Ali­men­ta­ção nas es­co­las mi­nei­ras é pou­co sau­dá­vel

Mais da me­ta­de dos pro­du­tos con­su­mi­dos nas lan­cho­ne­tes es­co­la­res tem bai­xo va­lor nu­tri­ci­o­nal, diz FGV

Metro Brazil (Belo Horizonte) - - Foco -

Mais da me­ta­de dos pro­du­tos con­su­mi­dos nas lan­cho­ne­tes de es­co­las par­ti­cu­la­res de Mi­nas tem bai­xo va­lor nu­tri­ci­o­nal, apon­ta re­la­tó­rio pro­du­zi­do pe­la FGV (Fun­da­ção Ge­tu­lio Var­gas) em par­ce­ria com a em­pre­sa es­pe­ci­a­li­za­da Nu­tre­bem. O le­van­ta­men­to ana­li­sou o com­por­ta­men­to de mais de 3 mil alu­nos de 16 es­co­las pri­va­das de to­do o Es­ta­do ao lon­go do ano de 2016.

O es­tu­do apon­ta que 54,4% dos ali­men­tos con­su­mi­dos têm bai­xo va­lor nu­tri­ci­o­nal, en­quan­to 39,7% são con­si­de­ra­dos co­mo mé­di­os e ape­nas 5,8% são de al­to va­lor nu­tri­ci­o­nal. Pa­ra Eduardo Andrade, professor da FGV, os da­dos são pre­o­cu­pan­tes. “É na in­fân­cia e na ado­les­cên­cia que for­ma­mos mui­tos de nos­sos há­bi­tos ali­men­ta­res. Se nos ha­bi­tu­a­mos a co­mer mal e o con­su­mo na can­ti­na po­de ini­ci­ar ou re­for­çar es­se há­bi­to, mais tar­de te­re­mos di­fi­cul­da­de em ado­tar uma di­e­ta mais sau­dá­vel”, res­sal­ta.

Os nú­me­ros ain­da re­ve­lam que a mai­or parte dos pro­du­tos ofer­ta­dos pe­las can­ti­nas das es­co­las tam­bém são pou­co nu­tri­ti­vos. De acor­do com o es­tu­do, 56,8% dos lan­ches são de bai­xo va­lor nu­tri­cio- nal, en­quan­to 31,1% são de mé­dio e ape­nas 12,1% são sau­dá­veis. Ain­da se­gun­da Andrade, o le­van­ta­men­to mos­tra a ne­ces­si­da­de de se dis­cu­tir os há­bi­tos ali­men­ta­res das cri­an­ças.

“Em uma si­tu­a­ção de qua­se mo­no­pó­lio, co­mo é o ca­so das can­ti­nas na ho­ra do re­creio, a ofer­ta faz mui­ta di­fe­ren­ça. O pro­ble­ma é que pro­du­tos me­nos nu­tri­ti­vos são, em ge­ral, mais lu­cra­ti­vos pa­ra as can­ti­nas e mais pa­la­tá­veis aos jo­vens con­su­mi­do­res. Por­tan­to, a me­nos que ha­ja en­ga­ja­men­to dos pais, das es­co­las e do go­ver­no, as can­ti­nas con­ti­nua- rão a ofe­re­cer uma quan­ti­da­de des­pro­por­ci­o­nal de pro­du­tos de bai­xo va­lor nu­tri­ci­o­nal, e as cri­an­ças e ado­les­cen­tes con­ti­nu­a­rão a con­su­mi-los”, con­clui.

Há­bi­tos sau­dá­veis

Pa­ra a ser­vi­do­ra pú­bli­ca Cris­ti­na Fer­nan­des, de 42 anos, pre­pa­rar lan­ches sau­dá­veis pa­ra seus fi­lhos é a me­lhor op­ção. Ela, que é mãe da Isa­be­la, de 10 anos, e do Da­vid, de 4, cos­tu­ma apron­tar as me­ren­das des­de que a mais ve­lha es­ta­va na pré-es­co­la. “Na an­ti­ga es­co­li­nha da Isa­be­la, que é a atu­al do Da­vid, a equi­pe exi­ge que man­de­mos o lan­che, prin­ci­pal­men­te a fru­ta. Des­de en­tão, man­ti­ve es­se há­bi­to”, con­ta.

Cris­ti­na pos­sui uma fór­mu­la pron­ta pa­ra o lan­che de seus fi­lhos: água, su­co, uma fru­ta e um car­boi­dra­to. “Sem­pre man­do ou um bis­coi­ti­nho in­te­gral ou um bo­lo fei­to em ca­sa. Quan­do não, um san­duí­che, tam­bém fei­to em ca­sa, com pre­sun­to de pe­ru, por exem­plo”, ex­pli­ca.

Além do cos­tu­me, a ser­vi­do­ra se sen­tiu mo­ti­va­da a pre­pa­rar o lan­che dos pe­que­nos após ver os pre­ços da lan­cho­ne­te. “A Isa­be­la es­tu­da em uma es­co­la par­ti­cu­lar que tem can­ti­na. Os pre­ços são ab­sur­dos e as op­ções são pou­co sau­dá­veis. Pre­fe­ri man­ter o cos­tu­me tan­to pa­ra eco­no­mi­zar quan­to pa­ra man­ter bons há­bi­tos de saú­de”, ar­gu­men­ta.

Em ca­sa, Cris­ti­na pro­me­te man­ter o há­bi­to ali­men­tar sau­dá­vel. “Eles ado­ram fru­tas. E ago­ra es­ta­mos em uma on­da de ali­men­tos or­gâ­ni­cos, sem de­fen­si­vos quí­mi­cos. São mais ca­ros, mas va­lem a pe­na”, res­sal­ta.

“Em uma si­tu­a­ção de qua­se mo­no­pó­lio, co­mo é o ca­so das can­ti­nas na ho­ra do re­creio, a ofer­ta faz mui­ta di­fe­ren­ça” EDUARDO ANDRADE, PROFESSOR DA FGV

| SÉRGIO LIMA/FOLHAPRESS

Pro­du­tos sau­dá­veis, co­mo sa­la­das de fru­tas e ge­la­ti­nas, re­pre­sen­tam ape­nas 5,8% do con­su­mo nas can­ti­nas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.