O PAI DA MO­BI­LI­DA­DE

Pa­ra o ar­qui­te­to e ur­ba­nis­ta di­na­marquês Jan Gehl, as cidades de­vem ser pla­ne­ja­das pa­ra as pes­so­as se­rem fe­li­zes

Metro Brazil (ABC) - - PUBLIMETRO -

Ele po­de ser con­si­de­ra­do o pai da mo­bi­li­da­de ur­ba­na mo­der­na. Ge­ne­ro­so, jus­to e mui­to in­te­li­gen­te, o ar­qui­te­to e ur­ba­nis­ta di­na­marquês Jan Gehl pla­ne­ja, em to­do o mun­do, “cidades pa­ra as pes­so­as” – aliás, es­te é o tí­tu­lo de um de seus li­vros mais co­nhe­ci­dos. Com es­ta frase ele quer di­zer que as me­tró­po­les de­vem ser se­gu­ras, aco­lhe­do­ras e chei­as de bons es­pa­ços pú­bli­cos, com va­ri­a­das op­ções de trans­por­te pú­bli­co e mui­to ver­de, pa­ra que as pes­so­as te­nham o pra­zer de se en­con­trar, con­ver­sar, ca­mi­nhar e pe­da­lar. En­fim, vi­ver.

Uto­pia? Lá fo­ra is­so é uma re­a­li­da­de, es­pe­ci­al­men­te em cidades on­de Gehl já tra­ba­lhou e co­lo­cou su­as idei­as em prá­ti­ca. O ur­ba­nis­ta foi o res­pon­sá­vel por fa­zer de Co­pe­nha­gue, que até os anos 1960 era fo­ca­da nos car­ros, uma cidade con­for­tá­vel pa­ra os pe­des­tres e ci­clis­tas, uma re­fe­rên­cia no mun­do to­do em pla­ne­ja­men­to ur­ba­no.

A ca­pi­tal da Di­na­mar­ca tem du­as gran­des pri­o­ri­da­des: ser a me­lhor cidade do mun­do pa­ra as pes­so­as, fa­vo­re­cen­do a vi­da em co­mu­ni­da­de, e se tor­nar a cidade mais ci­clá­vel do pla­ne­ta tam­bém. “Se fi­zer­mos mais ru­as, te­re­mos mais car­ros e mais trá­fe­go. Mas se pro­por­ci­o­nar­mos me­lho­res con­di­ções pa­ra os pe­des­tres, pa­ra os ci­clis­tas e pa­ra a vi­da pú­bli­ca, o que acon­te­ce dez anos mais tar­de? Vo­cê tem mais pe­des­tres, mais ci­clis­tas e mais vi­da nas ru­as. Vo­cê tem mais saú­de, ar me­nos po­luí­do, gen­te mais fe­liz. É im­por­tan­te sa­ber que es­tra­té­gia ca­da cidade quer ter”, dis­se Gehl em uma de su­as pa­les­tras, no se­mi­ná­rio Fron­tei­ras do Pen­sa­men­to, quan­do tam­bém ob­ser­vou que o Bra­sil, nes­se sen­ti­do, pre­ci­sa ur­gen­te­men­te se re­no­var.

O ur­ba­nis­ta e aman­te da mo­bi­li­da­de in­te­li­gen­te é uma ins­pi­ra­ção pa­ra to­dos nós. Quem não quer um lu­gar me­lhor pa­ra vi­ver? O prin­cí­pio da cidade ocu­pa­da, com gen­te nas ru­as ca­mi­nhan­do e pe­da­lan­do, é tam­bém o da cidade mais se­gu­ra, agra­dá­vel e sus­ten­tá­vel. Ele ob­ser­va que o mo­de­lo an­ti­go e que nor­te­ou o mun­do por tan­tos anos, ba­se­a­do no car­ro, es­tá ul­tra­pas­sa­do: “Du­ran­te cin­quen­ta anos a ve­lha ideia do pla­ne­ja­men­to ur­ba­no le­vou as pes­so­as a fi­ca­rem sen­ta­das o dia to­do, no car­ro e no es­cri­tó­rio, mas ve­mos que is­so cau­sa vá­ri­os pro­ble­mas de saú­de”.

Nas cidades em que as pes­so­as usam mais o trans­por­te co­le­ti­vo, elas tam­bém ca­mi­nham mais – e is­so re­pre­sen­ta mai­or eco­no­mia na saú­de pú­bli­ca, já que o se­den­ta­ris­mo es­tá li­ga­do a vá­ri­as do­en­ças.

Jan Gehl gos­ta de lem­brar que so­mos, afi­nal, ho­mo sa­pi­ens. E por is­so não po­de­mos vi­ver em am­bi­en­tes hos­tis ao ser hu­ma­no. E ques­ti­o­na: “Já no­tou que sa­be­mos tu­do so­bre o ha­bi­tat ide­al dos go­ri­las, gi­ra­fas, chim­pan­zés e até dos or­ni­tor­rin­cos, mas que qua­se não te­mos co­nhe­ci­men­to so­bre o que se­ria um bom lu­gar pa­ra o ho­mo sa­pi­ens vi­ver?”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.