UMA CE­NA QUE NAO DE­VE­RIA SER CO­MUM

Es­ta­do re­gis­trou em ju­lho 2.269 in­cen­di­os em par­ques, are­as de pre­ser­va­cao, ma­tas e lo­tes va­gos

Metro Brazil (Belo Horizonte) - - Front Page -

O tem­po se­co que Mi­nas Ge­rais en­fren­ta des­de o iní­cio do in­ver­no, em ju­nho, tem con­tri­buí­do pa­ra a pro­pa­ga­ção de in­cên­di­os em par­ques e ma­tas do Es­ta­do. Ape­nas en­tre os me­ses de ju­nho e ju­lho, se­gun­do os bom­bei­ros, fo­ram 3.330 ocor­rên­ci­as re­la­ci­o­na­das ao com­ba­te ao fo­go – mui­tas de­las pro­vo­ca­das de for­ma cri­mi­no­sa.

A ‘ví­ti­ma’ mais re­cen­te foi o Pi­co do Ita­co­lo­mi, si­tu­a­do en­tre Ou­ro Pre­to e Ma­ri­a­na, na re­gião Cen­tral de Mi­nas Ge­rais. Após con­ter as cha­mas que de­vas­ta­vam o Par­que há três di­as na úl­ti­ma ter­ça-fei­ra, os bri­ga­dis­tas do Cor­po de Bom­bei­ros pre­ci­sa­ram re­tor­nar ao lo­cal pa­ra con­ter no­vos fo­cos do in­cên­dio. Se­gun­do o ma­jor An­der­son Pas­sos, do Ba­ta­lhão de Emer­gên­ci­as Am­bi­en­tais e Res­pos­ta a De­sas­tres, há a sus­pei­ta de que o in­cên­dio se­ja cri­mi­no­so. “É um in­cên­dio de gran­des pro­por­ções, e que pe­las ca­rac­te­rís­ti­cas co­mo bai­xa umi­da­de do ar e ven­tos in­ten­sos, fa­vo­re­cem a pro­pa­ga­ção das cha­mas e di­fi­cul­tam o com­ba­te”, dis­se. “A nossa sus­pei­ta é que as­sal­tan­tes te­nham pro­vo­ca­do o in­cên­dio pa­ra des­pis­tar a po­lí­cia, e as cha­mas se alas­tra­ram”, re­ve­lou An­der­son.

Ain­da se­gun­do o ma­jor, os in­cên­di­os cri­mi­no­sos são mai­o­ria. Um es­tu­do fei­to pe­la cor­po­ra­ção apon­ta que na­da me­nos que 99,1% dos in­cên­di­os são de ori­gem da ação hu­ma­na.

“Os in­cên­di­os de ori­gem na­tu­ral são oca­si­o­na­dos por rai­os, por exem­plo. Mas co­mo o céu es­tá limpo, a úni­ca ex­pli­ca­ção pa­ra a ori­gem des­ses fo­cos de in­cên­dio são as pes­so­as que fa­zem is­so in­ten­ci­o­nal, às ve­zes até por des­cui­do. Se­ja pa­ra eco­no­mi­zar na ca­pi­na de um lo­te, quei­mar fo­lhas ou até uma bi­tu­ca de ci­gar­ro. Tem de tu­do um pou­co”, ex­pli­ca.

Pa­ra evi­tar o cres­ci­men­to des­ses ca­sos, os bom­bei­ros apos­tam em du­as fren­tes: a edu­ca­ção e pre­ven­ção. “Nós en­ten­de­mos que é pre­ci­so uma mu­dan­ça cul­tu­ral. Es­ta­mos in­ves­tin­do em vi­si­ta­ção à es­co­las, mos­tran­do às cri­an­ças co­mo é o tra­ba­lho dos bom­bei­ros, as­sim co­mo é im­por­tan­te evi­tar pro­vo­car in­cên­di­os em ma­tas e área de pre­ser­va­ção. Na par­te do com­ba­te, nós in­ten­si­fi­ca­mos a pre­sen­ça de agen­tes em áre­as de ris­co. Na Ser­ra do Ro­la Mo­ça, por exem­plo, o efe­ti­vo nes­te ano é cin­co ve­zes mai­or. En­tão já con­se­gui­mos re­du­zir em pe­lo me­nos 50% a área quei­ma­da nes­ta épo­ca do ano”, diz.

Mas tu­do is­so ain­da é uma pre­pa­ra­ção do que es­tá por vir. His­to­ri­ca­men­te, os me­ses de se­tem­bro e ou­tu­bro são cam­peões em nú­me­ro de quei­ma­das. Por­tan­to, nos pró­xi­mos dois me­ses a aten­ção das bri­ga­das das uni­da­des de con­ser­va­ção e de mi­li­ta­res do Cor­po de Bom­bei­ros se­rá re­do­bra­da.

| JO­EL SIL­VA/FOLHAPRESS

Cha­mas tam­bém atin­gi­ram área da ci­da­de de Fru­tal

| BOM­BEI­ROS/DIVULGAÇÃO

Em me­nos de uma se­ma­na, dos in­cên­di­os no Pi­co do Ita­co­lo­mi

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.