Sto. An­dré e São Ber­nar­do es­tão en­tre mais po­pu­lo­sas

Es­ti­ma­ti­va do IBGE di­vul­ga­da on­tem mos­tra as du­as ci­da­des da re­gião no top 10 dos mu­ni­cí­pi­os com mais ha­bi­tan­tes quan­do a com­pa­ra­ção ex­clui as ca­pi­tais. Po­pu­la­ção an­dre­en­se é a que me­nos cres­ceu em re­la­ção ao ano pas­sa­do

Metro Brazil (ABC) - - Front Page -

São Ber­nar­do e San­to An­dré es­tão en­tre os 10 mu­ni­cí­pi­os mais po­pu­lo­sos do país, quan­do se ex­clui as ca­pi­tais. As ci­da­des têm, res­pec­ti­va­men­te, es­ti­ma­ti­va de 827.437 e 715.231 ha­bi­tan­tes, au­men­to de 0,63% e 0,35% na com­pa­ra­ção com o ano pas­sa­do. No Bra­sil to­do, so­mos 207,7 mi­lhões, cres­ci­men­to de 0,77% de um ano a ou­tro. Os da­dos es­tão atu­a­li­za­dos até o úl­ti­mo dia 1º de ju­lho e fo­ram di­vul­ga­dos on­tem pe­lo IBGE (Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca).

As se­te ci­da­des da re­gião ti­ve­ram cres­ci­men­to po­pu­la­ci­o­nal, o que fez o ABC pas­sar de 2.736.406 pa­ra 2.753.683 mo­ra­do­res no de­cor­rer dos úl­ti­mos 12 me­ses, ga­nhan­do 16.723 no­vos ha­bi­tan­tes. Com o au­men­to de 0,35%, San­to An­dré foi o mu­ni­cí­pio que me­nos cres­ceu.

O di­re­tor do Ins­ti­tu­to de Pes­qui­sa da USCS (Uni­ver­si­da­de Mu­ni­ci­pal de São Ca­e­ta­no), Le­an­dro Pre­a­ro, apon­tou co­mo im­por­tan­te a di­mi­nui­ção na ta­xa de cres­ci­men­to, que vem de­sa­ce­le­ran­do com o pas­sar dos anos no ABC e em to­do o Bra­sil. Por exem­plo, o cres­ci­men­to da es­ti­ma­ti­va po­pu­la­ci­o­nal de São Ber­nar­do foi de 1,3% en­tre 2001 e 2002, nú­me­ro mai­or que o 0,63% de ago­ra.

“Es­ta­mos che­gan­do ca­da vez mais per­to do cres­ci­men­to ze­ro e da in­ver­são da cur­va, que é quan­do o cres­ci­men­to não exis­te e a po­pu­la­ção co­me­ça a di­mi­nuir. Is­so po­de acon­te­cer já em 2030”, ex­pli­cou Pre­a­ro.

Mo­ti­vos e con­sequên­ci­as Pa­ra o di­re­tor, a di­mi­nui­ção acon­te­ce por di­ver­sos fa­to­res e acar­re­tam con­sequên­ci­as po­si­ti­vas e ne­ga­ti­vas.

Os mo­ti­vos são o mai­or cus­to pa­ra cri­a­ção de fi­lhos na so­ci­e­da­de ur­ba­na, o cres­ci­men­to do aces­so aos con­tra­cep­ti­vos e a ne­ces­si­da­de e von­ta­de das mu­lhe­res em par­ti­ci­pa­rem do mer­ca­do de tra­ba­lho. “Is­so faz com que as fa­mí­li­as te­nham me­nos, ou op­tem por não ter fi­lhos”, dis­se.

Pre­a­ro afir­ma que o fu­tu­ro fim do cres­ci­men­to po­pu­la­ci­o­nal é po­si­ti­vo por­que aju­da na que­da dos pro­ble­mas gra­ves re­la­ci­o­na­dos às po­lí­ti­cas pú­bli­cas. “Quan­to mai­or a po­pu­la­ção, mais di­fí­cil de cri­ar po­lí­ti­cas pa­ra su­prir as ne­ces­si­da­des. O ne­ga­ti­vo é que me­nos pes­so­as es­ta­rão na ida­de eco­no­mi­ca­men­te ati­va”, con­cluiu.

METRO ABC

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.