NÃO SOU CAN­DI­DA­TO. PROCURO UM

Metro Brazil (ABC) - - Foco - JO­SÉ LUIZ DATENA JOSE.DATENA @ME­TRO­JOR­NAL.COM.BR

Não que não te­nha von­ta­de de aju­dar es­te país tão sa­que­a­do, mal­tra­ta­do e por aí vai o coi­ta­do do po­vo bra­si­lei­ro. Mas, co­mo dis­se nes­te fim de se­ma­na à re­vis­ta “Is­toÉ”, o que atra­pa­lha é a tal da vai­da­de. Quem não tem?

Aí, o ca­ra já se acha o sal­va­dor da pá­tria, e lá vai mais um pa­ra de­cep­ci­o­nar o coi­ta­do do elei­tor. Is­so qu­an­do a in­ten­ção não é ou­tra se­não me­ter mes­mo a mão no di­nhei­ro do po­vo. Mo­ral da his­tó­ria: mais um la­drão.

Há bons po­lí­ti­cos pa­ra man­ter o ca­mi­nho da elei­ção co­mo via úni­ca da de­mo­cra­cia, que de­ve pre­va­le­cer a qu­al­quer ou­tro de­va­neio pe­ri­go­so pa­ra nos­sa his­tó­ria.

Já di­zia o mai­or es­ta­dis­ta con­tem­po­râ­neo, de­pois de der­ro­ta­do nas ur­nas ten­do ven­ci­do a Se­gun­da Gu­er­ra Mun­di­al. Wins­ton Chur­cill per­deu as elei­ções pa­ra pri­mei­ro-mi­nis­tro, mas de­fen­deu a de­mo­cra­cia até o fim dos seus glo­ri­o­sos di­as de ba­ta­lha pe­la li­ber­da­de hu­ma­na.

Não exis­te vi­da sem li­ber­da­de. Ver­da­de que brin­cam to­do dia com nos­sos di­rei­tos, rou­ban­do até nos­sa dig­ni­da­de, se es­que­cen­do de ou­tro he­rói mag­ní­fi­co de idei­as e ca­rá­ter que foi à gu­er­ra pa­ra unir uma na­ção con­tra o mal ter­rí­vel da es­cra­vi­dão. Abraham Lin­coln era a fa­vor do go­ver­no do po­vo, pe­lo po­vo e pa­ra o po­vo, e imor­ta­li­zou is­so no dis­cur­so de Gettys­burg.

No Bra­sil, ao con­trá­rio do que con­ta nos­sa his­tó­ria na mai­o­ria das ve­zes, mui­tos he­róis de­ram su­as vi­das pe­la so­be­ra­nia li­vre de nos­sa na­ção. Até di­ta­do­res sem­pre re­co­nhe­ce­ram que, me­lhor que ven­cer sem hon­ra, é per­der com ela até sua pró­pria vi­da. Pre­ci­sa­mos de gen­te ca­paz pa­ra gui­ar es­se po­vo, que é nos­so mai­or pa­trimô­nio de he­roís­mo, ho­nes­ti­da­de e gran­de­za. Fo­ra is­so, fa­rão sem­pre de elei­ções ver­da­dei­ras ar­ma­di­lhas pa­ra idi­o­tas.

Por to­da a nos­sa his­tó­ria que procuro, co­mo to­do ci­da­dão or­gu­lho­so des­te lin­do Bra­sil, al­guém que se­ja ca­paz de ver­da­de e in­ten­ção ser re­pre­sen­tan­te do po­vo. Não sou can­di­da­to a na­da. Procuro, co­mo vo­cê, um que se­ja dig­no.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.