Pres­tes a dei­xar o Hai­ti, Exér­ci­to do Bra­sil não des­car­ta no­va gu­er­ra ci­vil

Metro Brazil (Belo Horizonte) - - Mundo -

O co­man­dan­te da ope­ra­ção do Exér­ci­to bra­si­lei­ro no Hai­ti, ge­ne­ral Ajax Por­to Pi­nhei­ro, dis­se on­tem em en­tre­vis­ta à BandNews que se­to­res de in­te­li­gên­cia do Bra­sil e da ONU mo­ni­to­ram a pos­si­bi­li­da­de de uma no­va gu­er­ra ci­vil no país. “Não ti­ve­mos ne­nhu­ma in­for­ma­ção de que is­so vá ocor­rer. Po­de ser es­se o fa­tor de ins­ta­bi­li­da­de, gan­gues se reu­ni­rem no­va­men­te pa­ra cri­ar áre­as co­mo no pe­río­do em que as tro­pas che­ga­ram. Is­so po­de ocor­rer de­pois da par­ti­da ( da mis­são)? Sim”, afir­mou o ge­ne­ral. Se­gun­do ele, po­rém, a po­lí­cia lo­cal tem ca­pa­ci­da­de de ação mui­to mai­or do que há 13 anos.

Pi­nhei­ro acres­cen­ta que a men­ta­li­da­de da po­pu­la­ção hai­ti­a­na mu­dou, o que di­fi­cul­ta um novo gol­pe: “De 1986, quan­do o di­ta­dor Baby Doc foi der­ru­ba­do e ape­a­do do poder, até 2004, os hai­ti­a­nos ti­ve­ram 15 pre­si­den­tes. De 2004 até ago­ra, qua­se o mes­mo pe­río­do, três fo­ram elei­tos de­mo­cra­ti­ca­men­te”.

O Exér­ci­to bra­si­lei­ro che­gou ao Hai­ti em ju­nho de 2004 pa­ra li­de­rar a mis­são da ONU a fim de le­var aju­da hu­ma­ni­tá­ria, res­ta­be­le­cer a se­gu­ran­ça e pro­te­ger os di­rei­tos hu­ma­nos no país mais po­bre das Amé­ri­cas. Em 13 anos, o Bra­sil en­vi­ou, ao to­do, 37 mil mi­li­ta­res ao Hai­ti. Ago­ra es­tá vol­tan­do, mis­são cum­pri­da.

“O le­ga­do que nós dei­xa­mos é um país es­ta­bi­li­za­do, que pas­sou 13 anos es­tá­vel e ele­geu 3 pre­si­den­tes de­mo­cra­ti­ca­men­te. Eles nun­ca ti­ve­ram um pe­río­do tão lon­go de es­ta­bi­li­da­de” AJAX PI­NHEI­RO, GE­NE­RAL DO EXÉR­CI­TO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.