En­tre­vis­ta

Metro Brazil (ABC) - - Comportamento -

Qual é a his­tó­ria por trás da sé­rie “Ta­tu­a­gens”? Já ti­nha fei­to um tra­ba­lho si­mi­lar, mas sen­ti que não ti­nha si­do su­fi­ci­en­te­men­te bom. De­ci­di, en­tão, tra­ba­lhar nes­se no­vo pro­je­to cen­tra­do em ta­tu­a­gens fa­ci­ais. Foi aí que co­me­cei mi­nha vi­a­gem em bus­ca des­ses per­so­na­gens in­crí­veis. Qual o in­tui­to do pro­je­to? Eu quis re­pre­sen­tar os ta­tu­a­dos de uma ma­nei­ra jus­ta e apa­gar a ima­gem ne­ga­ti­va que ob­ser­va­mos cons­tan­te­men­te na mí­dia. Meus re­tra­tos mos­tram as pes­so­as co­mo fi­gu­ras pro­fis­si­o­nais bem-su­ce­di­das. Eu tra­ba­lho bas­tan­te com a luz, o mo­do co­mo ilu­mi­no os meus per­so­na­gens faz re­fe­rên­cia às pin­tu­ras de Rem­brandt, is­so dá uma co­no­ta­ção de “clas­se ele­va­da” aos ta­tu­a­dos. Es­se era um dos ob­je­ti­vos prin­ci­pais das fotos. Quais fo­ram su­as mai­o­res di­fi­cul­da­des? En­con­trar as pes­so­as foi a par­te mais di­fí­cil. Não exis­tem tan­tas pes­so­as com ta­tu­a­gens no ros­to, são ra­ras. Co­mo po­de­mos aca­bar com os es­te­reó­ti­pos ne­ga­ti­vos as­so­ci­a­dos às ta­tu­a­gens? As pes­so­as pre­ci­sam se acos­tu­mar à ima­gem dos ta­tu­a­dos e se dar con­ta de que is­so não é na­da de ou­tro mun­do, é ar­te. A ver­da­de é que um de­se­nho na pe­le não te mu­da co­mo pes­soa.

Mark Leaver

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.