Eco­no­mia tem sé­ti­mo tri­mes­tre se­gui­do de que­da

Que­da de 0,8% no ter­cei­ro tri­mes­tre co­lo­ca em ris­co re­cu­pe­ra­ção es­pe­ra­da pa­ra 2017. In­ves­ti­men­tos des­pen­cam 3,1%

Metro Brazil (ABC) - - Economia -

A eco­no­mia bra­si­lei­ra en­co­lheu 0,8% no tri­mes­tre pas­sa­do so­bre os três me­ses an­te­ri­o­res, mar­can­do o sé­ti­mo tri­mes­tre se­gui­do de con­tra­ção. So­bre o igual pe­río­do de 2015, o PIB des­pen­cou 2,9%.

O tom­bo anu­al co­lo­ca o Bra­sil na lan­ter­na do ran­king mun­di­al com 40 paí­ses que re­pre­sen­tam 83% do PIB mun­di­al. Se­gun­do o le­van­ta­men­to da Aus­tin Ra­ting, a Ín­dia foi o país com o me­lhor de­sem­pe­nho (al­ta de 7,3%), se­gui­da por Filipinas (7,1%) e Chi­na (6,7%).

Os des­ta­ques da eco­no­mia bra­si­lei­ra fo­ram as que­das dos in­ves­ti­men­tos e con­su­mo, qua­dro que di­fi­cul­ta ain­da mais a re­cu­pe­ra­ção da ati­vi­da­de es­pe­ra­da pa­ra 2017. No ano, o tom­bo do PIB che­ga a 4%, se­gun­do o IBGE (Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca).

No pe­río­do de ju­lho a se­tem­bro, os in­ves­ti­men­tos vol­ta­ram a des­pen­car, com uma que­da de 3,1%, a mais acen­tu­a­da des­de o úl­ti­mo tri­mes­tre de 2015 (-4,4 %).

Pa­ra Alexandre Es­pi­ri­to San­to, eco­no­mis­ta da Óra­ma In­ves­ti­men­tos, o re­tor­no ao cres­ci­men­to tor­na-se ain­da mais de­sa­fi­a­dor, pois os em­pre­sá­ri­os es­tão re­ti­cen­tes e vêm adi­an­do os in­ves­ti­men­tos. “Pre­ci­sa­mos, ur­gen­te­men­te, das re­for­mas, que es­ta­bi­li­zem nos­sa si­tu­a­ção fis­cal e per­mi­tam que­das mais sig­ni­fi­ca­ti­vas da ta­xa de ju­ros. Sem es­sas, a re­cu­pe­ra­ção se­rá mui­to mais len­ta e co­me­di­da e se­rá adi­a­da pa­ra me­a­dos de 2017”, afir­ma.

Em meio ao au­men­to do de­sem­pre­go e que­da da con­fi­an­ça, o con­su­mo das fa­mí­li­as caiu 0,6% no ter­cei­ro tri­mes­tre so­bre o an­te­ri­or. Os ser­vi­ços, por sua vez, re­cu­a­ram 0,6% no pe­río­do, tam­bém a sé­ti­ma re­tra­ção se­gui­da.

Di­an­te des­se ce­ná­rio, o Bra­des­co pi­o­rou as pro­je­ções pa­ra o PIB pa­ra este ano, que pas­sou de que­da de 3,4% pa­ra de­clí­nio de 3,6%. Já a pre­vi­são de cres­ci­men­to em 2017 foi re­du­zi­da de 1% pa­ra 0,3%.

Se­gun­do o Mi­nis­té­rio da Fa­zen­da, a prin­ci­pal ra­zão pa­ra o re­sul­ta­do do PIB foi o ele­va­do ní­vel de en­di­vi­da­men­to das em­pre­sas, que re­fle­tiu na que­da do in­ves­ti­men­to. “Es­se qua­dro de­cor­reu de con­di­ções an­te­ri­o­res ao es­ta­be­le­ci­men­to da no­va agen­da econô­mi­ca do go­ver­no, que se mos­tra­ram mais gra­ves do que ini­ci­al­men­te per­ce­bi­das”, diz. O go­ver­no man­te­ve as pro­je­ções pa­ra 2016 e 2017. A pre­vi­são é de re­tra­ção de 3,5% pa­ra 2016 e cres­ci­men­to de 1% pa­ra 2017. ME­TRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.