O MO­MEN­TO É AGO­RA

PAULO MIKLOS LAN­ÇA 1º ÁL­BUM SO­LO APÓS SAIR DOS TITÃS

Metro Brazil (Belo Horizonte) - - Front Page - AMANDA QUEIRÓS

Sen­ti­men­tos bons re­chei­am “A Gen­te Mo­ra no Ago­ra”, no qual Paulo Miklos can­ta o va­lor de apro­vei­tar o pre­sen­te e usar as ener­gi­as des­se mo­men­to pa­ra se rein­ven­tar. En­tre ba­la­das, fre­vos e to­a­das rock and roll, ele exal­ta uma no­va fa­se da pró­pria vi­da tan­to no cam­po afe­ti­vo – após su­pe­rar a mor­te da mu­lher, em 2013 – qu­an­to pro­fis­si­o­nal – com a saí­da do Titãs após 34 anos. Is­so não sig­ni­fi­ca, no en­tan­to, que ele em­bar­cou na em­prei­ta­da so­zi­nho. O dis­co é api­nha­do de co­la­bo­ra­ções que tra­çam um pa­no­ra­ma da atu­al fa­se da MPB, al­ter­nan­do ar­tis­tas de gran­de ba­ga­gem, co­mo Eras­mo Car­los e Gui­lher­me Aran­tes, com no­mes fres­qui­nhos, co­mo Lur­dez da Luz, Tim Ber­nar­des e Emi­ci­da, au­tor da le­tra de “A Lei Des­se Tro­ço”. Tam­bém não fal­ta­ram par­ce­ri­as com Arnaldo An­tu­nes e Nan­do Reis, an­ti­gos co­le­gas de ban­da. O re­sul­ta­do são can­ções que fa­zem bem à al­ma, ar­re­ma­ta­das com a bem cui­da­da em­ba­la­gem so­no­ra do pro­du­tor Pu­pil­lo. Ao Me­tro, Miklos fa­lou so­bre o no­vo tra­ba­lho.

O dis­co é mui­to pa­ra ci­ma. A ideia era fa­zer is­so des­de o iní­cio ou foi al­go que aca­bou acon­te­cen­do?

Foi al­go bus­ca­do e al­can­ça- do. Es­se dis­co re­pre­sen­ta a su­pe­ra­ção de um mo­men­to di­fí­cil, de bus­ca pe­la fe­li­ci­da­de. Ou­tra coi­sa pla­ne­ja­da foi es­sa so­no­ri­da­de bra­si­lei­ra. As par­ce­ri­as sur­gi­ram pa­ra eu me ati­rar no que não po­dia con­tro­lar, e es­se é o la­do bo­ni­to da coi­sa, que ge­ra as gran­des sur­pre­sas. As can­ções nas­ce­ram to­das des­sa ma­nei­ra.

Vo­cê fa­la so­bre o va­lor do pre­sen­te, com o qual mui­ta gen­te es­tá bem de­ses­pe­ran­ço­sa. O dis­co po­de aju­dar a re­for­çar a im­por­tân­cia de­le?

O dis­co tem mui­to des­sa coi­sa de um de­se­jo de bus­ca da fe­li­ci­da­de. A can­ção do Emi­ci­da diz: “Cho­rar é im­por­tan­te igual sor­rir”. O dis­co fa­la do que é ine­vi­tá­vel na vi­da e co­mo a gen­te po­de tra­ba­lhar so­bre is­so. Acho que [ao olhar pa­ra o pre­sen­te] a gen­te ten­de a fi­car mais es­per­to. É o con­trá­rio da apa­tia. Acho que a gen­te de­ve ser ati­vo, lu­tar pe­los ide­ais e não de­ve de­sis­tir.

Es­te é um dis­co so­lo, mas vo­cê não es­tá na­da so­zi­nho. Vo­cê não con­se­gue cri­ar sem es­tar cer­ca­do de gen­te?

Meu pri­mei­ro dis­co [“Pau- lo Miklos” (1994)] foi so­lo por ex­ce­lên­cia. To­quei to­das as fai­xas, com­pus to­das as mú­si­cas e le­tras. E fui o pro­du­tor. Fui fo­mi­nha até o fim. Já ti­ve es­sa ex­pe­ri­ên­cia de que­rer fa­zer tu­do, e ela foi im­por­tan­te, in­clu­si­ve, pa­ra es­se dis­co de ago­ra. Apren­di que ca­da mo­men­to tem sua im­por­tân­cia, e ho­je acho que a mú­si­ca é mes­mo en­con­tro. Gos­to de cri­ar jun­to e es­ta­be­le­cer par­ce­ri­as que ter­mi­nam no en­con­tro com o pú­bli­co, quan­do es­sas can­ções dei­xam de ser ape­nas su­as pa­ra ca­da um cons­truir o seu sen­ti­do.

BRU­NO TRINDADE/DI­VUL­GA­ÇÃO

“A GEN­TE MO­RA NO AGO­RA” PAULO MIKLOS DECKDISC STREAMING A PAR­TIR DE 11/8

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.