá­gri­mas no cam­po

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.