‘Co­mo Nos­sos Pais’ reú­ne co­ra­gem e sen­si­bi­li­da­de

Metro Brazil (ABC) - - Cultura -

Com uma di­re­ção pre­ci­sa de Laís Bo­danzky e um ro­tei­ro cui­da­do­so da pró­pria di­re­to­ra e de seu ex-ma­ri­do, Luiz Bo­log­ne­si, “Co­mo Nos­sos Pais” es­treia ho­je após ter fa­tu­ra­do seis Ki­ki­tos no úl­ti­mo Festival de Gra­ma­do – in­clu­si­ve o de me­lhor fil­me.

O lon­ga gi­ra em tor­no das ques­tões fe­mi­ni­nas con­tem­po­râ­ne­as. Po­de ser en­ca­ra­do co­mo um fil­me fe­mi­nis­ta, mas, tam­bém, co­mo uma re­fle­xão ur­gen­te so­bre as mui­tas car­gas im­pos­tas às mu­lhe­res ao lon­go de sé­cu­los.

A pro­ta­go­nis­ta é Ro­sa, in­ter­pre­ta­da de for­ma im­pe­cá­vel por Ma­ria Ri­bei­ro. Ela es­tá na fai­xa dos 40 anos e se di­vi­de en­tre os cui­da­dos com a ca­sa, as du­as fi­lhas, o tra­ba­lho de que não gos­ta, a von­ta­de de ser es­cri­to­ra e um ma­ri­do gen­til (Pau­lo Vi­lhe­na), mas que co­lo­ca a car­rei­ra à fren­te de qual­quer ou­tra coi­sa.

Ro­sa tam­bém não tem uma re­la­ção mui­to fá­cil com a mãe (Cla­ris­se Abu­jam­ra), que lo­go no iní­cio da tra­ma lar­ga uma bom­ba na vi­da já con­tur­ba­da da pro­ta­go­nis­ta: seu pai bi­o­ló­gi­co não é o ho­mem que a cri­ou, mas sim um po­lí­ti­co im­por­tan­te com qu­em ela te­ve um ca­so du­ran­te uma vi­a­gem a Cu­ba nos anos 1970.

O que faz de “Co­mo Nos­sos Pais” um gran­de fil­me é a ma­nei­ra com que a pro­ta­go­nis­ta en­ca­ra to­dos es­ses atro­pe­los da sua vi­da, mis­tu­ran­do co­ra­gem e sen­si­bi­li­da­de.

A di­re­to­ra Laís Bo­danzky co­me­mo­rou a re­cep­ti­vi­da­de da obra em Gra­ma­do. “Ser mu­lher, ho­je, não é mais acei­tar a su­pre­ma­cia dos ho­mens. É pre­ci­so bus­car um equi­lí­brio, tem que fi­car bom pa­ra to­dos os la­dos. E fi­co fe­liz que o fil­me aju­de nes­ta re­fle­xão”, dis­se ela du­ran­te o even­to. METRO POA

| DIVULGAÇÃO

Ma­ria Ri­bei­ro ven­ceu Ki­ki­to de me­lhor atriz em Gra­ma­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.